Mineral misterioso é descoberto em um diamante no manto da Terra

0

Com, aproximadamente, 30,2 milhões de quilômetros quadrados, a África é o terceiro maior continente. Além disso, a África possui grandes reservas minerais, fato proporcionado em razão de sua formação geológica. Com idade pré-cambriana, predominante das eras Arqueozóica e Proterozóica, o continente, até hoje, revela verdadeiros tesouros naturais. Recentemente, por exemplo, um pesquisador da Universidade de Alberta descobriu na região um novo tipo mineral.

De acordo o pesquisador Nicole Meyer, o mineral estava alojado em um diamante. Para o pesquisador, a descoberta pode revelar reações químicas, que ocorrem somente nas profundezas do manto.

A recém descoberta

Oriundo de um vulcão localizado na África do Sul, o mineral foi intitulado como goldschmidtite. A nomenclatura é uma homenagem a Victor Moritz Goldschmidt, fundador da geoquímica moderna.

Em um comunicado feito à imprensa, Meyer informou que o goldschmidtite tem altas concentrações de nióbio, potássio e elementos químicos raros, como por exemplo, lantânio e cério”. Segundo o pesquisador, para que o potássio e o nióbio constituam grande parte desse mineral, ele deve ter se formado em meio a processos excepcionais.

“O mineral se formou no manto terrestre, mas possui também lantânio e cério. O que é extraordinário, já que o manto é dominado por magnésio e ferro”, disse.

“(A descoberta) pode nos mostrar também uma gama de processos fluidos que afetam as raízes profundas dos continentes durante a formação de diamantes”, completou. O mineral, de acordo com Myer, formou-se a 170 quilômetros abaixo da superfície da Terra, com temperaturas atingindo quase 1.200 graus Celsius.

Em suma, a estrutura interna da Terra é composta por três camadas. O manto é a maior delas. Localizado abaixo da crosta e acima do núcleo terrestre, o manto terrestre ocupa 83% do volume e 67% da massa total do planeta.

A riqueza do continente

Basicamente, a África é formada por terrenos muito antigos. Por esse motivo, a África apresenta condições favoráveis para a formação de minérios. Atualmente, o continente abriga cerca de 8% das reservas mundiais de petróleo e gás natural, com destaque para o Congo, Egito e principalmente Angola, Argélia, Líbia e Nigéria, que integram a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Outro importante mineral, encontrado no subsolo africano, é o urânio. A África, hoje, detém 25% das reservas mundiais do mineral. O urânio é extremamente importante para a produção de energia nuclear. Nesse ínterim, os maiores produtores são a África do Sul e o Gabão. Além do urânio, a África do Sul também possui grandes reservas de antimônio, diamante, ouro (maior produtor mundial), manganês, platina, cromo, entre outros.

Ainda nesse cenário, é importante ressaltar também que Marrocos, Zâmbia, Zimbábue, Guiné, Namíbia, Uganda, Sudão, Botsuana, Congo, República Democrática do Congo, República Centro-Africana, e Gana estão entre as principais nações africanas que abrigam reservas minerais.

Em suma, a riqueza mineral no continente continua sendo vasta. Em 2017, a mineração teve um valor total da indústria de US$ 33,17 bilhões e representou cerca de 60% das exportações do país. Além da mineração, a agricultura, a silvicultura e a pesca também são valorizadas. O turismo também é importante em termos econômicos, principalmente por causa das reservas de animais selvagens.

Entenda o conflito entre a Arábia Saudita e o Irã

Matéria anterior

7 fatos obscuros sobre estar solteiro que você precisa saber

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.