Esquiador aquático mais velho do mundo conquista recorde do Guinness
Tempo de leitura:2 Minutos, 44 Segundos

Esquiador aquático mais velho do mundo conquista recorde do Guinness

Atualmente, Bob Hutchinson tem 94 anos. Este humilde senhor, que vive em Ontário, uma província do Canadá, teve uma vida cheia de aventuras e, por carregar tal experiência, decidiu quebrar um recorde mundial do Guinness, praticando esqui aquático.

A façanha foi realizada em Bella Lake, no dia 19 de julho de 2019. No entanto, foi somente agora que a família de Bob decidiu inscrever o feito no Guinness World. O ato foi uma homenagem ao seu aniversário.

Hutchinson ganhou o título por ser o esquiador aquático mais velho do mundo.

O senhor e o esqui aquático

De acordo com o portal de notícias UPI, Hutchinson pratica esqui aquático desde 1949. Na época, o sujeito tinha apenas 23 anos. Como o esporte não era comum em sua cidade natal, era praticamente impossível encontrar o equipamento que a modalidade usufrui – esquis aquáticos e cordas.

“Foi então que eu decidi fabricar o meu próprio equipamento”, revelou Hutchinson ao portal. “Usamos cordas de cânhamo e as transamos nós mesmos”, explicou.

Ainda de acordo com o UPI, Hutchinson, além de praticar esqui aquático, mergulhou de cabeça em diversos outros esportes, como, por exemplo, heliskiing, canoagem em corredeiras e mergulho.

“A parte mais desafiadora em voltar a praticar esqui aquático foi o medo de falhar, que me atingiu de antemão por conta da idade. Mas eu tinha certeza que conseguiria”, disse.

Quando decidiu desbravar as águas de Bella Lake, a família o inspirou a aceitar o desafio. “É divertido mostrar aos netos e a outras pessoas que você ainda pode fazer coisas, não importa quantos anos você tenha”, ressaltou.

O esporte

Segundo Patrícia Lopes, membro da equipe Brasil Escola, o esqui aquático exige a participação de no mínimo duas pessoas. Uma, por exemplo, conduz a lancha e a outra é puxada por uma corda, a qual deve ter, no mínimo, 18 metros. O esporte, como se pode imaginar, requer o equilíbrio sobre a água e, claro, muita força, tanto nas pernas, quanto nos braços, pois aquele que fica sobre o esqui é puxado em uma velocidade de 80 Km/h.

Basicamente, acredita-se que o esporte surgiu quando um esquiador suíço, depois de ter descido uma montanha, terminou seu trajeto flutuando sobre as águas de um lago, devido à inércia exercida pela descida.

Obviamente, após isso, o feito passou por uma série de adaptações, incluindo o uso da corda, o único objeto que poderia ser acomodado confortavelmente em um barco para puxar os esquiadores.

De acordo com Patrícia Lopes, no Brasil, quando a prática começou a fazer sucesso – nas décadas de 40/50 -, os primeiros esquis eram importados dos EUA. Na época, o esporte era limitado, e o êxito se restringia a apenas algumas “acrobacias”. A modalidade, como a conhecemos hoje, começou a ser praticada somente depois dos anos sessenta.

Segundo o portal Brasil Escola, o campeonato brasileiro de esqui aquático é disputado há mais de 20 anos e envolve diversas modalidades, como slalom, truques e rampas. Slalom, para quem não sabe, é quando o esquiador utiliza apenas um único esqui, o qual permite o atleta obter uma maior desempenho sobre a água.

Em suma, aqueles que praticam o esqui aquático desenvolvem uma grande resistência nos membros inferiores e força nos membros superiores. Uma hora de prática equivale a perda de até 400 Kcal.