Entretenimento

Golfinhos fêmeas preferem machos que fazem sexo com preliminares, afirma estudo

0

Engana-se quem pensa que as preferências por parceiros sexuais ocorrem apenas entre os humanos. No reino animal, as fêmeas costumam selecionar aqueles com quem querem se relacionar e isso ocorre, muitas vezes, pelos barulhos que os machos emitem ou pela exibição que realizam. No caso dos golfinhos, a escolha ocorre por detalhes ainda mais específicos. 

Um estudo publicado no periódico científico Current Biology sugere que golfinhos fêmeas sentem prazer com a estimulação do clitóris. Por esse motivo, elas preferem os machos que fazem “preliminares” no ato sexual.

golfinhos

Pixabay

Entre esses animais, as ditas preliminares são muito valorizadas. Sendo assim, a pesquisa apontou que algumas fêmeas utilizam seus focinhos e nadadeiras para estimular outras fêmeas.

O estudo 

Foram analisados clitóris de 11 golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus) mortos por causas naturais. Como o animal possui uma pelve muito diferente daquela encontrada no ser humano, os pesquisadores se surpreenderam ao encontrar estruturas bastante similares às humanas.

Nos golfinhos fêmeas analisados, foram registrados diversos nervos sensitivos, que são estruturas responsáveis por receber estímulos e levá-los até o Sistema Nervoso Central. Alguns tinham mais de meio milímetro de diâmetro, sugerindo que o clitóris do golfinho é uma área bastante sensível à estimulação tátil. 

Os cientistas também estudaram corpos eréteis, áreas que se enchem de sangue durante a excitação. Segundo Brennan, seu formato muda conforme o golfinho se torna adulto e é “surpreendentemente semelhante” aos dos seres humanos. Eles ficam localizados na entrada da vagina. 

O estudo detalha que a localização pode favorecer a estimulação durante a penetração. “Sabíamos que os golfinhos fazem sexo não apenas para se reproduzir, mas também para solidificar os laços sociais, por isso parecia provável que o clitóris pudesse ser funcional”, afirma a pesquisadora principal do estudo, Patricia Brennan.

Pesquisa brasileira

Um trabalho científico realizado em Fernando de Noronha (Rio de Janeiro), por pesquisadores do Projeto Golfinho Rotador, apresenta mais uma constatação acerca da preferência dos golfinhos fêmeas por machos que realizam preliminares. Essa análise vai ao encontro da citada acima, que comprova que esses animais sentem prazer ao serem estimulados.

Com análise dos dados coletados na Baía dos Golfinhos, os estudiosos concluíram que os machos que introduzem o rostro (longo bico) na fenda genital das fêmeas, dão mordidas delicadas e colocam a nadadeira peitoral na genital da parceira têm 50% mais cópulas do que os animais que não fazem essas carícias.

Ainda de acordo com a pesquisa, os machos que repetem o comportamento “carinhoso” após a cópula são mais escolhidos para o sexo. Os golfinhos machos que fazem estímulos na região do clitóris da fêmea apenas antes do ato sexual têm 30% de preferência para o sexo.

Já os golfinhos-rotadores que fazem as preliminares de forma mais esporádica só chegam ao ato sexual em si em 20% dos casos. A base de dados foi feita com as análises de mais de 30 anos de imagens em vídeo de cópulas dos golfinhos-rotadores.

Pixabay

“Isso confirma um estudo divulgado nos Estados Unidos que nos ajudou a interpretar o comportamento das fêmeas. Elas têm prazer e escolhem os machos que façam a função de estimular e dar o prazer”, afirmou a bióloga Priscila Medeiros, coordenadora do Projeto Golfinho Rotador.

O estudo ao qual a bióloga se refere é aquele mencionado acima, conduzido por Patricia Brennan, que indica que os golfinhos fêmeas fazem sexo não apenas para se reproduzir, mas também por prazer. De acordo com Priscila, antes do estudo eles acreditavam que o macho escolhia a fêmea para o acasalamento, mas agora perceberam que o que ocorre é o processo contrário. 

Particularidades da relação sexual entre golfinhos

Os estudiosos brasileiros também relataram que os machos se juntam em número de três ou mais para que a fêmea escolha aquele que mais lhe agrada. Eles se posicionam um de cada lado e viram de barriga para cima, colocando-se sob a fêmea para fazer a cópula. São priorizados os golfinhos considerados mais carinhosos.

Quando não querem acasalar com determinado parceiro, as fêmeas podem limitar o acesso à genitália, fechando o órgão por meio de um tampão. Já para alguns machos as fêmeas oferecem facilidades à cópula, a exemplo de quando nadam em direção a um macho que está de barriga para cima. 

O estudo realizado em Fernando de Noronha também constatou o ato sexual entre duas fêmeas ou dois machos. “Os golfinhos também têm homossexualidade entre os indivíduos. O comportamento que se transcreve para o ser humano se repete na natureza”, analisou a bióloga.

Por que a Olimpíada de Inverno na China vai usar neve artificial?

Matéria anterior

Conheça o casal viaja pelo mundo cuidando de casas e animais

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos