• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

4 mistérios e polêmicas por trás da história de As Crônicas de Nárnia

POR Ultra Curioso    EM Mistérios & Horror      23/07/15 às 20h09

De repente uma menininha inglesa entra em um guarda-roupa para se esconder durante um jogo de pique-pega e vai parar numa terra mágica, habitada por animais falantes e criaturas fantásticas e repleta de magia e beleza. Foi assim que o mundo inteiro conheceu As Crônicas de Nárnia nas telonas do cinema pela primeira vez, com o filme O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa e dando início a um verdadeiro fenômeno pop.

Os filmes - três até agora, e um quarto já com o roteiro pronto - foram baseados na obra literária do autor irlandês C. S. Lewis, e é composta por uma série de sete livros: O Sobrinho do Mago (1955), O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa (1950), O Cavalo e seu Menino (1954), O Príncipe Caspian (1951), A Viagem do Peregrino da Alvorada (1952), A Cadeira de Prata (1953) e a Última Batalha (1956). Os livros de As Crônicas de Nárnia ainda continuam na lista dos mais vendidos mesmo depois de mais de 60 anos, entrando para o nível de outros grandes clássicos mundiais.

A história é aparentemente simples e infantil: uma terra mágica que foi criada por um deus-leão de nome Aslam, cheia de animais mágicos e falantes, como grifos, dragões, ninfas, centauros, faunos e bruxas, e que vez ou outra cai nas garras do mal, tendo que ser livrada pelos filhos de Adão e Eva (humanos). Os filmes e livros costumam encantar crianças e adultos por sua inventividade, pureza e linguagem simples. Mas será que As Crônicas de Nárnia é uma obra tão infantil e inocente quanto parece? Você vai descobrir que não. Conheça os 4 mistérios e polêmicas por trás da história de As Crônicas de Nárnia.

1. Aslam é representação de Deus Pai, Filho e Espírito

1401788417989

Tanto Lewis (autor de As Crônicas de Nárnia), quanto Tolkien (autor de O Senhor dos Anéis) eram cristãos. Os dois eram melhores amigos, e costumavam debater seus livros. Mas Lewis, ao contrário de Tolkien, introduziu sutilmente em sua obra passagens da Bíblia e do cristianismo ao mesmo tempo.

Aslam, que significa 'leão' em turco, é o deus supremo de Nárnia, sendo chamado também de 'Senhor dos Bosques', 'Filho do Imperador de Além-mar', e outros mais. Ele seria a representação da Santíssima Trindade na obra, o que pode ser constatado quando ele cria Nárnia entoando cânticos - Deus-Pai -, é sacrificado no lugar de um traidor (pecador) e ressuscita - Deus-Filho -, e é por vezes apresentado de diferentes formas e como uma 'força maior' - Deus- Espírito Santo).

2. O Apocalipse cristão acontece no último livro

tash

O livro A Última Batalha é um dos livros mais intrigantes e misteriosos de todas as crônicas. Nele, se concretiza um suposto apocalipse tal qual descrito na Bíblia.

Nesse livro, Aslam destroi a Nárnia que conhecemos pois esta seria apenas um reflexo da Nárnia verdadeira. Mas na nova e verdadeira terra mágica, apenas alguns seriam dignos de entrar. As crianças protagonistas entram nela em estado de espírito, pois todas estavam mortas sem ter consciência disso. Aqueles que adoravam a um deus falso, o deus Tash, são condenados e carregados por ele para a perdição.

3. A magia e o paganismo no Cristianismo

AsCrnicasdeNarnia31

Apesar de ser uma obra considerada cristã, muitas passagens de algumas crônicas intrigam estudiosos especializados na obra de Lewis.

No livro A Viagem do Peregrino da Alvorada, Lúcia - uma das personagens das crônicas - tem que recorrer a um livro de magia antigo para quebrar um feitiço de invisibilidade que recaía sobre os habitantes de uma ilha.

O magia usada por Lúcia dá certo, e os Dufflepods (as criaturas) tornam-se visíveis, assim como Aslam. O Grande Leão então demonstra satisfação e aprovação pelo ato de Lúcia. Ou seja, se Aslam representa Deus, é como se Ele se alegrasse quando recorremos à magia.

Isso se explica pelo fato de Lewis ser "pagão" antes de se converter à religião cristã, mas não deixou suas raízes ocultistas totalmente para trás, mesclando as duas coisas.

4. A teoria do tempo-espaço de Nárnia

Wallpaper6_1024

O cronograma de Nárnia é muito complexo, pois o tempo neste país é distinto do nosso, em outras palavras, a passagem de tempo entre Nárnia e a do nosso mundo são incoerentes. Dois dias aqui podem ser duzentos anos lá. Lewis misturou vestígios de complexas teorias de tempo-espaço, e tornou a história ainda mais surpreendente.

Próxima Matéria
Ultra Curioso
Ultra Curioso o acervo de um dos maiores sites de curiosidades brasileiros.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+