• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

Uma sonda de 1 tonelada pode cair na Terra ainda esse ano, entenda

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      13/03/19 às 18h50

O espaço sempre nos fascinou e foi, e ainda é, um lugar para exploração. Mas assim como o nosso planeta, depois de 60 anos de exploração espacial, a conquista começa a mostrar suas primeiras consequências. Os lixos espaciais que continuam no espaço como por exemplo satélites zumbis, fragmentos de foguetes e resíduos de colisão, aumentaram esse ano e chagaram a 29 mil objetos que têm o tamanho de uma bola de futebol, em média. Afinal, também existem muitos maiores.

E com tanto lixo espacial, um resíduo por cair na Terra e é o caso de uma sonda soviética Cosmos 482, que é um artefato lançado em 1972 e a tonelada pode cruzar a atmosfera terrestre antes do fim deste ano.

Essa sonda, que pesava mais de 1.100 quilos, foi destinada a chegar à Vênus e tem grandes possibilidades de que os seus restos diminuam ao longo da superfície do planeta por causa da sua elevada densidade. E o perigo é que esse módulo esférico, com sua blindagem térmica, pode resistir a reentrada atmosférica mesmo perdendo parte do seu peso.

Segundo o Escritório do Programa de Detritos Orbitais da NASA, cerca de 400 objetos por ano caem no nosso planeta, o que equivale a cerca de 100 toneladas. E segundo a Agência Espacial Europeia (ESA), acima de nossas cabeças existem cerca de 29 mil objetos maiores de 10 centímetros e 750 mil pedaços maiores de um centímetro e quase 166 milhões de pequenos fragmentos.

Lixos

No lançamento de um satélite que entra em órbita, algumas peças do lançador são deixadas para trás. Normalmente, os foguetes são lançados na atmosfera prevendo cair no oceano. Isso quer dizer que, pelo menos dois grande pedaços de lançadores permanecem orbitando a Terra em cada lançamento.

E apenas 10% dos satélites e 25% dos foguetes teriam que manobrar para se desintegrar na atmosfera, o restante segue girando pelo espaço.

"Todos eles são atraídos pela gravidade da Terra e, eventualmente, eles queimam quando voltam a entrar. Dependendo de sua órbita, eles podem levar meses ou anos para cair. E enquanto os satélites de telecomunicações são levados a uma órbita do cemitério, itens muito grandes como o SkyLab ou uma Estação Espacial são um problema porque suas partes podem sobreviver à reentrada . É por isso que eles são guiados para que, se alguma peça sobreviver, ela caia no Oceano Pacífico Sul, a parte mais despovoada do planeta ", explica Nicolas Chamussy, chefe da Airbus Space Systems.

A maior parte dos lixos espaciais orbita a Terra a 2.000 quilômetros da superfície da Terra. E nos 800 quilômetros de proximidade está a maior concentração e a órbita mais alta que é a de 35 mil quilômetros. A maior parte desses detritos são os resíduos de explosões de satélites e foguetes ou  colisões com outros objetos.

"Qualquer colisão pode produzir centenas de novos riscos potenciais. Esta é a razão pela qual temos radares no chão que fazem um catálogo de tudo o que está em órbita da Terra. Até a Estação Espacial Internacional (ISS) foi recomendada várias vezes para desviar seu curso (como medida de precaução) devido a uma possível colisão com os detritos. Claro, estamos falando de um risco potencial quando uma peça está passando a 100 km de distância ", disse um dos integrantes da Airbus Defence and Space.

Eliminação

Cerca de 95% dos objetos que estão em órbita são satélites mortos ou peças inativas, e por isso, várias agências espaciais estão desenvolvendo tecnologias para capturar e eliminar esses resíduos. Mas todos estão ainda em fases de testes.

Próxima Matéria


Matérias selecionadas especialmente para você

Via   Msn  
Imagens msn
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.

Fatos + Deezer (Podcast)

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+