Entretenimento

O ChatGPT vai acabar com a profissão de advogados? Isso não depende (só) da tecnologia

0

Conforme o ChatGPT e mais ferramentas de inteligência artificial têm chamado atenção das empresas que estão buscando mais eficiência, várias dúvidas surgem a respeito disso, sendo a maior delas se os sistemas de inteligência artificial irão substituir os humanos nas mais variadas profissões.

Mesmo que a discussão sobre a possível ameaça que essa ferramenta de inteligência artificial representa esteja cada vez maior, o criador do ChatGPT, Sam Altman, afirmou na sua recente passagem pelo nosso país que na realidade a ferramenta irá aprimorar várias profissões e não substituir os humanos.

No caso do Direito, qual será o seu futuro? Ele está entre as profissões que irão ser aprimoradas por essa tecnologia, ou então será extinta por conta da inteligência artificial?

Fim dos advogados?

Forbes

Fazendo uma análise objetiva, parece ser provável que uma inteligência artificial consiga compilar o saber legal e analisar as situações onde esse saber deve ser aplicado para atender as necessidades das pessoas. Mesmo que isso não possa ser feito sempre, mas em boa parte dos casos sim.

Contudo, é necessário lembrar que o Direito não é uma ciência exata e, em várias situações, é sustentado pela sensibilidade humana. São as capacidades de interpretar e avaliar determinadas situações com sabedoria, perspicácia e empatia que fazem com que as sentenças sejam realmente justas.

Além disso, fazer essa substituição de um advogado pelo ChatGPT ou alguma outra ferramenta de inteligência artificial não é uma coisa que depende totalmente da tecnologia ou da vontade das pessoas. De acordo com a lei, é exigido que processos legais e jurídicos sejam conduzidos pelos profissionais formados na área. Por conta disso, essa mudança ou substituição não deve ser vista pelas gerações mais recentes.

Por conta disso que o Direito ficaria entre as profissões que seriam aprimoradas com o ChatGPT. A IA pode contribuir bastante para a produtividade dos advogados e funcionar como uma ferramenta e não como uma ameaça ao trabalho. Pelo menos não em um futuro próximo.

ChatGPT

Folha PE

Para se ter uma noção de como essa tecnologia poderia ajudar esses profissionais, eles passam aproximadamente 50% do tempo fazendo microtarefas não relacionadas ao Direito, como por exemplo, buscando informações e jurisprudências, fazendo cálculos, assinando contratos, entre outras coisas. Com o uso do ChatGPT ou outra ferramenta, coisas assim poderiam ser feitas em fração de segundo.

E o foco dessas ferramentas não é, e nem será, substituir o advogado, mas sim ajudá-lo para que ele consiga ter uma maior e melhor produção se dedicando ao cerne do Direito, resultando em melhores resultados para os clientes.

Substituição

IDPB

Esse receio de que o ChatGPT possa substituir os profissionais não é uma exclusividade do Direito. Outra profissão extremamente importante também teve essa dúvida: os professores.

Nesse ponto, Bill Gates deu uma entrevista no ASU+GSV Summit, em San Diego, e comentou a respeito da evolução do ChatGPT e outras ferramentas parecidas e o seu uso na educação.

Na visão dele, a inteligência artificial pode ajudar no aprendizado de matemática e na leitura. Contudo, essas ferramentas irão somente ajudar e nunca tomar o lugar dos professores.

Essa discussão tem ficado cada vez mais frequente, visto que o ChatGPT tem mostrado grandes e notáveis habilidades acadêmicas. Mesmo assim, de acordo com Gates, “se você pegar os próximos 18 meses, por exemplo, as IAs vão chegar como assistentes de professores e dar feedbacks sobre a escrita. E então elas vão ampliar o que somos capazes de fazer em matemática”.

Além disso, Gates ressalta que para a inteligência artificial o ensino da habilidade de escrita sempre foi uma grande dificuldade. Contudo, com os avanços que ela tem recebido, resultados impressionantes são vistos, o que dá uma grande esperança para o que essas ferramentas poderão fazer no futuro.

Sobre as ferramentas de inteligência artificial, Gates acredita que elas podem ir bem além de serem somente uma ferramenta para os professores. De acordo com ele, as tecnologias de inteligência artificial devem evoluir para ficarem cada vez mais capazes de passar aprendizados.

“Eu diria que é um marco muito valioso — engajar-se em um diálogo em que você ajuda os alunos a entender onde eles estão errando — e não estamos tão longe disso. A IA terá essa capacidade, de ser um tutor tão bom quanto qualquer ser humano jamais poderia ser”, pontuou ele.

Outra previsão de Gates é que a inteligência artificial irá poder ajudar na democratização da educação. “Isso deve ser um nivelador. Porque ter acesso a um tutor é muito caro para a maioria dos alunos – especialmente ter esse tutor se adaptando e lembrando de tudo o que você fez e analisando todo o seu trabalho”, concluiu ele.

Fonte: Tecmundo

Imagens: Forbes, Folha PE, IDPB

Dia Mundial do Chocolate: quando o cacau faz bem para a saúde?

Artigo anterior

10 curiosidades do filme sobre Mark Zuckerberg

Próximo artigo