Curiosidades

Terra deve atingir população de 8 bilhões essa semana

0

Em 15 de novembro, a população mundial deverá ultrapassar o marco de 8 bilhões. A população global está crescendo em mais de 70 milhões por ano, com 80% desse crescimento concentrado nos países mais pobres e menos equipados para alimentar, educar ou empregar essas pessoas adicionais.

Assim sendo, em todo o mundo, 700 milhões de pessoas vivem em extrema pobreza, com maior concentração no continente africano, que tem 23 dos 28 países mais pobres do mundo. Não por coincidência, a África tem as maiores taxas de fecundidade e crescimento populacional do mundo.

Além disso, sofre com a instabilidade climática, escassez de água e inundações e insegurança alimentar, com a inflação e o aumento dos custos dos combustíveis tornando a vida ainda mais difícil. Um novo relatório prevê que a África Subsaariana será insustentável até 2050. O rápido crescimento populacional é uma ameaça chave para ela e outros países pobres de alto crescimento.

Crescimento da população e os problemas envolvidos

População

Getty Images/iStockphoto

Alguns economistas gostam de argumentar que o crescimento populacional sem fim é uma coisa boa porque aumenta a produção econômica bruta. Eles também afirmam que o crescimento populacional acompanha o crescimento tecnológico, de modo que alguns dos problemas causados ​​por uma população maior serão resolvidos pelas inovações tecnológicas que a acompanham.

No entanto, alguém que vive em insegurança alimentar não concordaria. A escola de pensamento econômico pró-crescimento é falha em muitos aspectos. A economia é uma subsidiária do meio ambiente, e não o contrário. Se o crescimento populacional e a atividade econômica levam à degradação ambiental e às mudanças climáticas, que levam ao sofrimento e à morte humanos, rendas médias mais altas não podem justificar mais degradação.

A teoria de que o crescimento populacional é bom é derivada de médias globais ou nacionais. Mas estes podem ser enganadores porque escondem detalhes que argumentam o contrário. Isso porque o aumento da renda do 1% mais rico pode aumentar a renda média, enquanto os mais pobres não se beneficiam.

Em muitos países, o crescimento econômico continua enquanto a crescente desigualdade de riqueza deixa cada vez mais pessoas presas na pobreza. Há pouca evidência de que o crescimento populacional tenha melhorado a situação econômica no nível familiar.

Baixa fertilidade

A boa notícia é que o crescimento populacional mais lento é um dos inúmeros benefícios que geralmente resultam de investimentos que se concentram na expansão de oportunidades, serviços e direitos para mulheres e meninas. As taxas de fecundidade mais baixas que acompanham esses cenários são fundamentais para reduzir a pobreza e a disparidade econômica.

No entanto, em muitos países, as escolhas políticas favorecem o aumento da riqueza do 1% mais rico, ampliando a distância entre eles e o restante da população. Isso tem profundos efeitos ambientais e econômicos, ameaçando a teia da vida que torna o planeta habitável.

Um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente sobre a crise de extinção descobriu que a expansão da habitação humana e da agricultura humana são os principais fatores da extinção de espécies. Eles, por sua vez, são impulsionados pelo crescimento populacional.

Escolha reprodutiva

Por outro lado, a redução das taxas de fertilidade diminui nossa pegada. É por isso que aumentar a educação das meninas no mundo em desenvolvimento e promover o uso do planejamento familiar para permitir que indivíduos e casais adiem a gravidez e evitem gravidez indesejada foram considerados a maneira mais impactante de combater as mudanças climáticas, de acordo com o “Drawdown” de Paul Hawken. No entanto, em muitos países pobres com altas taxas de fecundidade, as meninas não têm acesso à educação e não podem exercer a escolha reprodutiva.

Certamente, a adoção global dos métodos de planejamento familiar nas últimas décadas é uma história de sucesso. Em 1960, cerca de 9% dos casais adultos usavam métodos modernos de contracepção, enquanto hoje cerca de 59% o fazem. A maioria das pessoas ao redor do mundo agora sabe sobre contracepção e onde obtê-la. É um dos maiores avanços em saúde pública da história.

Mas um bilhão de pessoas ainda não aproveitam isso. Em países com alto crescimento populacional, por exemplo, na África Subsaariana, o uso de anticoncepcionais é especialmente baixo. Aquelas que não desejam engravidar continuam a enfrentar muitas barreiras ao planejamento familiar, incluindo desinformação sobre a segurança e eficácia do planejamento familiar, além de barreiras sociais, educacionais, físicas e legais.

Sabemos que educar as meninas, impedir o casamento infantil e outras formas de violência contra as mulheres e tornar amplamente disponíveis informações e serviços de planejamento familiar pode retardar o crescimento populacional, impulsionar o desenvolvimento econômico, diminuir nossa pegada ambiental e combater as mudanças climáticas.

Logo, com a chegada da notícia da população de 8 bilhões, passou da hora de pensar sobre como diminuir a desigualdade entre essas pessoas, assim como o impacto que temos no meio ambiente.

Fonte: Sciencealert

Missão da NASA toca asteroide Bennu e coleta informações

Previous article

Cientistas podem ter descoberto evidencias da primeira extinção em massa

Next article

Comments

Comments are closed.