Natureza

Por que a luz do sol não ilumina o espaço? Pergunta de criança para a ISS é respondida

0

Uma criança fez uma pergunta pertinente para a comunidade científica: por que o espaço sideral é tão escuro? O sol não ilumina o espaço?

Em todas as esferas, até mesmo nos cinemas, temos relatos sobre como o lado de fora da Terra é perturbadoramente escuro.

Por exemplo, quando o ator William Shatner, famoso por seu papel em Star Trek, retornou do espaço, descreveu a experiência como sombria. Ele diz: “Vi um vazio frio, escuro e negro. Era uma escuridão diferente de qualquer coisa na Terra, profunda e envolvente, consumindo tudo. Ao virar-me para a luz da nave, testemunhei a curvatura da Terra, o bege do deserto, o branco das nuvens e o azul do céu. Era vida”.

Com isso, temos a certeza de que o espaço sideral permanece escuro para sempre. Mesmo em sua proximidade relativa ao Sol, é profundamente negro.

Essa visão foi imaginada pelo cinema muito antes de Star Trek, e é assim que o vemos em diversas representações espaciais.

Mas por que o Sol não ilumina o espaço? Essa mesma pergunta foi respondida por astronautas na Estação Espacial Internacional (ISS).

Uma fonte de luz intensa

Via Freepik

O Sol, como toda estrela, é uma fonte intensa de luz, liberando grande parte de sua energia na forma de radiação eletromagnética que se propaga em todas as direções de maneira esférica.

A maior parte dessa radiação é emitida na faixa visível, ou seja, como um fluxo de luz.

Conhecemos a queda na intensidade da luz solar com a distância: um objeto que esteja duas vezes mais distante do Sol do que a Terra receberá apenas um quarto da luminosidade.

Isso acontece porque o Sol dispersa um fluxo limitado de luz sobre uma área esférica em constante aumento. Portanto, Marte recebe menos luz do que a Terra, mas mais do que Saturno, que está ainda mais distante.

Vale ressaltar que, embora a intensidade da luz diminua rapidamente com a distância, o espaço interplanetário próximo à Terra recebe um fluxo de radiação semelhante ao que nosso planeta recebe.

O Sol emite um brilho para o espaço, mas não o ilumina de maneira uniforme, como acontece com o céu terrestre.

O espaço sideral não reflete luz

Para compreender por que a luz do Sol não ilumina o espaço sideral, basta comparar acender uma lâmpada em um local ao ar livre e outra em uma sala com paredes brancas.

A lâmpada mal ilumina uma pequena área ao seu redor no espaço aberto, enquanto consegue iluminar a sala fechada de maneira relativamente uniforme.

A iluminação de um espaço não depende apenas de uma fonte de luz, mas também da presença de algo que a dispersa ou reflete, como as paredes brancas da sala.

Um exemplo mais apropriado seria apontar uma lanterna para o céu: se houver bastante umidade, conseguiremos enxergar o feixe de luz até uma certa distância, mas, caso contrário, teremos pouco ou nenhum efeito.

Via Freepik

Brilho visível

Na metade iluminada da Terra, a luz se dispersa de maneira uniforme pela atmosfera, composta por pequenas partículas.

Contrariamente, o espaço é praticamente vazio, desprovido de partículas para dispersar a luz.

A luminosidade está presente, e encarar diretamente o Sol pode resultar em cegueira, mas não há nada que a disperse ou reflita para iluminar o espaço de forma homogênea.

Essa é a mesma razão pela qual o céu da Terra é azul, o céu de Marte é avermelhado, e a Lua não possui um céu visível: atmosferas distintas (ou a ausência delas) espalham a luz de maneiras diversas (ou não a espalham).

Embora haja muita luz no espaço, ela só se torna visível quando direcionada para a fonte luminosa ou um objeto que a reflete.

 

Fonte: IGN Brasil

Imagens: Freepik, Freepik

Será que 2024 vai oficialmente dar início ao Antropoceno, a era dos humanos?

Artigo anterior

Busca por vida fora da Terra está errada, sugere estudo

Próximo artigo