Entretenimento

7 maiores polêmicas de 2018 na internet

0

O youtube é uma das maiores plataformas de vídeo existentes. Muitos jovens nem sabem o que é ligar a televisão para assistir a um programa ou esperar determinada hora para poder ver o que se gosta. Hoje, conteúdos diversos estão disponíveis a qualquer momento, para qualquer pessoa, imediatamente e sem nenhuma interrupção.

Apesar de ser uma excelente forma de comunicação, os criadores de conteúdo tem que se preocupar com o que estão deixando na internet. Porque uma vez ali postado, ficará para sempre mesmo que se tente apagar. Alguns youtubers, como são chamados os criadores de conteúdo da plataforma, se envolveram em polêmicas devido a declarações mal feitas ou interpretações diferentes sobre alguns fatos. Essas são as maiores polêmicas da plataforma desse ano até agora.

1 – Nego do Borel

O funkeiro lançou esse mês seu clipe da música ‘Me Solta’. Não seria nada demais se ele não aparecesse vestido de mulher e beijasse outro homem no clipe. O vídeo já passa das 6 milhões de visualizações e desagradou tanto os conservadores quando a comunidade LGBT.

A parte conservadora não apoiou e mostrou uma posição homofóbica. Já a comunidade LGBT não se sentiu representada e nem homenageada pelo clipe do funkeiro. O cantor tentou se explicar. “Quis mostrar que as pessoas podem se soltar, beijar, transar, amar quem elas quiserem”, explicou. Além de apresentar de forma equivocada e reforçando esteriótipos, pessoas da internet mostraram outra evidência contraditória contra Borel. Uma foto antiga dele com o pré candidato à presidência Jair Bolsonaro, que é declaradamente contra o movimento LGBT. Nego do Borel tem sido acusado de se apropriar das questões LGBT para se promover usando o famoso ‘pink money’, que é se aproveitar do poder de compra e influência do movimento LGBT.

2 – Logan Paul

O youtuber americano Logan Paul se envolveu em uma polêmica gigantesca enquanto gravava uma série de vlogs em uma viagem ao Japão. Logan fez um vídeo em uma floresta do país que é popularmente conhecida pela alta taxa de suicídio. Quando estava nessa floresta ele encontrou um corpo, filmou o cadáver e ainda fez piadas com seus amigos. Claramente ele foi brutalmente criticado, e seu canal no youtube que tinha mais de 15 milhões de inscritos foi excluído. Além de algumas regras da plataforma de vídeo também terem sido mudadas.

3 – Julio Cocielo

O youtuber criou uma polêmica que tomou a internet toda. Durante a partida da França contra Argentina na copa do mundo, Cocielo fez um tweet sobre Kylian Mbappé. Ele tweetou: “Mbappé conseguiria fazer uns arrastão top na praia hein”. Depois de uma chuva de críticas de internautas que apontaram o racismo na fala do youtuber, visto que o jogador sobre o qual ele comentou é negro, Cocielo apagou o texto do seu perfil e divulgou no youtube um vídeo em sua defesa.

Cocielo é patrocinado por várias marcas como Adidas, McDonald’s e Coca-Cola, todas patrocinadoras oficiais da FIFA. Além do tweet sobre o jogador, outros antigos foram recuperados e reforçaram as críticas de racismo do youtuber. O youtuber perdeu vários patrocínios. Agora resta saber se ele realmente entendeu o porquê dessa perda e o tom racista de suas postagens.

4 – Whindersson Nunes

O youtuber do Piauí geralmente fica longe de polêmicas, mas acabou se envolvendo em uma esse ano. A polêmica não aconteceu na plataforma de vídeos, onde Whindersson tem mais de 30 milhões de inscritos. A discussão foi pelo twitter por causa da guerra na Síria, onde ele e um jornalista trocaram mensagens não muito carinhosas. “Ninguém no Oscar falou sobre a Síria?”, perguntou o youtuber na época. “Teu casamento falou sobre a Síria?”, rebateu o jornalista. “Por acaso meu casamento foi transmitido para mais de 30 milhões de pessoas?”, retrucou. Os dois tiveram uma discussão séria depois disso e o youtuber encerrou dizendo: “Vou te mandar mais fotos e você me diz se é mais importante ficar discutindo e tentando ‘lacrar’ na resposta ou divulgar o link que mostra como ajudar as pessoas na Síria, tá?”.

5 – Tour pelo corpo

No final de 2017, a moda do “tour pelo corpo” começou a se popularizar no youtube. Essa ‘tag’ como é chamada trata-se basicamente de meninas fazendo vídeos mostrando as partes de seus corpos e falando a relação que tem com cada uma delas e como fazem para se autoaceitar. A ideia é passar uma mensagem positiva e aceitação do próprio corpo.

Mas um post no facebook do youtuber Bernardo Boëchat no começo de 2018 viralizou quando ele chamou atenção para o fato de que a criadora da tag no Brasil, Luiza Junqueira, teve menos reconhecimento que o segundo vídeo do mesmo tipo feito por Ellora Haonne. A polêmica foi porque Luiza é gorda e Ellora é magra. A gordofobia foi vista nos números e nos comentários dos vídeos. Enquanto muitos diziam que era sim gordofobia, alguns falavam que era porque uma tinha mais inscritos que a outra. A polêmica pelo menos serviu para dar voz as mulheres gordas para que elas se empoderem e não tenham vergonha do próprio corpo.

6 – Nasim Najafi Aghdam

A mulher que disparou tiros na sede do youtube na Califórnia tinha 39 anos. Três pessoas foram baleadas e uma machucou o tornozelo na tentativa de fuga. Ela se matou logo em seguida. A mulher foi identificada como Nasim Najafi Aghdam. Ela era youtuber e tinha ao menos quatro canais na plataforma. Ela se identificava como “atleta vegana e a mais conhecida e famosa ativista dos direitos dos animais na Pérsia, promovendo o veganismo e o estilo de vida saudável e humano”. Em janeiro de 2017, ela acusou o youtube de discriminação.

Nassim aparecia reclamando de uma medida do youtube que estaria restringindo e suprimindo vídeos. A medida da empresa teria feito com que ela deixasse de ganhar dinheiro pelo conteúdo que fazia na plataforma.

7 – Plágio

A polêmica surgiu em abril desse ano tendo o centro dela uma youtuber brasileira e um youtuber gringo. A youtuber foi acusada de plágio e divulgou um vídeo em seu canal para explicar o que tinha acontecido.

A youtuber em questão é Marina Delveccio, do canal Pense Geek, e o youtuber americano Geoff Thew, do canal Mother’s Basement. O americano publicou um vídeo no seu canal falando que tinha sido avisado do plágio da brasileira e resolveu gravar um vídeo sobre o assunto depois que ficou sabendo que Mariana tinha gravado um vídeo esclarecendo o ocorrido. A youtuber brasileira falou que não plagiou o gringo e que as semelhanças eram porque os dois teriam usado as mesmas fontes de informação. Além disso, ela diz que não assistiu o vídeo do americano.

7 coisas sobre Crepúsculo que todo mundo entende errado

Matéria anterior

Impeça que seus produtos eletrônicos saibam tudo sobre você com essas 7 dicas

Próxima matéria

Você pode gostar