CuriosidadesNatureza

Humanos transformaram quase um quinto do planeta em somente 60 anos

0

Com o passar dos anos, o planeta vem sofrendo com o aumento da poluição e mudanças em ecossistemas causadas pelo ser humano. E, tanto os animais, quanto os homens, estão enfrentando as consequências. As estatísticas da poluição são alarmantes. O ser humano é por si só um animal cheio de manias nojentas e que polui o habitat de outros seres vivos, sem pensar nos danos que isso pode gerar e como a poluição é capaz de prejudicá-lo.

E as pegadas, deixadas por nós, não desaparecem facilmente. Seja transformando florestas em áreas agrícolas ou savanas em pastagens, a humanidade reaproveitou várias terras nos últimos 60 anos. De acordo com os pesquisadores, a área usada foi o equivalente à África e Europa juntas.

Estudo

Segundo o estudo, se todas as transições desde 1960 forem contadas,  somam aproximadamente 43 milhões de quilômetros quadrados. Isso é quatro vezes mais do que as estimativas anteriores previam.

“Uma vez que o uso da terra desempenha um papel central para a mitigação do clima, biodiversidade e produção de alimentos, entender sua dinâmica total é essencial para estratégias de uso sustentável da terra”, afirmou a autora principal Karina Winkler, geógrafa física da Wageningen University & Research na Holanda.

Visto que as plantas e o solo, principalmente as florestas tropicais, conseguem absorver aproximadamente 30% da poluição de carbono que o ser humano produz, estas mudanças na paisagem podem significar o sucesso ou o fracasso no cumprimento das metas do Acordo de Paris.

O tratado climático de 2015 ordenava que os países parassem o aquecimento global abaixo de dois graus Celsius, e 1,5° se possível. Contudo, a Terra já se aqueceu 1,2° Celsius acima da temperatura pré-industrial, o que já é suficiente para desencadear uma crescente de temperaturas mortais, aumento do nível do mar e outros impactos significativos.

Transformação

De acordo com o estudo, desde a década de 1960, a cobertura florestal total do planeta diminuiu em quase um milhão de quilômetros quadrados. Em contrapartida, as áreas de terras agrícolas e pastagens aumentaram aproximadamente na mesma proporção.

O levantamento mostrou também que existem diferenças regionais importantes. As áreas florestais no norte do globo, como por exemplo na Europa, Rússia, Leste Asiático e América do Norte, avançaram nos últimos 60 anos. Enquanto que no sul do globo a perda de florestas foi assustadoramente alta.

“Ocorreu desmatamento tropical para a produção de carne bovina, cana-de-açúcar e soja na Amazônia brasileira, dendê no sudeste da Ásia e cacau na Nigéria e Camarões”, observou Winkler.

Além disso, os preços altos do petróleo também aumentaram essa conversão de florestas em plantações de bioenergia.

Situação

Outro ponto que o estudo mostrou foi que as mudanças rápidas no uso da terra foram primeiramente impulsionadas nos anos 1960 e 1970 pela Revolução Verde e depois pela expansão dos mercados globalizados até 2005.

“Cálculos anteriores de mudanças no uso da terra desde meados do século XX ficaram aquém por uma série de razões”, explicou Winkler.

A nova pesquisa então se baseou em estatísticas de longo prazo do uso da terra, que foram compiladas pela Organização para Agricultura e Alimentação (FAO). Foram identificadas áreas urbanas, plantações, florestas, pastagens e regiões com pouca ou nenhuma vegetação como, por exemplo, desertos. Além disso, os cientistas também usaram imagens de satélite com uma resolução mais alta.

Aproximadamente 17% da superfície da Terra mudou de categoria pelo menos uma vez desde 1960. E se todas as transições fossem levadas em consideração, a superfície total da terra afetada seria 32%.

Vídeo inédito mostra lulas gigantes caçando presas no fundo do mar

Matéria anterior

Artista cria vestidos de noiva dignos de contos de fada para as princesas da Disney

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos