Ciência e Tecnologia

Uma criança perdeu 75% da visão por causa de um brinquedo que quase toda casa tem

0

Esse tipo de diversão já foi muito comum em décadas passadas e febre entre a galera por já ter sido considerado um ícone de diversão.

Brincar com ele era sinônimo de diversão, no passado, por conta das várias lentes diferentes que se podia usar, as brincadeiras que as pessoas faziam de noite etc.

Um brinquedo muito comum entre as crianças e usado por alguns adultos para fins profissionais, como dar aula, por exemplo, causou um dano sério nos olhos de uma criança, o famoso mini laser de brinquedo.

O garotinho de 14 anos que está com os olhos machucados, mostrados na imagem logo abaixo, teve cerca de 75% de perda da visão por ter colocado o feixe de laser nos olhos por alguns segundos.

A ação acabou queimando as retinas do jovem, danificando as retinas de forma permanente, principalmente a parte de trás do globo ocular.

3df0a8d5-5677-45cb-8645-095a4f0af2a6_desktop

Segundo o garoto, no momento em que colocou o laser nos olhos, não sentiu nenhum tipo de reação ou dor no momento, mas momentos mais tarde é que os efeitos começaram a surgir.

A área que foi afetada foi a da macula, região que faz com que a pessoa se concentre, possa ler, dirigir, olhar ao longe e perceber detalhes de forma mais atenta.

Pet-products-Electronic-funny-font-b-cat-b-font-rods-Small-pet-directing-font-b-toy

O oftalmologista do garoto, Ben Armitage, afirmou que a esperança é que a visão possa ser restaurada com a diminuição do inchaço e se isso não ocorrer, não há nenhum tipo de cirurgia, ou olhos de vidro que consigam recuperar a visão do garoto.

Depois do ocorrido, as autoridades australianas emitiram um alerta de saúde aos pais alertando sobre o perigo do uso dos lasers para crianças como forma de brinquedo.

Você já brincou com o brinquedinho que emite um feixe de laser? Mande seu comentário para gente!

Conheça o relógio do apocalipse que marca quanto tempo falta para o fim do mundo

Matéria anterior

6 marcas que são caras no Brasil, mas que são comuns em seus países de origem

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos