O que entendemos por expectativa de vida é o número de anos que um grupo de pessoas nascidas na mesma época vai conseguir viver. Essa expectativa é feita com um cálculo, uma média aritmética das idades que as pessoas de determinado grupo analisado morreram.

A relação dessa expectativa de vida com a qualidade de vida de um país é grande porque é possível ver os investimentos em saúde. As pessoas hoje em dia estão cada vez mais preocupadas com a qualidade de vida aumentando, consequentemente, suas expectativas de vida.

E de acordo com uma pesquisa na Europa, foi mostrado que os idosos, geralmente, vivem mais e com mais saúde do que a geração anterior. Atualmente, os jovens de 75 a 80 anos, na Finlândia, parecem estar física e mentalmente mais aptos do que há 30 anos.

Nas últimas décadas a expectativa de vida humana aumento de uma maneira extraordinária. Na década de 1960, na Finlândia, a estimativa era que a pessoa vivesse até 52 anos. Agora, as pessoas podem viver mais de 80 anos.

O que não está muito claro é quantos desses anos a mais são vividos com uma boa saúde. E com as funções mentais e físicas relativamente boas. Até porque, uma vida longa não significa necessariamente um tempo de qualidade. Tanto que, alguns cientistas acham que "anos estão sendo adicionados às nossas vidas, enquanto a vida não está sendo adicionados aos nossos anos".

Expectativa de vida

Publicidade
continue a leitura

Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez uma nova métrica conhecida como expectativa de vida em saúde (HALE). Isso é um bom passo para a população global que envelhece de forma rápida. Mas é difícil medir se a vida está sendo saudável e funcional na velhice.

As pesquisas atuais sobre a expectativa de vida estão ligadas a uma melhor saúde física e mental apresentaram resultados inconsistentes. E vários estudos se baseiam em autoavaliações. Até mesmo a pesquisa que sua medições objetivas deu resultados incertos.

Entretanto, na Finlândia os pesquisadores dizem que estão em uma posição única para pesquisar mais. No país, os cientistas tem acesso a um estudo de base populacional com idosos da última geração. Incluindo 500 participantes tendo entre 75 e 80 anos.

Os pesquisadores repetiram os mesmos testes mentais feitos há 28 anos. Com isso eles descobriram que as pessoas entre 75 e 80 anos hoje mostraram melhorias marcantes e significativas na força de preensão, velocidade de caminhada e expiração forçada.

Publicidade
continue a leitura

O motivo para isso acontecer não é sabido. Mas os autores tem várias explicações possíveis. O grupo anterior de idosos nasceu quando a Finlândia aina era uma região agrícola e subdesenvolvida do império russo. Isso quer dizer que as crianças provavelmente tinham uma nutrição mais pobre. Além de serem mais propensas a trabalharem mais cedo.

Fatores

A medida que elas foram crescendo, elas passaram por uma guerra civil e duas guerras mundiais. E podem até mesmo ter participado de uma delas. Já os idosos do grupo mais recente, provavelmente tiveram uma criação mais estável. Isso pode também estar relacionado com sua maior altura e peso, que são sinais de uma boa nutrição e desenvolvimento.

Publicidade
continue a leitura

Por conta desses fatores os autores argumentam que os resultados são uma boa combinação de uma educação melhor, uma maior probabilidade econômica e uma maior atividade física e boa nutrição.

"O grupo de jovens de 75 e 80 anos que nasceram depois cresceu e viveu em um mundo diferente. Do que seus colegas nascidos há três décadas. Houve muitas mudanças favoráveis. Estas incluem melhor nutrição e higiene, melhorias nos cuidados de saúde e no sistema escolar, melhor acessibilidade à educação e melhoria da vida profissional", disse o  gerontologista Matti Munukka, da Universidade Jyväskylä, na Finlândia.

Não foram todas as mudanças que foram positivas. Os testes de função pulmonar tiveram resultados misturados. E apenas a expiração teve uma melhora significativa. Os autores acreditam que isso pode ser por conta do aumento de fumantes e da poluição ambiental.

Entretanto, no final, os resultados sugerem que as pessoas mais velhas que vivem na Finlândia hoje podem esperar viver mais do há 30 anos. A expectativa de vida do país aumentou em três anos entre as pessoas de 75 anos. E dois anos entre as de 80.

"Ter mais anos para morrer nessas idades, junto com os resultados atuais, sugere que as pessoas mais velhas de hoje são funcionalmente mais jovens do que pessoas da mesma idade uma geração antes", concluíram os autores.

Publicado em: 28/09/20 14h45