Curiosidades

Animais marinhos correm sério risco com aquecimento dos oceanos

0

A Terra está constantemente em evolução ou retrocesso, infelizmente. O aquecimento global é um dos responsáveis por vários desastres que danificam o nosso planeta. Um exemplo disso é a temperatura da superfície dos oceanos, que atingiu um novo recorde de calor, de acordo com o serviço meteorológico Copernicus, da União Europeia, atingindo 20,96° Celsius.

Claro que isso é uma coisa para se preocupar. De acordo com especialistas, a alta dessa temperatura coloca em risco a vida de todos os animais marinhos, independentemente da espécie ou do tamanho.

De acordo com Kyssyanne Samihra Santos Oliveira, do Departamento de Oceanografia e Ecologia da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), esse aquecimento dos oceanos é resultado da junção do El Niño e do aumento das emissões de gases de efeito estufa.

Temperatura dos oceanos

Mar sem fim

“A atual causa do aquecimento dos oceanos é o aquecimento global causado pelo aumento dos gases de estufa. Atualmente, a gente tem o El Niño contribuindo também. Durante os anos de El Niño a gente espera o aumento de temperatura da superfície do mar e outras bacias oceânicas, mas, além disso, a própria variabilidade natural de algumas bacias oceânicas também estava em aquecimento”, explicou.

A vida marinha, desde os pequenos invertebrados até os mamíferos grandes, sente os efeitos do aquecimento das águas. Conforme pontua Eduardo Bessa, professor de pós-graduação em ecologia na Universidade de Brasília (UnB), o aumento da temperatura dos oceanos tem um impacto no comportamento dos animais.

“Boa parte desses grandes mamíferos aquáticos tem a alimentação toda baseada em ambientes com temperatura da água mais baixa. Por exemplo, ao redor da Antártica, para o sul da Austrália, sul da América do Sul. Nesses ambientes a temperatura sendo mais baixa tem mais oxigênio na água. Portanto, mais organismos ali que eles usam de alimento”, disse ele.

Perigos

Canaltech

De acordo com Kyssyanne, os pesquisadores têm notado que no hemisfério norte o calor extremo está acabando com a biodiversidade marinha. “Por exemplo, as últimas duas ondas de calor que a gente teve agora no Mediterrâneo e no Atlântico Norte gerou uma perda de biodiversidade gigantesca não somente em volume, mas em área também”, pontuou.

Ainda conforme ela pontua, esse prejuízo está sendo catalogado. Mesmo assim, a expectativa é de que esse recorde da temperatura dos oceanos custe a perda de um número grande de animais e corais.

O pior de tudo é que o aumento das temperaturas não é tudo. A professora da UFES também ressalta que os animais marinhos sofrem com a decomposição de coisas descartadas pelo ser humano, como por exemplo, o esgoto que é jogado nos oceanos.

“A gente está observando uma redução de oxigênio, principalmente nas regiões costeiras, por causa desse aporte de nutrientes e do descarte da matéria orgânica. Então, além do próprio aumento da temperatura afetar a biodiversidade marinha, a redução da concentração de oxigênio afeta invertebrados, vertebrados, todos os níveis de peixes e mamíferos marinhos”, disse ela.

O que fazer

Ecoobjetivo

Os dois especialistas sugerem que, para que essa situação seja revertida, o nosso país tem que investir cada vez mais em programas com o objetivo de diminuir o desmatamento e a liberação de gases de efeito estufa. “Fiscalizar o aumento do desmatamento, principalmente no Cerrado, e conservação de áreas verdes”, disse Eduardo.

O professor da UnB também pontuou que a sociedade tem que fazer sua parte para tentar diminuir o uso de veículos à combustão e começar a usar meios de transporte mais sustentáveis, como bicicletas e transporte coletivo.

Na visão de Kyssyanne, além do combate ao desmatamento é preciso que o governo faça parcerias públicas e privadas para tentar diminuir a liberação de esgoto nos oceanos. “Porque isso gera uma perda de biodiversidade gigantesca e acoplada ao aquecimento global tem sido uma preocupação no mundo inteiro”, concluiu.

Fonte: Metrópoles

Imagens: Mar sem fim, Canaltech, Ecoobjetivo

Cães trabalham para encontrar corpos que podem estar irreconhecíveis em incêndios no Havaí

Artigo anterior

Infartos em mulheres jovens estão aumentando. Como evitar?

Próximo artigo