Mundo Animal

Cientistas descobrem que o menor camaleão possui genital relativamente grande

0

Cientistas que estudam uma espécie de camaleão extraordinariamente pequena, descobriram recentemente um fato bastante intrigante: embora o macho da espécie possa ser o menor réptil do mundo, o animal em questão possui um genital desproporcionalmente grande.

A descoberta foi publicada em um artigo, intitulado como “Miniaturização extrema de um novo vertebrado amniota e percepções sobre a evolução do tamanho genital de camaleões”. O documento acabou sendo também publicado pela revista Scientific Reports.

A espécie

O Brookesia nana, um camaleão extremamente miniaturizado, é raro. O animal, além disso, está ameaçado de extinção. De acordo com os pesquisadores, o réptil é comumente encontrado nas florestas tropicais do norte de Madagascar.

Segundo o artigo, o espécime masculino mede cerca de 21,6 milímetros de comprimento. Já o espécime feminino pode atingir cerca de 28,9 milímetros. Apesar da pequena estatura, o camaleão macho possui um hemipênis relativamente grande e, aparentemente, bem desenvolvido.

Segundo os estudiosos, o genital do espécime macho mede cerca 2,5 milímetros quando totalmente exposto. Em poucas palavras, o pênis do réptil é maior que seu próprio comprimento.

“Nessas espécies miniaturizadas, os machos menores são dotados de hemipênis maiores, o que lhes permitem um melhor ajuste mecânico, possibilitando, assim, uma cópula bem-sucedida com fêmeas, as quais, geralmente, são muito maiores que os machos”, afirma o artigo.

Mark Scherz, um dos autores do estudo, também revelou em seu artigo que, “embora a Brookesia nana seja considerada a menor do mundo”, em outras espécies de camaleões do gênero Brookesia, os machos são relativamente pequenos em comparação com as fêmeas.

Genital

Para os cientistas, o notável tamanho destes répteis está intimamente relacionado ao “nanismo insular”. A condição, basicamente, é pertinente à crença de que criaturas que viviam em ilhas – como Madagascar – evoluíram para ser menores e compensar a falta de recursos.

Para Scherz, embora o Brookesia macho tenha evoluído para ser extremamente pequeno e, assim, se adaptar às condições naturais do habitat no qual encontra-se, o tamanho do órgão genital não mudou devido a cúpula.

“Achamos que a situação pode estar relacionada ao dimorfismo de tamanho”, revelou Scherz. “Se a espécime fêmea permanece maior do que o macho, a redução do tamanho da genitália masculina não ocorre”.

Brookesia micra

O segundo camelão mais pequeno do mundo pertence a espécie Brookesia micra. O réptil foi descoberto em 2012. O animal é tão pequeno que é capaz de se apoiar tranquilamente na cabeça de um fósforo.

De acordo com o site Portal dos Animais, “esse mini camaleão em particular foi encontrado – e registrado pela primeira vez – no ilhéu de Nosy Hara, que faz parte da província Antsiranana, em Madagascar”.

Os adultos, ainda de acordo com o site, “chegam apenas até os 29 milímetros de comprimento”. Segundo os pesquisadores, o tamanho máximo que a espécie pode atingir é de 30 mm, da cloaca até o focinho.

Comparado com o Brookesia minina, a espécie tem o rabo e a cabeça em menor estatura. Além disso, é caracterizado por possuir uma cauda laranja.

Em suma, o nome -Brookesia micra – é nada mais que uma derivação em latim de uma palavra grega, mikros, que, conforme divulgado pelo site Portal dos Animais, significa “pequeno”.

10 animações para adultos que você tem que assistir algum dia

Matéria anterior

Nenhum modelo climático previu a forma como a Antártica está derretendo

Próxima matéria

Mais em Mundo Animal

Você pode gostar