Ciência e Tecnologia

Pela primeira vez, cientistas conseguem cultivar sementes em solo lunar

0

Mostrando que a ciência está avançando cada vez mais, uma equipe conseguiu cultivar sementes na Lua. Esse avanço na agricultura representa um salto promissor em direção à colonização de outros planetas.

Uma equipe de cientistas da Texas A&M University conseguiu com sucesso germinar e cultivar sementes de grão-de-bico em diferentes tipos de solo lunar.

Ao considerarmos a possibilidade de aplicar essas técnicas a diversas espécies de plantas, estamos dando um passo significativo em direção a um futuro no qual as bases lunares serão capazes de sustentar-se autonomamente.

A questão da sustentabilidade alimentar representa um dos maiores desafios para viagens espaciais de longa duração.

Depender exclusivamente de recursos terrestres não é viável, e os alimentos embalados nem sempre atendem às necessidades no ambiente do espaço profundo. Portanto, esta notícia é particularmente encorajadora.

Desafios de plantar sementes na Lua

Plantar sementes na Lua traz, supostamente, dois grandes desafios para a agricultura: a falta de nutrientes essenciais para o crescimento das plantas e a presença de metais pesados altamente tóxicos.

Ao contrário do solo terrestre, a superfície lunar é composta principalmente de rególito, uma mistura de poeira fina e fragmentos rochosos resultantes de impactos de meteoritos. Esse solo é altamente poroso e de baixa densidade, apresentando os dois grandes desafios mencionados anteriormente.

No entanto, a equipe de cientistas encontrou uma solução para esses problemas ao incorporar duas importantes aliadas terrestres: minhocas e fungos.

Via Twitter

Minhocas e fungos espaciais

Jessica Atkin, da Universidade Texas A&M, e Sara Oliveira Pedro dos Santos, uma estudante de doutorado da Universidade Brown, lideraram o experimento.

Elas descobriram que poderiam utilizar minhocas para produzir vermicomposto, um composto rico em nutrientes que tem o potencial de melhorar a saúde do solo e estimular o crescimento das plantas.

As minhocas empregadas na produção do vermicomposto são da terra, animais detritívoros que se alimentam de matéria orgânica em decomposição, incluindo restos de comida, tecidos e itens de higiene utilizados.

Em busca de nutrientes, elas transformaram os resíduos em vermicomposto, o produto resultante da atividade das minhocas. Essas criaturas não se alimentam apenas de restos de comida, mas também de tecidos e itens de higiene descartados.

Solo menos tóxico

Enquanto isso, para reduzir a toxicidade do solo, foram empregados fungos micorrízicos arbusculares (FMA). Eles têm a capacidade de capturar metais pesados presentes nos solos lunares e impedir sua absorção pelas plantas.

Os FMA são uma variedade de fungo que estabelece uma relação simbiótica com as raízes. Eles desempenham um papel crucial ao ajudar as plantas a absorver metais pesados do solo e armazená-los em suas hifas, protegendo, assim, as culturas dos efeitos nocivos desses metais.

Devido à escassez de amostras de solo lunar disponíveis, os cientistas replicaram as condições reais do solo o mais fielmente possível para o experimento.

Eles criaram vasos contendo uma mistura de 25% a 100% de rególito lunar simulado, combinado com excrementos de minhoca. Metade desses vasos foi inoculada com os fungos, enquanto a outra metade não recebeu essa assistência e teve que se desenvolver por conta própria.

Sementes de grão-de-bico lunar

Via Gaia

As plantas cultivadas em solos contendo maiores proporções de rególito lunar (50%, 75% e 100%) tiveram um crescimento reduzido, com menor quantidade de folhas e ramos.

Essa ocorrência pode ser atribuída à escassez de retenção de água no solo lunar, dificultando a disponibilidade adequada para as plantas.

Aquelas sem a proteção proporcionada pelos fungos começaram a perecer a partir da décima semana. E mesmo com a inoculação, as plantas em solo composto exclusivamente por rególito lunar sobreviveram apenas por mais duas semanas.

Entretanto, as plantas cultivadas em solos com até 75% de composição lunar mostraram resultados mais promissores, prosperando apesar de apresentarem sinais de deficiência de clorofila.

As plantas em solos onde os fungos estavam presentes exibiram um aspecto mais saudável e demonstraram uma maior longevidade, mesmo quando cultivadas em solos lunares puros.

Inclusive, elas conseguiram alcançar o florescimento e a produção de sementes na Lua. No entanto, foi necessário um tempo de desenvolvimento mais prolongado do que o usual.

Importância

Esse estudo desempenha um papel crucial nos objetivos de longo prazo da exploração humana, à medida que aumenta a necessidade de utilizar recursos lunares e marcianos para estabelecer fontes alimentares sustentáveis.

Diante do desafio de prover alimentação para os futuros astronautas que viverão e trabalharão no espaço profundo, essa pesquisa surge como um alicerce e uma esperança.

Além das implicações espaciais, essas inovações também fornecem insights valiosos sobre como as plantas podem enfrentar condições de estresse e escassez alimentar aqui na Terra.

 

Fonte: Tempo

Imagens: Twitter, Gaia

Elon Musk anuncia 1º implante de chip cerebral da Neuralink em ser humano

Previous article

Se você tem estes 2 apps instalados no celular, delete-os agora para o seu bem

Next article

Comments

Comments are closed.