Fatos Nerd

8 provas de que Cavaleiro das Trevas ainda é o melhor filme de super-herói

0

Há exatos dez anos, Batman: O Cavaleiro das Trevas chegava aos cinemas do mundo. Segundo filme da trilogia de Christopher Nolan, a obra rapidamente se consagrou entre a crítica especializada e o público. Ele foi classificado por inúmeros veículos de comunicação como o melhor filme de super-herói de todos os tempos. Foi o único longa daquele ano a concorrer como melhor filme no Producers Guild of America (Sindicato dos Produtores de Hollywood) sem também estar indicado ao Oscar de Melhor Filme. Inclusive, rumores indicam que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas mudou suas regras de cinco para até dez indicações na categoria porque Cavaleiro das Trevas foi um dos melhores filmes do ano e não concorreu ao prêmio.

O filme entrou para a história do cinema e, uma década após o seu lançamento, ainda mantém o status. Discussões à parte sobre Christian Bale ser ou não o melhor Batman, Nolan concedeu ao herói a melhor narrativa live action já realizada. Embora o filme seja sobre super-herói, os temas abordados e explorados na projeção vão além do subgênero. A linguagem cinematográfica escolhida por Nolan para contar essa história é um dos principais elementos pelos quais Cavaleiro das Trevas é um clássico.

1 – Estilo de filmagem

Dark Knight Rises Batman Img1 1024x681, Fatos Desconhecidos

Antes de se tornar mundialmente conhecido, Christopher Nolan já havia realizado obras incríveis dentro da indústria. Com destaque para Amnésia e Insônia, dois filmes que não tem nada a ver com o mundo dos super-heróis. Mesmo assim, o diretor foi capaz de empregar a mesma sensibilidade usada em obras passadas no seu projeto atual. Como resultado, tivemos a representação de um mundo real. Personagens e cenários caricatos, infantilizados e exagerados foram deixados de lado. A história continha um vigilante que combatia o crime nas ruas da cidade fantasiado. Contudo, nem por isso deixou de ser plausível.

2 – Coadjuvantes que importam

2008 The Dark Knight 027, Fatos Desconhecidos

Batman é o protagonista de sua própria história, mas isso não significa que ele esteja sozinho. Ele precisa de ajuda para salvar Gotham e as pessoas que ama. Para isso, ele conta com o auxílio de Lucius Fox (Morgan Freeman), Comissário Gordon (Gary Oldman) e, claro, Alfred (Michael Cane). Todos eles exercem um papel fundamental para a narrativa e para o desenvolvimento do herói. Lucius apresenta os equipamentos e aparelhos usados por Bruce em suas atividades. Gordon fornece informações de dentro do departamento de polícia. Alfred é o porto seguro do personagem. Em Cavaleiro das Trevas, temos a introdução de Harvey Dent (Aaron Eckhart). No final, sua figura se torna uma inspiração para Batman. Influenciado por suas atitudes e ideias, Bruce toma a difícil decisão de se colocar como o vilão da história.

3 – Elenco grandioso

Christian Bale Michael Caine And Christopher Nolan In The Dark Knight 2008 1024x683, Fatos Desconhecidos

Um dos maiores acertos do longa foi tanto Christopher quanto Jonathan Nolan não desperdiçarem o talento dos atores. Christian Bale pode até ser questionado quanto à sua atuação como Batman. Em contrapartida, ele está muito bem como Bruce Wayne. O mesmo pode ser dito de Michael Cane e todo o teor emocional que ele carrega consigo ao viver Alfred. Se Jim Gordon começa a trilogia como um policial qualquer e um tanto quanto inseguro, muito se deve a interpretação de Gary Oldman. Até mesmo Aaron Eckhart, um ator mediano, representou melhor o Duas-Caras do que seu antecessor, Tommy Lee Jones. E Morgan Freeman, apesar de ter participação pequena, se prova fundamental. Sem contar que a substituição de Katie Holmes por Maggie Gyllenhaal para viver Rachel foi a melhor decisão, visto que a atriz concedeu muito mais carisma à personagem.

4 – Complexidade de personagens

Screenshot 1 29 1024x426, Fatos Desconhecidos

Cavaleiro das Trevas eleva o nível de complexidade de todos seus personagens, em especial do herói e do vilão. Nada na história é tão simples quanto parece. Batman deseja defender Gotham e impedir Coringa de ferir outra pessoa, ao mesmo tempo em que entra em conflito com seu alter ego por também desejar uma vida com Rachel. Ele não sabe como salvar a cidade se não consegue salvar si mesmo. Por outro lado, a motivação de Coringa para continuar seus atos de terror nunca é clara. Não até o final. O Palhaço não tem um exército a sua disposição, mas possui inteligência e pessoas o suficiente para propagar o caos em Gotham. Ele pressiona Batman ao limite e está sempre um passo à frente. A relação entre os dois é o centro da história.

5 – Questões morais

The Dark Knight Desktop Wallpaper 1024x579, Fatos Desconhecidos

O filme discute diversas questões sobre ética e moral. Constantemente, somos obrigados a nos questionar a respeito desses valores. O que faz a vida valer a pena a ponto de ser salva? Fins honrosos justificam meios menos dignos? Acima de tudo, o que faz de alguém um herói? Batman é mais herói que Harvey Dent? A presença do Coringa na história vem com o peso da pergunta se uma pessoa é má por natureza. O personagem tenta provar no filme que todos nós, no fundo, somos criaturas malignas. Basta a pressão certa, para revelarmos nossa verdadeira forma. Até onde iríamos para salvar nossa própria vida? Pior, seríamos capazes de altruísmo em situações extremas?

6 – Heath Ledger

Maxresdefault 17 1024x576, Fatos Desconhecidos

Coringa é um dos melhores vilões de todos os tempos em qualquer mídia que for. O personagem é tão multidimensional que possibilita a interpretação de vários atores diferentes – cada um à sua maneira. Na época, Heath Ledger era um ator mais conhecido por comédias românticas. Quando foi escolhido para o papel, obviamente, não faltaram reclamações. Vários “fãs” criticaram Christopher Nolan pela escolha. Isso, claro, antes de ver o filme. De fato, a escalação pegou muitas pessoas de surpresa. Em uma entrevista recente ao The Hollywood Reporter, Jonathan Nolan (roteirista da trilogia) comentou que todos ficaram sem entender. No entanto, o diretor insistiu em Ledger para o papel, pois acreditava que era um grande ator. Sua performance foi lendária! Infelizmente, ele não sobreviveu para receber o Oscar, mas conseguiu provar que não importa de onde você vem, mas o que você faz.

7 – Levou o assunto a sério

Dark Knight Hed 1024x683, Fatos Desconhecidos

Antes da trilogia de Christopher Nolan, mesmo no cinema os super-heróis eram vistos como algo infantilizado – apenas pessoas fantasiadas que saiam por aí para salvar o mundo. O que começou em Begins, foi concretizado em O Cavaleiro das Trevas. O filme não apenas apresenta questões reais, como também obriga o público a refletir sobre elas. Batman é muito mais que uma pessoa vestida de morcego. Ele é um homem quebrado, marcado por uma tragédia. Ele tem traumas e tem medo. Não sabe qual seu lugar no mundo e nem mesmo quando decide servir como vigilante de Gotham sabe se essa é a melhor escolha. Coringa também vai além de um louco que pinta o rosto. O Cavaleiro das Trevas representa um ponto de virada para os super-heróis.

8 – Frases de Afeito

Harvey Dent 1024x640, Fatos Desconhecidos

Como se não bastasse um roteiro refinado e lapidado, o filme também é responsável por várias frases de efeito. O personagem de Harvey Dent, por exemplo, é responsável por eternizar uma delas. “Ou você morre como herói, ou vive o suficiente para se ver transformado em vilão”. Já o Coringa costumava dizer “Vamos colocar um sorriso nesse rosto”, pouco antes de cortar o rosto de alguém. E o que dizer sobre “Alguns homens apenas querem ver o circo pegar fogo”, proferida por Alfred?! As frases de efeito não nascem do nada. É preciso muita atenção, tempo certo e rima no diálogo para elaborar algo tão marcante. Pode parecer fácil, mas o acerto é mais complicado que o imaginado.

Pela primeira vez na história o ser humano parece ter mudado as estações do ano

Matéria anterior

Como Rick Grimes pode morrer em The Walking Dead

Próxima matéria

Você também pode gostar

Mais em Fatos Nerd

Comentários

Comentários não são permitidos