Curiosidades

Finlândia: O país referência em educação

0

A Finlândia possui um sistema de educação que é considerado um dos melhores do mundo. Desde a primeira edição do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), em 2000, a educação no país é considerada uma das melhores do mundo.

O ranking é organizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) a cada três anos. Nele é comparado o desempenho de países e regiões administrativas de todo o mundo.

No ranking do Pisa, a Finlândia está em segundo lugar na alfabetização em leitura, empatada com o Canadá entre os países da OCDE. Ela fica apenas atrás da Estônia e de países que não fazem parte da organização, como China, Cingapura, Macau e Hong Kong.

Devido ao seu modelo educacional estar sempre entre os melhores do mundo, o país despertou o interesse de diversas pessoas. Principalmente pelo fato da escola começar aos sete anos e ninguém repetir de ano.

Educação na Finlândia

Fabiane Estafane

Na Finlândia, a educação é um direito de todos os cidadãos. Por esse motivo, a educação é gratuita para a universidade. Os alunos devem pagar apenas pelo material escolar e pelo transporte

Outra particularidade é que até mesmo as escolas particulares são gratuitas. Isso porque o governo subsidia a educação e todas devem seguir o Ministério da Educação. 

No site oficial do país, o governo destaca que “os resultados obtidos pelo sistema de educação não vieram da noite para o dia”. Eles seriam o resultado de décadas de esforço.

Depois da Segunda Guerra Mundial, como forma de combater à fome e à miséria, as escolas começaram a oferecer refeições para as crianças. Para o país, a educação é uma forma de diminuir as desigualdades sociais e alavancar a economia.

Em entrevista à Ecoa, a conselheira Riia Palmqvist, da Agência Nacional de Educação da Finlândia, órgão que é vinculado ao Ministério de Educação e Cultura do país, revelou que o que contribuiu para o sucesso da educação na Finlândia foi a valorização dos professores, o acesso igualitário à educação de qualidade e o apoio especial para alunos que necessitam.

Na Finlândia, as crianças devem frequentar a escola a partir dos 7 anos de idade até os 15. Toda educação básica dura 9 anos. As turmas possuem no máximo 30 alunos e são marcadas pela multidisciplinaridade. Os alunos participam de forma ativa e com foco no bem-estar do estudante.

Além disso, os estudantes recebem assistência para problemas com fala, escrita, leitura e outras necessidades. Também são raras as provas, focando em outras maneiras de avaliação.

Aos 16 anos, no ensino médio, os alunos podem escolher entre continuar ou não os estudos. A maioria deles continua no colégio. Ao fim do ensino médio, os estudantes que quiserem ingressar na faculdade devem participar do Exame Nacional de Matrícula.

Educação para todos

Nova Escola

Em 1921, anos depois de se tornar independente da Rússia soviética, surgiu a ideia de escolarização obrigatória na Finlândia. Entre as formas para manter os alunos na escola foram implementadas refeições gratuitas diárias para os alunos. Isso começou em 1948, devido à pobreza pós-guerra.

No país, existem escolas públicas e privadas, mas todas são gratuitas. Isso porque o governo financia até mesmo os estudos oferecidos por organizações privadas.

“A escola não custa nada para ninguém. As refeições são gratuitas, não se pode cobrar por viagens escolares, filmes ou quaisquer outras atividades”, disse Palmqvist à Ecoa. “Algumas empresas tentaram abrir uma escola aqui devido à boa reputação que temos na educação, pensaram que poderiam torná-la um negócio. Mas não é possível. Não damos permissão para isso a ninguém no meu escritório, porque o ensino tem que ser gratuito”, complementou.

Além disso, na Finlândia não há repetência. Já a taxa de evasão na educação básica integral é baixíssima, visto que 99% dos estudantes concluem essa etapa.

De acordo com Palmqvist, uma educação para todos faz com que o sistema seja inclusivo. Ela complementa que a inclusão é um dos principais pontos do sistema finlandês.

Fonte: R7, Uol, HotCourses

Idosos são os mais atingidos pela depressão

Matéria anterior

Como se formam os redemoinhos?

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos