Notícias

Estadunidense come 63 cachorros-quentes em 10 minutos e vence concurso nos EUA

concurso cachorro-quente
0

Há concursos de pessoas que conseguem comer uma quantidade alarmante de comida e existe Joey “Jaws” Chesnut, que ganhou, pela 15ª vez, o concurso de quem come mais cachorros-quentes.

Já na categoria feminina, Miki Sudo levou o título impressionante após devorar 40 cachorros-quentes. O evento tradicional aconteceu na última segunda-feira (4), em Nova York, nos Estados Unidos. Vale destacar que Joey Chesnut devorou 63 cachorros-quentes em apenas 10 minutos.

Assim, na categoria feminina, a campeã Miki Sudo já tinha participado da competição em outras ocasiões, como em 2020, quando ela comeu 48 cachorros-quentes. Porém, no ano passado, ela não participou, visto que estava grávida.

“Quero dar o exemplo”, disse ela, “ao fazer algo que você ama e ao se esforçar ao máximo e, quando as coisas ficarem difíceis, mesmo assim tentar”.

Depois de dois anos, o concurso voltou à sua localização tradicional, perto de uma loja da rede de fast-food Nathan’s, no bairro de Coney Island, no Brooklyn. No ano de 2020 e 2021, realocaram o evento por conta da pandemia do coronavírus.

“É lindo estar de volta aqui”, afirmou o campeão à rede de TV ESPN. Assim sendo, o concurso acontece todos os anos em Nova York durante as celebrações do 4 de julho, dia da independência dos Estados Unidos. A tradição data de 1916.


Joey Chesnut quebra o próprio recorde

joey chejoey chesnut concurso de comida

AP Photo/Julia Nikhinson

No ano passado, os norte-americanos comemoraram o 245º aniversário da independência do país no dia 4 de julho. Tradicionalmente, eles se juntam para soltar fogos de artifício e realizar churrasco, assim como competir quem consegue esticar o estômago mais ao comer o maior número de cachorros-quentes humanamente possível.

Quanto ao foco, que são os fogos de artifício, dois dos maiores shows pirotécnicos ocorreram acima do National Mall, em Washington, e em um trecho de um quilômetro do East River, em Nova York, que separa Manhattan dos bairros do Queens e do Brooklyn.

Dessa forma, na ocasião, reduziram o concurso de cachorro-quente por causa da Covid-19. Ainda assim, o desafio mais uma vez emocionou as multidões, principalmente quando Joey Chesnut fez o impensável e comeu 76 cachorros-quentes em 10 minutos. Isso significa que ele quebrou seu próprio recorde mundial.

Se formos comparar o domínio de Chestnut, 15 vezes campeão, com o de outras lendas do esporte, ele supera, por exemplo, os 14 títulos de Rafael Nadal em Roland Garros e “humilha” os sete aneis de Super Bowl de Tom Brady.

Dessa forma, comer cachorro-quente é considerado um esporte nos Estados Unidos e, com isso, Joey Chesnut é um atleta. Basta se atentar à cobertura que há do concurso, com transmissão na ESPN e notas com o resultado nos veículos de comunicação mais importantes do país.

Otis perde concurso de cachorro-quente e vomita no WWE RAW

Reprodução

Comer tantos cachorros-quentes não é para os fracos. Afinal, a maior parte da população já para por volta do terceiro. Há, inclusive, pessoas que comem só um! Isso pode ser observado no episódio do WWE Monday Night RAW da última segunda-feira (4). Na ocasião, Otis perdeu o concurso com vários outros Superstars, comendo 48 cachorros-quentes. Tozawa foi o vencedor final.

Assim, após o segmento organizado para gerar entretenimento para além da luta, Gable ficou incomodado e exigiu uma “recontagem”. Porém, aconteceu algo que todos esperam na hora de assistir a um concurso de comida, mas ninguém está preparado para ver: Otis vomitou antes mesmo de sair para se juntar a Gable e Theory contra Bobby Lashley e The Street Profits.

Dessa forma, depois de perder o combate, Otis vomitou novamente, desta vez na cara de Gable. O momento foi, sem dúvidas, chocante e nojento, deixando todos os presentes horrorizados, mas ao mesmo tempo incrivelmente entretidos com o espetáculo.

Fonte: G1

Como Freud criou um dos maiores mitos sobre o orgasmo feminino?

Matéria anterior

‘Disque-machismo’ ajuda homens angustiados na Colômbia

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos