Toda nossa história foi permeada por guerras, e atualmente parece que elas são iminentes. Por conta disso, possuir um poder bélico significativo chega a ser uma questão de proteção e precaução. E quando pensamos em armamento de guerra alguns países vêm à mente, como por exemplo, os EUA. Por falar neles, realmente, eles acabaram de testar um míssil hipersônico.

O teste aconteceu depois de anos de desenvolvimento bem problemático e muitas dúvidas a respeito do comprometimento político com esse projeto. No entanto, o míssil hipersônico finamente foi testado de maneira completa pela primeira vez.

De acordo com a Força Aérea americana, o voo do chamado AGM-183A ARRW (Arma de Resposta Rápida Lançada do Ar, na sigla em inglês) aconteceu no começo do mês e teve sucesso.

Dando esse passo, os norte-americanos tentam ganhar um espaço nessa corrida de armas, já que está atrás da Rússia e da China, que também são seus adversários principais nesse ponto.

Míssil hipersônico

Quem fabricou o míssil foi a empresa Lockheed Martin depois de ter ganhado um contrato de 480 milhões em 2018. Contudo, antes desse teste, o outro modelo tinha tido uma fase de ensaios marcada pelos fracassos.

Foi somente em maio desse ano que um teste de voo bem-sucedido aconteceu. Nele se testou o primeiro estágio da arma. Ele é o “corpo” do míssil, que é um lançador de combustível sólido de alto desempenho e que consegue chegar a cinco vezes a velocidade do som.

Em julho aconteceu outro teste. E esse mês o ARRW foi testado completamente. O míssil é um veículo planador hipersônico que tem capacidade para manobras. Ele é empurrado até uma velocidade de 20 vezes maior do que a do som, que é 24 mil quilômetros quadrados.

A maioria dos mísseis balísticos, que são o tipo que levam as armas nucleares, chegam a grandes velocidades já perto de atingir seu alvo e seguem uma trajetória previsível. Os novos mísseis hipersônicos têm a vantagem de poder serem manobrados.

“Após a separação do ARRW da aeronave, ele atingiu velocidades hipersônicas superiores a cinco vezes a velocidade do som, completou sua trajetória de voo e detonou na área do alvo final. As indicações mostram que todos os objetivos foram alcançados”, relatou o comunicado.

A fabricante do míssil postou um vídeo nas suas redes sociais em comemoração ao teste bem sucedido e mostrando algumas imagens sobrevoando o bombardeio e a fabricação da arma. A Lockheed Martin afirmou que o resultado visto é a demonstração da capacidade operacional do armamento.

“Não um. Não dois. Mas três – seguidos! Este último teste de voo bem-sucedido comprova o design da arma de resposta rápida lançada do ar (ARRW) e demonstra sua capacidade em velocidades hipersônicas”, escreveu a fabricante.

Modelos

Tecmundo

Modelos de mísseis desse tipo, que são estudados desde a Guerra Fria, tiveram um destaque no mundo todo quando fizeram parte do pacote de “armas invencíveis” que Vladimir Putin anunciou em 2018.

Tanto que a Rússia já tem um modelo em operação. Contudo, mesmo ele também sendo um planador hipersônico, o chamado Avangard pode levar uma ogiva nuclear, além de ser lançado do solo através de um míssil intercontinental até que ele chegue em sua altitude de ação.

Além dele, o Tsirkon é outro modelo hipersônico russo. Esse míssil de cruzeiro consegue voar em altitudes menores e foi projetado para ser uma arma lançada de navios contra alvos marítimos. O país ainda tem o Kinjal, que é o mais básico, sendo um míssil balístico lançado por aviões. Esse míssil foi usado na Guerra da Ucrânia.

Como seus concorrentes estão bem à frente, os EUA também queriam dar passos importantes nesse ponto. Agora, o sucesso desse míssil hipersônico dará um gás ao país.

Fonte: Folha de São Paulo

Imagens: YouTube, Tecmundo