Curiosidades

População de rua cresceu quase 10 vezes na última década no Brasil, segundo Ipea

0

Nosso planeta já passou por várias eras e isso também foi visto na população mundial. Tanto é que a quantidade de pessoas na Terra parece aumentar a cada dia e estar longe de ter uma diminuição ou estabilização. Atualmente existem aproximadamente oito bilhões de pessoas vivas no mundo, e há os países que têm uma maior quantidade de pessoas.

Infelizmente, do mesmo modo que esse número cresce, a quantidade de pessoas que vive em situação de rua também aumenta. De acordo com o levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a população em situação de rua no Brasil aumentou 935,31% nos últimos dez anos. Esse levantamento se baseou nos dados do Cadastro Único (CadÚnico) do governo federal. Para se ter uma ideia, o número aumentou de 21.934, em 2013, para 222.087, até agosto desse ano.

Aumento

AEN Paraná

Dentre os motivos para esse aumento estão a exclusão econômica, que incluiu insegurança alimentar, desemprego e déficit habitacional; ruptura de relações familiares; e questões de saúde, principalmente com relação à saúde mental.

De todos os entrevistados, 47,3% disseram que problemas familiares ou com companheiros foram o motivo para sair de casa. Para 40,5% o desemprego foi o motivo principal. Já 30,4% apontaram o alcoolismo e o abuso de drogas como o que os levou a viver em situação de rua. E para 26,1% foi a perda de moradia.

Quem fez esse levantamento da população de rua foi Marco Antônio Carvalho Natalino, que é especialista em políticas públicas e gestão governamental e está na diretoria de estudos e políticas sociais do Ipea.

“Quanto maior o tempo de permanência na rua, maior a probabilidade de problemas com familiares e companheiros ser um dos principais motivos que levou a pessoa à situação de rua. O mesmo ocorre, e de forma ainda mais intensa, com os motivos de saúde, particularmente o uso abusivo de álcool e outras drogas. As razões econômicas, por sua vez, tais como o desemprego, estão associadas a episódios de rua de mais curta duração”, disse Natalino.

População em situação de rua

Re-habitare

De acordo com a análise, 60% da população em situação de rua não vive na cidade em que nasceu, mas 70% das pessoas vivem no mesmo estado em que nasceram. Ainda conforme visto no levantamento, no geral, o movimento é feito das periferias em direção aos centros metropolitanos.

De toda população em situação de rua no Brasil, 10.586 são estrangeiros, o que representa 4,7%. A maior parte deles é de países vizinhos, sendo 30% apenas da Venezuela. E outros 32% são da Angola. O estudo também mostrou que 69% das pessoas em situação de rua são negras, sendo 51% pardos e 18% pretos.

A idade média das pessoas é de 41 anos. No entanto, 15% da população em situação de rua é de jovens entre 15 e 29 anos, enquanto que as pessoas entre 50 e 64 anos são 22%. Crianças e adolescentes são 2,5% dessa população, e os idosos, 3,4%.

Segundo Natalino, dentre todos os motivos para esse aumento exponencial da população em situação de rua no nosso país estão as crises econômicas sucessivas que o Brasil enfrenta há praticamente dez anos. Inclusive, a volta da insegurança alimentar e da fome foram ainda mais elevadas por conta da pandemia da covid-19.

Por conta desse aumento, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou, em julho, que os estados e municípios deveriam seguir diretrizes da Política Nacional para a População em Situação de Rua.

Pessoas

Portuguese people

Com a população humana em constante expansão, algumas pessoas veem essa alta de números como uma história de sucesso sem precedentes. Inclusive, existe uma escola de pensamento que defende que precisamos de mais pessoas.

Enquanto isso, alguns rotulam as massas humanas como “praga na Terra”, e de acordo com essa visão, quase todos os problemas ambientais enfrentados hoje em dia, desde mudanças climáticas até a perda de biodiversidade, estresse hídrico e conflitos por terra, podem estar ligados com a reprodução desenfreada nos últimos séculos.

Em 1994, quando a população global era de 5,5 bilhões de pessoas, pesquisadores da Universidade Stanford, nos EUA, calcularam que o tamanho ideal da população humana no planeta seria entre 1,5 e dois bilhões de pessoas.

Então, será que atualmente o mundo está superpovoado? Por mais que o debate a respeito do número ideal de pessoas no planeta seja desde sempre fragmentado, o tempo para decidir qual é a melhor direção para onde ir está se esgotando.

Contudo, atualmente, quaisquer políticas que envolvam cotas ou metas para aumentar ou diminuir a população humana são condenadas universalmente, a não ser por poucas organizações extremistas. E o risco desses incentivos levarem à coerção ou a outras atrocidades é tido como muito alto.

Fonte: Folha de São Paulo, BBC

Imagens: AEN Paraná, Re-habitare, Portuguese people

Investidor misterioso acumula R$ 8 bilhões em bitcoin e intriga mercado

Artigo anterior

Ameçado pelo aquecimento global, esse país quer migrar para o metaverso

Próximo artigo