Curiosidades

A cidade mais antiga das Américas é uma maravilha arqueológica e está sendo invadida

0

O nosso planeta é extremamente rico em histórias. Memórias e relatos físicos são descobertos constantemente e entre eles estão os tesouros arqueológicos. Eles nos contam uma história antiga, envolvendo pessoas e seus costumes como um todo. Exatamente por isso, preservar sítios arqueológicos é bastante importante. Porque eles contam nossa história.

O sítio arqueológico mais antigo das Américas sobreviveu por cinco mil anos. Mas agora ele está sob ameaça de invasores. Essas pessoas dizem que a pandemia do coronavírus as deixou sem outra opção a não ser ocupar essa cidade sagrada.

A situação chegou a um ponto tão grave que a arqueóloga Ruth Shady, que foi quem descobriu o sítio Caral no Peru, foi ameaçada de morte para que ela se retirasse da investigação dos tesouros na região.

Sítio arqueológico

Segundo arqueólogos, as invasões e destruição de posseiros em Caral começaram em março de 2020, quando a pandemia forçou o lockdown nacional.

“Tem gente que vem e invade este local, que é propriedade do Estado, e usa para plantar. É extremamente prejudicial porque eles estão destruindo evidências culturais de cinco mil anos”, disse o arqueólogo Daniel Mayta.

O sítio arqueológico Caral está localizado no vale do rio Supe, que fica aproximadamente 182 quilômetros ao norte de Lima. A cidade foi desenvolvida entre 3.000 e 1.800 a.C. no meio de um deserto árido. Além do mais, Caral é o berço da civilização nas Américas.

Essa civilização é da mesma época que os povos do Egito faraônico e das grandes civilizações mesopotâmicas. Eles são anteriores do que os conhecidos e estudados incas cerca de 45 séculos.

Contudo, nada disso foi importante para os invasores. Eles aproveitaram a vigilância policial mínima nos 107 dias de lockdown para conseguir tomar mais de 10 hectares do sítio arqueológico de Chupacigarro. Nesse tempo eles plantaram abacates, árvores frutíferas e feijão-de-lima.

“As famílias não querem ir embora. Explicamos a eles que este local é um Patrimônio Mundial (UNESCO) e o que eles estão fazendo é sério e podemos levá-los para a cadeia”, explicou Mayta.

Cidade mais antiga

Desde 1996, quando as escavações começaram, Shady é a diretora arqueológica de Caral. E ela disse que os traficantes de terra, que são aqueles que ocupam terras estatais ou que são protegidas ilegalmente para vendê-las para o ganho privado, são quem estão por trás dessas invasões.

“Estamos recebendo ameaças de pessoas que estão aproveitando as condições da pandemia para ocupar sítios arqueológicos e os invadir para estabelecer cabanas e lavrar a terra com maquinários. Eles destroem tudo que encontram”, disse Shady.

“Um dia, ligaram para o advogado que trabalha conosco e disseram que iam matá-lo comigo e nos enterrar cinco metros abaixo do solo se o trabalho arqueológico continuasse no local”, continuou.

Ameaças

A diretora, que hoje tem 74 anos, passou um quarto de século em Caral tentando trazer de volta a história social e o legado dessa civilização. Como por exemplo, a maneira como as técnicas de construção que eles usaram resistiram aos terremotos.

“Essas estruturas de até cinco mil anos se mantiveram estáveis ​​até o momento e os engenheiros estruturais do Peru e do Japão aplicarão essa tecnologia”, ressaltou.

Em 2009, Caral foi declarada Patrimônio Mundial da UNESCO. A região se estende por 66 hectares e é dominada por sete pirâmides de pedra, que parecem ficar iluminadas quando os raios de sol batem nelas.

Supõe-se que essa civilização tenha sido pacífica e não usava armas e nem muralhas. O sítio arqueológico foi fechado por conta da pandemia. No entanto, reabriu em outubro.

Infelizmente, durante o lockdown, várias peças arqueológicas foram saqueadas. E em julho, a polícia prendeu duas pessoas por destruírem parcialmente um lugar que tinha múmias e cerâmica.

Existe uma nova explicação sobre o motivo que bebês amamentados têm um sistema imunológico melhor

Matéria anterior

Esse rapper implantou um diamante de 128 milhões de reais no rosto

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar