Foi ainda na semana passada que um jovem de apenas 19 anos matou 17 pessoas em uma escola dos Estados Unidos. No caso, estamos falando de Nikolas Cruz. Ele entrou no colégio Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, na Flórida, armado com um fuzil AR-15. Lá ele fuzilou alunos e professores da instituição.

Fizemos uma matéria mostrando quem é o jovem de 19 anos que matou 17 pessoas em uma escola nos EUA, mas hoje vamos falar de uma verdadeira heroína que salvou algumas vidas nesse infeliz dia. Estamos falando de Melissa Falkowski, que é uma professora que trabalha no colégio Marjory Stoneman Douglas. A mulher achou uma maneira de salvar alguns de seus alunos e nós mostramos mais ou menos como isso aconteceu.

A heroína do colégio Marjory Stoneman Douglas

Publicidade
continue a leitura

No dia do crime, Melissa começou a ouvir os tiros na escola e rapidamente fechou a porta da sala em que dava aula. Em entrevista à CNN, ela disse que na hora do pânico a primeira coisa que veio a cabeça foi colocar os alunos dentro do armário da sala. "Nós acorrentamos em um canto por alguns minutos até eu tomar a decisão de levá-los ao armário", disse ela na entrevista. As crianças ficaram dentro do armário por cerca de 30 minutos até as coisas ficarem controladas. De fato ela salvou 19 vidas nesse dia.

Embora ela tenha salvado tantas pessoas, Melissa diz que ficou frustada por não pode ajudar mais gente, como alguns dos 17 que foram brutalmente assassinados. Ela diz que "nós fizemos tudo o que deveríamos fazer. Mas ainda houve mortes. É muito doloroso. Sinto que hoje nosso governo e nosso país falharam, falharam com nossos filhos e não os mantiveram seguros".

Outro herói desse dia foi o treinador de futebol Aaron Feis. O cara morreu enquanto tentava proteger um estudante. A página de futebol da escola no Twitter fez a seguinte publicação: "Ele morreu como um herói e sempre estará em nossos corações e memórias".

Publicidade
continue a leitura
Publicidade
continue a leitura

Realmente o mundo não terá boas recordações desse dia, mas ao menos temos histórias de verdadeiros heróis.

Publicado em: 22/02/18 18h56