• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


7 histórias de pessoas que vivem com transtornos psicológicos

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      02/03/19 às 09h37

Todas as pessoas têm problemas, isso é um fato. Sejam eles grandes ou pequenos, todos nós temos que lidar com algumas coisas que não gostamos, e às vezes esses problemas podem ser até físicos ou mentais. Há quase 3000 anos, uma hipótese radical dizia que todas pessoas era esquizofrênicas. E essa afirmação de cientistas é baseada na análise dos manuscritos de diferentes culturas que mostram pessoas de diferentes partes do mundo se comportando da mesma forma, ouvindo vozes e as obedecendo achando que eram deuses ou musas que os falavam ao pé do ouvido.

Hoje em dia, várias pessoas que têm transtornos mentais são vistas como totalmente incapazes, mas na maioria dos casos isso não impede que elas vivam suas vidas relativamente saudáveis. Aqui mostramos alguns relatos de pessoas que convivem com doenças da mente e como elas se sentem. Para não expor, os pacientes os nomes deles foram ocultados e colocamos apenas as iniciais.

1 - Bipolaridade

"Eu tenho transtorno bipolar. Toda a astúcia da doença é que, mesmo como médico, você não percebe que algo está errado com você. Em todo caso, contanto que você não tenha experiência pessoal em reconhecer os 'primeiros sinais', eles são basicamente o aumento da capacidade de falar, entusiasmo, amorosidade, energia que extrapole e, muito importante, reduz a necessidade de sono. Se você não agir a tempo, o funil da mania (a fase de hiperatividade no transtorno bipolar que precede a depressão) o arrasta para além da razão, e há uma chance de você não ir por sua própria ajuda - em vez disso, você será levado de carro. Eu perdi minha primeira mania. Atribuí meu alto astral a um amor esperado de meu colega. Eu comecei a escrever poesia. No dia em que o médico organizou um concerto, encontrou artistas, cantou músicas - foi o meu triunfo", conta a paciente A. I.

2 - TOC

"Eu tenho transtorno obsessivo-compulsivo. E isso é uma maldita tortura. Nenhuma das minhas ações pode ser concluída sem realizar qualquer ritual, o que também leva muito tempo. Em geral, eu sou constantemente visitado por pensamentos como: 'se você não transformar esse xampu em um rótulo diferente, sua mãe vai morrer hoje em um sonho, e será sua culpa. Ou se você não ligar e desligar a luz 10 vezes, você vai se sentir mal esta noite (e eu também tenho uma fobia de náuseas). E às vezes, se você não mover essa faca para uma certa parte da mesa, alguém da sua família vai se deparar com ela, matá-la e morrer, e será sua culpa'. Assim, absolutamente qualquer atividade diária de repente se transforma em uma situação mortal. E, se você realmente quiser sobreviver, você terá que tocar este portátil cobrador 80 vezes, caso contrário, a morte ou então pelo menos um colapso nervoso é garantido", conta o paciente A. J.

3 - Síndrome de Tourette

"Eu tenho síndrome de Tourette: isto é, às vezes a mão está se contraindo, às vezes grito todos os tipos de palavras que uma pessoa em sã consciência tem vergonha de dizer e, o mais importante, eu não controlo esse processo. No entanto, isso realmente não me incomoda e nem o meu amado. Você só precisa confiar e contar sobre suas frustrações e doenças no início do relacionamento, para que ninguém, de repente, caia em um estado de estupor ao ver", disse a paciente E. S.

4 - Esquizofrenia

"Eu estudo astrofísica na Universidade da Pensilvânia (EUA) e sou o fundador de um laboratório de pesquisa de pulsares universitários. Mas esse nerd, como você obviamente pensou em mim, manteve um segredo aterrorizante por um longo tempo. Eu tenho esquizofrenia. Primeiro, ela se manifestou no ensino médio e, na faculdade, tentei cometer suicídio porque não aguentava mais esse pesadelo: onde quer que eu fosse, o palhaço me seguia. Ele zombou de mim, me empurrou e até mordeu. Aranhas ainda apareciam - e isso irritava mais do que tudo, já que eu não sabia dizer se era uma realidade ou uma alucinação. Mas o pior de tudo foi para mim depois do surgimento de uma menina parecida com uma personagem do filme The Bell. O problema é que ela podia falar consigo mesma e sabia exatamente quando e o que dizer para derrubar o chão debaixo dos meus pés. Quando eu digo tudo isso, eles me levam com cautela. Na verdade, todos nós vemos, ouvimos e sentimos alucinações: apenas alguém, apenas em pesadelos e alguém durante a vigília. As pessoas ao meu redor nem sabiam da minha realidade, que às vezes eu nem conseguia escrever testes em sala de aula porque "essas coisas" bloqueavam meus cadernos. A melhor decisão que tomei não foi apenas nesta situação, mas em geral na minha vida - fui ao médico. Até minha mãe me disse: 'Médicos? De jeito nenhum! Não conte a ninguém. Isso não deveria estar em nossa história, pense nas irmãs, em seu futuro. As pessoas irão considerá-lo louco e você não será capaz de conseguir um emprego.' Eu vou dizer apenas uma coisa: nunca deixe ninguém te convencer a não procurar ajuda médica. Agora na Terra, 51 milhões de pessoas têm esquizofrenia. E cada décimo deles se suicida. E principalmente aqueles que não foram aos médicos. Em algum momento, eu tive que fazer uma espécie de kammingout - eu escrevi uma grande confissão no Facebook. E fiquei impressionado com o apoio dos outros. Vários dos meus amigos também admitiram que têm esquizofrenia. Agora eu sou o fundador de uma organização sem fins lucrativos para a proteção de estudantes com doenças mentais. Sim, estamos doentes. Mas nós não somos monstros. Se você ou seus amigos tiverem encontrado um problema desses, lembre-se: o mais importante, você não deve ficar calado e com medo de pedir ajuda", disse a paciente C. M.

5 - Ansiedade e transtorno depressivo

"Meu marido foi embora por uma semana em uma viagem de negócios, mas eu estava com medo. A ideia de que algo aconteceria com ele e de que ele morreria, me visitava mais de uma vez ou duas vezes por dia - eu pensava nisso o tempo todo. E quando ele voltou, não me senti melhor. Caminhamos pela rua, de mãos dadas, mas pareceu-me que tudo era o último minuto quando o via vivo. Parei de comer, afinal, por que comer quando o pior está prestes a acontecer?", disse A. S.

O marido de A. S, identificado aqui como B. S., sabe da sua condição e também explicou como é essa doença. "Para uma pessoa comum sair de casa, conversar com alguém, trabalhar, é preciso um pouco de esforço - de 0 a 5 numa escala de 10 pontos. Uma pessoa que vive com um transtorno mental precisa de 20 pontos apenas para sair da cama. Isso requer muita coragem, e é muito importante que um ente querido se lembre disso e elogie. Eu elogiei A. porque ela se serviu de um café, saiu de casa, voltou do trabalho. Eu constantemente a lembro de que, na verdade, ela é uma heroína".

6 - Início do transtorno esquizofrênico

"Enquanto estudava em Oxford, perdi peso drasticamente, fiquei deprimido, comecei a resmungar algumas coisas com frequência. No entanto, nem sequer pensei que estivesse doente. Eu apenas me considerei uma pessoa ruim, defeituosa, estúpida e má. Mas a tentativa de suicídio me fez ver um médico. O diagnóstico é 'o estágio inicial do transtorno esquizofrênico", contou a paciente E. S.

7 - Transtorno esquizoafetivo

"Cinco anos atrás eu comecei a namorar a namorada perfeita. 2 anos tudo foi maravilhoso conosco, decidimos nos casar. Mas alguns meses depois do casamento, seu comportamento mudou drasticamente: começou com o fato de que, de repente, ela decidiu deixar o emprego (o que ela realmente queria ter, e trabalhou lá por apenas uma semana), explicando que foi molestada por seu chefe. Então ela de repente começou a beber, a fumar muito e parou de dormir. Resultado: ambulância, hospitalização e diagnóstico de transtorno esquizoafetivo", disse o marido de uma paciente, identificado D. T.

Próxima Matéria
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+