Curiosidades

Após morte da rainha, ketchup Heinz terá que mudar rótulo da embalagem

0

O Ketchup é um dos condimentos mais amados do mundo. E os amantes desse molho tendem a ter uma preferência pela marca Heinz, considerada por muitos a melhor. Recentemente, a marca se tornou notícia não pelo seu produto, mas sim pelo seu rótulo.

Isso porque, depois da morte da rainha Elizabeth II, no dia oito de setembro, essa famosa multinacional norte-americana será forçada a mudar os rótulos das suas embalagens de ketchup que eles comercializam no Reino Unido.

De acordo com o jornal The Mirror, essa troca terá que acontecer por conta do uso do brasão real nos produtos da Heinz. Normalmente, as empresas que usam o brasão nos seus produtos assinam uma declaração da Royal Warrant. Quando fazem isso, elas são autorizadas a usar o brasão real em seus produtos desde que forneçam bens e serviços à monarquia.

Troca

Embalagem marca

Então, durante 70 anos, a rainha usava um brasão com a união do leão da Inglaterra com o unicórnio da Escócia, com um escudo separado em quatro partes seguido pela frase “por compromisso para Sua Majestade, a Rainha”.

E a Heinz, famosa pelo slogan “57 variedades” e por seu ketchup, usa esse símbolo na parte superior e frontal das suas embalagens que são distribuídas no Reino Unido. Agora, por conta do falecimento de Elizabeth II, os rótulos da empresa terão que receber o brasão do rei Charles III.

Contudo, não é apenas a Heinz que terá que fazer essa troca em seus produtos. Junto com a marca de ketchup está os chás da marca britânica Twinings, os champanhes Bollinger e entre outros produtos.

Ketchup

Receitinhas

Por mais que muita gente ame ketchup, poucas pessoas sabem da história do condimento. Para surpresa de muitos, ele é uma invenção relativamente moderna. O tomate não era consumido na Europa e nos EUA até o século XIX. Embora o ketchup já fosse consumido na Europa desde 1600, quando comerciantes entraram em contato pela primeira vez com a China. Mercadores traziam de lá um molho à base de peixe, chamado ke-tsiap.

Muitas receitas começaram a surgir tentando replicar o tal molho. No entanto, o primeiro ketchup de tomate, aparentemente, foi feito em 1812, por James Mease. Entretanto, os tomates perdem muito rapidamente, o que levou muitas pessoas a não consumirem o produto. As empresas então começaram a adicionar à fórmula grandes quantidades de conservantes. Muitos dos quais são bastante perigosos à saúde.

A grande reviravolta dessa história ocorreu no início dos anos 1900, quando Harvey Washington Wiley e Henry Heinz entraram no mercado. Eles apresentaram ao mundo, em 1906, um ketchup que substitua os nocivos conservantes por vinagre. Algo que prolongava a vida útil do produto sem fazer mal às pessoas. Sucesso instantâneo.

Alimentos modernos

Wikipedia

Com a virada do século XX, o boom industrial e a invenção da refrigeração possibilitaram o surgimento dos alimentos processados. Com esses produtos, também surgiram muitas conveniências, como maior tempo de vida dos produtos nas prateleiras, tempos de preparação de alimentos menores e preços mais baixos.

Claro que, assim como o ketchup, outros alimentos modernos surgiram e, às vezes, de uma forma que muitos não imaginam.

Temos como exemplo a barra de chocolate. Em 1847, Joseph Fry descobriu uma forma de combinar o cacau e o açúcar, de uma maneira que eles fossem moldados em uma barra sólida. John Cadbury, curiosamente, fez o mesmo. Os dois homens apresentaram suas barras de chocolate em uma feira em Birmingham, na Inglaterra, em 1849.

As barras de chocolate se tornaram um sucesso instantâneo e empresas como a Terry e Rowntree’s surgiram durante a era Vitoriana. Competições entre essas empresas trouxeram muitas inovações, incluindo o primeiro ovo de páscoa, em 1873.

Outra delícia que a maioria das pessoas ama surgiu como uma opção mais barata ao chocolate, durante a Segunda Guerra Mundial: a Nutella. Foi então que nasceu uma pasta doce, predominantemente feita de avelã e açúcar. O produto foi chamado de Giandujot.

Em 1951, a fórmula foi alterada, para transformar o produto em uma pasta que pudesse ser espalhada no pão. Entretanto, a fórmula, como a que conhecemos hoje no produto, é de inteira responsabilidade de Michele Ferrero, diretora executiva da empresa.

Ela percebeu que a receita poderia ser melhorada e acrescentou óleo vegetal e óleo de palma. O primeiro frasco da nova Nutella saiu das fábricas em 1964, e se tornou um sucesso instantâneo.

Fonte: Aventuras na história

Imagens: Embalagem marca, Receitinhas, Wikipedia

João Gomes viaja a Paris e assina seu primeiro contrato internacional

Artigo anterior

Cheiro de bebê vicia como se fosse uma droga

Próximo artigo