Mundo Animal

O que um biólogo diz sobre o caso das ovelhas zumbis?

0

Se você não esteve fora da internet nos últimos dias, deve ter visto o caso das ovelhas zumbis. Sim, exatamente. Um grupo de ruminantes bovídeos na China assustou os internautas ao se comportarem de uma maneira um tanto particular – elas estavam andando em círculos.

O jornal estatal chinês People’s Daily compartilhou a notícia em suas redes sociais, mostrando um registro em vídeo de ovelhas andando em círculos “quase perfeitos”. Relatos de fazendeiros afirmaram que, na ocasião, elas já estavam fazendo isso há mais de dez dias.

No entanto, apesar do vídeo estranho, biólogos confirmam que o comportamento é raro, mas não impossível. A justificativa é que as ovelhas, como outros animais, andam em bando, e acabam andando em círculos quando se sentem ameaçados.

Essa é uma reação natural, e serve para proteger os filhotes, que ficam no centro. Além disso, como o restante do bando tende a seguir a maioria, todas as ovelhas seguem o mesmo caminho, e seguem fazendo isso até se sentirem mais tranquilas.

Ainda em relação ao período consideravelmente grande em que elas estariam fazendo isso, os biólogos explicam que não existem comprovações desse fato. Como o vídeo registra apenas um momento, nada garante que as ovelhas zumbis estavam, de fato, andando em círculos por tanto tempo.

Outras teorias sobre as ovelhas zumbis

Via Pexels

Desde a publicação das ovelhas zumbis na internet, surgiram muitas teorias sobre esse comportamento anormal.

Alguns internautas comentaram se não seria uma imitação do comportamento das formigas, que realizam a “espiral da morte”. Quando confusas, esses insetos andaram em círculos até morrer por exaustão.

No entanto, as formigas são cegas, e seguem por meio de feromônios que as outras da colônia liberam. Nesse caso, as ovelhas não possuem essa deficiência visual, e a espécie não apresenta essa tendência.

Enquanto isso, outras pessoas apontaram se as ovelhas não estariam sofrendo de listeriose, uma doença causada por bactérias do solo que acabam infectando o seu cérebro. Geralmente, isso acaba afetando o senso de direção dos animais, inclinando para o lado afetado.

Entretanto, os surtos dessa doença acabam afetando apenas uma parte do bando, e elas morrem em poucos dias, o que não foi o caso.

Especialistas chegaram a comentar, nas redes sociais, que nunca tinham visto ovelhas agirem dessa forma, e apontaram se não seria uma farsa. Com os avanços da tecnologia, não seria difícil fazer montagens para enganar a internet.

Essa teoria dividiu opiniões, pois outros estudiosos também apontaram que pode ser uma reação ao estresse e ao medo, como explicaram os biólogos, oficialmente. As ovelhas zumbis estariam apenas frustradas ou procurando se proteger, e devem ter ficado confinadas por muito tempo no mesmo curral.

Dessa forma, seu senso de espaço foi reduzido, e o círculo de estresse acabou sendo menor do que o normal.

Andar em círculos é normal

Apesar do vídeo ser surpreendente, a conclusão é que essa cena pode ser normal.

Esse sintoma é comum em animais selvagens mantidos em cativeiro, e é uma condição conhecida como zoocose. Essa teoria é um pouco mais fundamentada, pois existem várias espécies que possuem comportamentos repetitivos quando estão sob estresse.

Se forem bandos, o sentimento passa como uma espécie de contágio, e todos os animais repetem, o que combina com a teoria dos biólogos.

Além disso, como os animais de outros currais não apresentaram o mesmo comportamento, é possível descartar teorias como bactérias ou doenças. No fim, as ovelhas zumbis estavam apenas estressadas, e as outras, em solidariedade, seguiram o bando.

Entretanto, vale a pena lembrar que essa espécie precisa de cuidados especiais na criação. Caso contrário, elas podem ficar frustradas. Por isso, cuide das suas ovelhas, para que elas não andem em círculos de maneira suspeita.

 

Fonte: Terra, Cenário MT

Imagens: Pixabay, Pexels

Copa do Mundo no Catar terá árbitras pela primeira vez

Matéria anterior

Novos estudo revelam mais sobre a história de Otzi, o homem de gelo

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos