Ciência e Tecnologia

Como se formam os redemoinhos?

redemoinho
0

Embora fiquemos surpresos quando surgem notícias de redemoinhos, esse fenômeno é mais comum do que imaginamos. Muitas vezes, os redemoinhos não atingem proporções suficientes para ganharem atenção midiática, mas são comuns na natureza.

Esse fenômeno nada mais é do que vento em espiral formado pela convecção do ar, em dias quentes, sem ventos e de muito sol. Pode ocorrer em diversas regiões, embora algumas sejam mais propensas a desenvolverem os ‘ventos circulares’. Mas também existem aqueles que se formam nos mares e até em rios. Descubra como funciona um redemoinho e suas principais propriedades:

Como se formam os espirais de vento

Os redemoinhos ocorrem quando o solo se aquece em determinado ponto, transferindo esse calor à porção de ar que está parada logo acima dele. Quando atinge uma determinada temperatura, esse ar sofre rápida elevação, subindo em espiral e cria um mini centro de baixa pressão. Ao ganhar velocidade, os ventos levantam poeira do solo e o redemoinho se torna visível.

Alguns dos redemoinhos de poeira podem ser muito densos. Ou seja, muita poeira é acumulada, restringindo a visibilidade no local em que o fenômeno está ocorrendo. Outros são ralos e permitem até a visão por dentro da coluna de poeira. Eles podem apresentar desde alguns centímetros até muitos metros de altura.

CNN Brasil

No mar, o que ocorre é o encontro de uma parte da água aquecida com outras circunvizinhas mais frias. O motivo dessa parcela de água não atingir altas temperaturas é que ela fica ‘escondida’ devido às sombras, como por exemplo as sombras das nuvens, e assim não recebe luz solar direta.

A temperatura média de aquecimento da água para que ocorra o fenômeno é de 26°C. Nessa temperatura, a água se torna mais leve, o que eleva o nível de evaporação. Como o ar naquela superfície fica diferente, acontece a área de baixa pressão e o vento passa a soprar em movimentos circulares. Dessa forma acontece o redemoinho no mar.

Já nos rios e lagos, que também podem ser ‘palco’ de redemoinhos, o processo de formação é diferente. O que interfere nesses ambientes é o fundo do rio. O solo com muitas depressões, pedras ou até buracos de areia é responsável por auxiliar a formação do fenômeno.

Para que aconteça o redemoinho é necessário que exista um “sumidouro”. Trata-se de uma região no fundo do rio que absorve a água, assim como um ralo de chuveiro ou banheira.

redemoinho

Youtube

Onde ocorrem

Os redemoinhos podem ocorrer em diferentes locais, assim como foi explicado acima. Mas é possível fazer uma previsão de onde vai surgir. Em geral, este fenômeno ocorre em áreas tropicais em virtude do calor intenso. A formação de redemoinhos é comum nos mares do Japão, Noruega, Escócia e Estados Unidos. Nesse último, um redemoinho com 75 metros de diâmetro já foi registrado.

Um exemplo famoso é o redemoinho Naruto, no Japão. Ele acontece no canal que liga o Mar Interior de Seto ao Oceano Pacífico e tem a terceira mais rápida corrente do mundo, a 20 km/h. O redemoinho ocorre quatro vezes ao dia e atrai a atenção de observadores e turistas.

No Brasil, o fenômeno também ocorre, já que existem regiões em que as temperaturas são extremamente elevadas e podem passar dos 40°C. Somado a isso, o tempo adquire características de sequidão devido aos longos períodos sem chuva. Com a forte insolação, o solo também se torna muito quente. No país, os turbilhões de poeira podem ocorrer em qualquer época, mas são mais comuns no fim do inverno e na primavera.

O Centro-Oeste, o Tocantins, as áreas do sul do Pará e algumas áreas do interior do Nordeste são regiões do país em que o fenômeno pode ser registrado com mais frequência. Em 2017, um enorme redemoinho de poeira se formou na cidade de Rio Verde, em Goiás. O fenômeno foi registrado no dia 14 de setembro.

Os redemoinhos de poeira também ocorrem em Marte e podem apresentar tamanhos 50 vezes superiores aos redemoinhos observados na Terra. Eles foram fotografados pela primeira vez na década de 1970, através da sonda espacial Viking. Em 1997, a sonda Mars Pathfinder também detectou a ocorrência dessas formações e, mais tarde, a sonda Spirit fotografou um grande redemoinho passando ao seu lado.

NASA

Redemoinho ou tornado?

Muitas vezes, os redemoinhos de poeira são confundidos com tornados. A confusão entre os dois fenômenos é muito comum, porque visualmente são parecidos em alguns aspectos. Tornados e redemoinhos de poeira parecem enormes colunas que se desprendem do céu, mas, como já foi analisado aqui, um redemoinho não é nada disso!

Ao contrário dos tornados, os redemoinhos de poeira somente se formam em dias sem nuvens, em condições de muito calor e de baixa umidade do ar. Além disso, a velocidade dos ventos desse fenômeno raramente ultrapassa os 100 km/h, podendo causar apenas pequenos estragos. Os tornados, por sua vez, podem provocar ventos com mais de 300 km/h e deixam um rastro de destruição em poucos minutos.

Antigamente, no folclore brasileiro havia a crença de que se alguém entrasse no meio de um redemoinho com uma garrafa e uma peneira conseguiria prender o saci-pererê ou o diabo. Isso porque a crença existente era a de que um redemoinho era o rastro do saci ou do diabo vagando pelas cidades.

Na verdade, o que acontecia é que, ao entrar no meio do redemoinho, a pessoa poderia interromper a corrente de convecção que alimenta o sistema. Dessa forma, o redemoinho “desaparece” e, por isso, acreditava-se que um dos dois personagens da cultura popular haviam sido capturados na garrafa. Mas, atenção, essa prática não é recomendada!

Finlândia: O país referência em educação

Matéria anterior

O Senhor dos Anéis comemora 20 anos de estreia

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos