Com o passar do tempo, vamos descobrindo o quanto é difícil classificar um personagem como bom ou mau. Por exemplo, heróis como Batman e Wolverine já mataram várias vezes. Em contrapartida, vilões como Lex Luthor podem ajudar a salvar o mundo. Sendo assim, é cada vez mais comum encontrarmos figuras que transcendam esse maniqueísmo, os chamados anti-heróis. Embora os Guardiões da Galáxia integrem os Vingadores, eles não partilham do mesmo código moral que o Capitão América. Na verdade, cada personagem é construído com motivações e ideais próprios. Logo, o mais incrível em equipes é ver pessoas com diferentes convicções, funcionando de forma coletiva. Então, é incrível ver um grupo de desajustados cósmicos ser tão compatível a ponto de se tornarem uma família. Porém, o mundo dos quadrinhos é marcado por perdas, é quanto maior o afeto, maior a dor. Foi exatamente isso que testemunhamos na HQ dos Guardiões da Galáxia.

Em suma, na série escrita por Al Ewing e ilustrada por Juan Cabal vemos o retorno dos deuses olimpianos. "Okay, mas o que isso tem a ver com os Guardiões?", você deve estar se perguntando. Pois bem, na história, esses seres foram alterados cosmicamente para semear guerra e destruição em toda a galáxia. Como resultado disso, Richard Ryder, o Nova, procura a ajuda de Peter Quill e cia. Embora, inicialmente, Gamora tenha recusado a oferta, visando o descanso e recuperação da equipe, o Senhor das Estrelas e Rocket Raccoon decidiram ajudá-lo. Juntamente com a dupla, Noh-Varr, Phyla-Vell e Serpente da Lua partem na missão. No entanto, o resultado da batalha acabou sendo catastrófico para os Guardiões, visto que Peter se sacrificou para que os outros pudessem escapar. Assim, após a trágica perda, a equipe passou a ter um futuro mais incerto do que nunca.

Publicidade
continue a leitura

A perda do Senhor das Estrelas

Publicidade
continue a leitura

Em Guardiões da Galáxia #2, Peter pilotou remotamente uma nave em direção ao Olimpo e detonou uma bomba, destruindo o lugar e se matando. Posteriormente, na edição seguinte, vemos Rocket retornando sozinho ao planeta Halfworld e contando para sua família sobre a perda de Quill. Na verdade, ele nem precisou dizer muito. Assim que o guaxinim saiu da nave sozinho, o resto da equipe sabia o que havia acontecido. Gamora, com seu gênio mais explosivo, chegou a atacar o amigo, dizendo para ele ir embora e não retornar novamente. Ela também chega a dizer que ele está morto para o resto da equipe. Em seguida, Rocket sai dali, cheio de culpa e com o coração partido.

Publicidade
continue a leitura

Aliás, tornando a situação ainda mais dramática, a cena é descrita pela perspectiva de Groot, então só vemos os personagens dizendo três palavras como: "Eu sou Rocket. Eu sou Gamora. Eu sou Drax". Logo, para entender o conflito é preciso prestar atenção nos movimentos e expressões dos integrantes da equipe. Quanto as duras palavras de Gamora, elas são traduzidas algumas páginas adiante. Por fim com o Senhor das Estrelas supostamente morto e Rocket exilado dos Guardiões, Gamora assume a liderança. Contudo, muitas lacunas ainda precisam ser fechadas e perguntas respondidas.

Publicado em: 23/03/20 18h07