Quimera, o terrível híbrido da mitologia grega
Tempo de leitura:2 Minutos, 41 Segundos

Quimera, o terrível híbrido da mitologia grega

A mitologia grega é formada por um conjunto de lendas e mitos, que foram criados pelos gregos durante a antiguidade. Em suma, o objetivo principal de tais histórias era explicar certos fenômenos. O intuito era, basicamente, explicar a origem da vida, a vida após a morte, ou até mesmo fenômenos da natureza.

Assim, a criação dessas narrativas foi a maneira que os gregos encontraram para preservar a própria história. Basicamente, todos esses mitos, hoje, nos ajudam a entender as relações humanas da época. Além disso, tais histórias revelam também o entendimento do mundo, que os gregos carregavam.

Atemporais e eternas, a maioria das narrativas gregas é ilustrada por deuses, deusas, batalhas heroicas e jornadas no mundo subterrâneo. Por meio dessas narrativas, tivemos a oportunidade de conhecer um verdadeiro bestiário. Dentre todas as bestas apresentadas pelos gregos, há uma que merece atenção: a Quimera.

A Quimera

Basicamente, a Quimera era uma criatura que possuía traços de leão, cabra e serpente. Essa estranha e aterrorizante besta era considerada invencível. Descrita como um monstro assustador e terrível, a criatura foi fruto da união entre Equidna e o gigantesco Tífon.

Em contrapartida, há também relatos que apontam a Quimera como filha da Hidra de Lerna e do Leão de Neméia. Independente da origem, essa figura sempre exerceu atração sobre a imaginação popular. Em suma, a mais comum foi na arte cristã medieval, que a transformou em um símbolo do mal.

Analogamente, a Quimera foi criada pelo rei de Cária, Iobates. O rei a criou para destruir o reino vizinho da Lícia. Por praticamente ‘vomitar’ fogo, o rei procurou, incessantemente, um herói que fosse capaz de destruir a criatura. Aquele, que fosse capaz de tal feito, poderia se casar com sua filha.

Foi, nesse momento, que o reino de Iobates foi agraciado pela presença de Belorofonte. Belorofonte, montado em seu cavalo alado Pégasus, matou a Quimera num só golpe. Reconhecendo a bravura de Belorofonte, o rei Iobates não teve outra alternativa, senão conceder a mão de sua filha em casamento.

Representação cultural

A Quimera surge na mitologia grega antiga, aparecendo em pinturas já no século VI a.C e em textos no século VIII a.C. Os melhores estudiosos do período grego, incluindo Plínio, o Velho, Sêneca, Cícero, Virgílio, Ovídio, Homero, Platão, Pindar, Hesíodo, etc, contribuíram para a lenda do monstro.

Três mil anos antes da Quimera grega aparecer, os egípcios adoravam um deus com características similares. Em suma, a deusa do sol dos egípcios, chamada Sekhmet, foi descrita, diversas vezes, em relatos históricos como um leão que cospe fogo. Por esse motivo, muitos acreditam que a lenda de Sekhmet pode, possivelmente, ter inspirado a origem da Quimera da mitologia grega. Até hoje a figura é utilizada. Franquias contemporâneas, como, por exemplo, Yu-Gi-Oh, Ira dos Titãs, Percy Dragon, American Dragon, Final Fantasy e World of Warcraft usaram a Quimera, para testar seus heróis.

Atualmente, na linguagem popular, o termo quimera alude a qualquer composição fantástica, absurda ou monstruosa, constituída de disparates e elementos incongruentes, que não têm apoio na realidade. Em suma, significa um sonho impossível de acontecer e designa o que é fantástico, o que vive na imaginação. Em suma, algo tão absurdo que chega a ser utópico.

Continue in browser
To install tap Add to Home Screen
Add to Home Screen
Fatos Desconhecidos
Adicione o atalho da Fatos na sua home
Install
See this post in...
Fatos Desconhecidos
Chrome
Add Fatos Desconhecidos to Home Screen
Close

For an optimized experience on mobile, add Fatos Desconhecidos shortcut to your mobile device's home screen

1) Press the share button on your browser's menu bar
2) Press 'Add to Home Screen'.