Entretenimento

“Não vale o risco”: pai de Elon Musk não aceita andar em Tesla nem de graça e pede presente de outra marca

0

O pai de Elon Musk, Errol Musk, recusou um presente no mínimo inusitado: um carro da Tesla, empresa fundada por seu próprio filho, que também é dono do X, anteriormente Twitter.

Embora pareça ser apenas um gesto familiar simples, essa história levanta questões mais amplas sobre praticidade, preferências pessoais e implicações financeiras no mundo dos super-ricos.

De acordo com o JeuxVideo, Errol Musk, o pai em questão, recusou a generosa oferta de seu filho de enviar um Tesla dos Estados Unidos para a África do Sul, citando preocupações logísticas e práticas.

Via Forbes

Motivos para recusar o presente

Custos de envio e impostos de importação foram apontados como obstáculos financeiros, embora seu filho, com sua fortuna astronômica, tenha garantido cobrir todos os custos, estimados em cerca de US$ 180 mil.

Essa quantia representa uma fração mínima da sua colossal fortuna de US$ 278 bilhões, considerando as ações de suas empresas e não apenas o dinheiro líquido.

No entanto, a narrativa vai além dos números financeiros. Errol Musk destaca preocupações tangíveis sobre a falta de serviço pós-venda e representantes da Tesla na África do Sul.

Além disso, ele fala que não há estações de carregamento disponíveis na região. Dessa forma, seria impossível utilizar o Tesla por muito tempo, visto que ficaria sem carga.

Nesse caso, a rejeição vai além de gostos ou má relação familiar, batendo em algumas questões pertinentes para a empresa.

Obstáculos

Essas considerações práticas destacam os desafios que a Tesla enfrenta ao expandir sua presença global, apesar de ser líder na indústria de veículos elétricos.

O custo de enviar um carro dos EUA para a África do Sul, de acordo com dados da empresa de transporte A1 Auto Transport, varia de US$ 3.300 a US$ 7.000.

Além disso, a África do Sul impõe um imposto de 25% sobre veículos importados, agravando os desafios financeiros da operação.

Embora esses obstáculos financeiros sejam relativamente pequenos para Elon Musk, eles levantam questões mais amplas sobre a viabilidade econômica de lançar veículos Tesla em escala global.

Ainda, vale reforçar que Errol Musk decidiu manter-se no controle da negociação, sem aceitar a total ajuda do filho. Mesmo que dinheiro não seja um problema para o dono da Tesla, seu progenitor preferiu não enfrentar esses embargos e aceitar a quitação das taxas.

Via Pexels

Detalhes do presente para Errol Musk

Vale observar que Errol Musk não especificou qual modelo de Tesla seu filho planejava presentear-lhe.

No entanto, na época, um dos modelos mais caros da Tesla era o Model X Plaid, avaliado em cerca de US$ 100 mil. Essa omissão adiciona um toque de mistério à história, deixando no ar qual carro seria.

Claro, as expectativas cresceram entre os usuários, considerando os valores divulgados previamente.

Além disso, para além das considerações logísticas e financeiras, a narrativa também levanta questões sobre as preferências automotivas pessoais.

Conforme relatado pelo JeuxVideo, Errol Musk deixou claro que tem uma predileção por dirigir um Rolls-Royce, descartando a possibilidade de aceitar um Tesla, mesmo que seja como presente.

Essa preferência pessoal destaca a ligação a marcas e experiências de condução específicas, mesmo dentro de uma família profundamente envolvida na indústria automobilística e tecnológica.

De um lado, pode-se argumentar que o pai de Elon Musk está correto em manter suas preferências consolidadas. Rolls-Royces são símbolos atemporais de luxo, associados a design único e a uma rica tradição automotiva.

Por outro lado, a inovação tecnológica da Tesla, o compromisso com a energia limpa e o impacto na indústria automotiva podem ser considerados ativos valiosos que merecem consideração.

Seja como for, por motivos políticos, financeiros ou pessoais, a recusa de um presente tão generoso acaba sendo, no mínimo, surpreendente.

 

Fonte: IGN

Imagens: Forbes, Pexels

O que há entre as estrelas de uma galáxia?

Artigo anterior

Os humanos poderiam viver 200 anos se não fossem os dinossauros

Próximo artigo