Nosso cérebro é capaz de criar 11 dimensões, entenda

POR Isabela Ferreira    EM Ciência e Tecnologia      25/04/18 às 17h54

O cérebro humano é um dos órgãos mais complexos e misteriosos de nosso corpo. Frequentemente a ciência descobre novas informações que o envolvem, e aconteceu de novo no ano passado. Usando como base um clássico ramo da matemática, chamado topologia algébrica - utilizado para descrever propriedades de espaços e objetos, independente de como eles alteram sua forma - conseguiram investigar melhor a estrutura de nossos cérebros.

E a descoberta foi bem interessante. Estima-se que o cérebro humano esteja cheio de estruturas multidimensionais geométricas, que operam em até 11 dimensões. Particularmente, temos aquele costume de encarar tudo em 3D, então pode ser meio complicado entender como funcionariam tantas dimensões. Acontece que os resultados de tal estudo podem ajudar a ciência a entender melhor acerca do tecido do cérebro humano. Este, que até então é a estrutura mais complexa de que se tem conhecimento.

Tal descoberta foi conduzida por uma equipe do Blue Brain Project... Iniciativa de pesquisa da Suíça, que se dedica a construir um cérebro humano que poderia ser alimentado por um supercomputador. Dessa forma, acabaram descobrindo que grupos de neurônios podem se conectar por meio de "cliques". Assim, o número de neurônios em um grupo, pode levar seu tamanho como uma espécie de objeto geométrico em alta dimensão.

De acordo com Henry Markram, neurocientista e pesquisador chefe do estudo: "Encontramos um mundo que nunca havíamos imaginado. Há dezenas de milhões desses objetos, mesmo em uma pequena partícula do cérebro, através de sete dimensões. Em algumas redes, encontramos estruturas de até 11 dimensões".

Esclarecendo

Apenas para que você entenda melhor, não é como se nosso cérebro fosse dividido da mesma forma que as dimensões espaciais. Ao invés disso, "se refere a como os pesquisadores analisaram os cliques de neurônios para determinar como estão conectados". Segundo o que publicaram os pesquisadores no artigo: "As redes são frequentemente analisadas em termos de grupos de nós, que estão todos conectados. A isso damos o nome de 'cliques'. O número de neurônios em um grupo determina seu tamanho, ou mais formalmente, sua dimensão".

Estima-se que o cérebro humano armazene cerca de 86 bilhões de neurônios... Que apresentam múltiplas conexões celulares, por todas as direções possíveis. Isso é que forma nossa vasta rede celular, nos dando a capacidade de pensar e ter consciência. Bem, a partir de tal informação, é compreensível que ainda não saibamos absolutamente tudo sobre como funciona nossa rede neural. Por outro lado, a estrutura matemática que foi construída pela equipe nos deixa mais próximos de conseguir desenvolver um cérebro em modelo digital.

Segundo os pesquisadores, a topologia algébrica é capaz de fornecer as ferramentas precisas para diferenciar detalhes de rede neural, seja em uma visão mais próxima dos níveis de neurônios individuais, ou em uma escala maior da estrutura cerebral como um todo. Assim que esses dois níveis são conectados, os pesquisadores puderam identificar as estruturas geométricas de alta dimensão no cérebro... Formadas por grupos de neurônios conectados (cliques) e os espaços presentes entre eles (cav.idade)

Segundo o matemático Ran Levi, membro do estudo: "É como se o cérebro reagisse a um estímulo construindo e arrasando uma torre de blocos multidimensionais. Começando com hastes (1D), depois pranchas (2D), depois cubos e geometrias mais complexas com 4D, 5D e etc". Ainda acrescenta: "A progressão da atividade através do cérebro se assemelha a u castelo de areia multidimensional que se materializa a partir da areia e depois se desintegra".

E então pessoal, o que acharam? Compartilhem suas ideias com a gente aí pelos comentários!

Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+