E aí, você provaria um gin feito de estrume de elefante? Essa pode não ser a melhor propaganda para o produto, mas saiba que ele existe e, inclusive, tem agradado turistas, em busca de produtos exóticos na continente africano.

Pode ficar tranquilo, para o preparo da bebida, o ingredientes essenciais do gin Indlovu, derivados do esterco de elefante, são lavados, secos e esterilizados. Depois disso, os vegetais extraídos são infundidos na mistura do gin.

Quem pensou no conceito dessa bebida?

Publicidade
continue a leitura

Depois que o casal de biólogos Les e Paula Ansley passaram um feriado em uma reserva de caça na África do Sul, uma ideia um tanto quanto peculiar surgiu para o casal, uma bebida feita de estrume de elefante. Na época, os biólogos trabalham como professores no Reino Unido. Porém, decidiram largar tudo para criarem sua própria marca de bebida, a Indlovu Gin.

De acordo com Paula, um guia local teria contado que o organismo dos elefantes não retém parte dos nutrientes de sua dieta vegetariana. Por isso, o esterco do animal ainda seria cheio de importantes propriedades, uma vez que eles digerem menos de um terço desses nutrientes. Depois disso, Paula, que é fã de gin, pensou "por que não deixamos os elefantes fazerem o trabalho duro de coletar todos esses vegetais para fazermos gin com isso?".

No início o produto sofreu uma certa rejeição, mas conforme ele era aprimorado, a bebida ganhou um certo glamour. De acordo com o casou, a bebida pode ser descrita como "delicada, amadeirada, quase picante e terrosa". Assim, para eles, ela pode captar o espírito mais selvagem da África. Dessa forma, desde seu primeiro lote, em novembro de 2019, a empresa sul-americana já produziu mais de seis mil litros de gin. Atualmente, o produto também é exportado para a Europa e outros países africanos.

Publicidade
continue a leitura

Descubra como é feito seu preparo

Mesmo tendo formação em biologia, Laura e Les já possuíam experiência na fabricação de destilados. No entanto, para a nova bebida, muitos estranharam o interesse na matéria-prima. "Entramos em contato com a reserva de caça e perguntamos: 'Vocês podem nos mandar esterco de elefante?'. Quando material chegou, começamos a estudar como preparar a bebida, disse Paula.

Publicidade
continue a leitura

Para o preparo do gin, o esterco é desidratado e passa por um processo de higienização. Em seguida, é enxaguado e seco novamente, tornando o material totalmente seguro para consumo. Depois disso, o produto final é misturado ao gin. Além disso, para comprovar a procedência do produto, cada frasco leva no rótulo as coordenadas de onde o esterco foi encontrado. E também, a data que foi coletado. Para Paula, essa "é a história do que você está bebendo".

Para quem ficou interessado, cada garrafa de Indlovu, que significa elefante em zulu, custa cerca de 145 reais. E também, 15% do valor de cada garrafa vendida é doado à Africa Foundation para apoiar a preservação dos elefantes. Contudo, ainda há o aviso dos diferentes sabores do gin. "Dependendo de onde coletamos os vegetais ou de quais elefantes produziram o esterco, o sabor do gin muda um pouco", disse Paula.

Publicado em: 12/02/20 15h17