Curiosidades

App que sugere rotas durante temporais pode ser uma realidade

0

Atualmente, existe um aplicativo praticamente para cada necessidade. Tanto é que é difícil imaginar que, há 10 anos, eles não eram uma parte tão importante da nossa vida. Dentre os mais usados estão os app de GPS. Eles mudaram a forma como as pessoas se locomovem e acham os melhores caminhos até o destino desejado.

Mesmo que eles realmente ajudem em alguns aspectos, por exemplo, desviando de rotas que estão com mais trânsito, em determinadas situações eles não são tão eficazes. Um exemplo disso são nos dias de muita chuva que fazem com que a locomoção em São Paulo seja bastante difícil. Nessas horas, um trajeto de meia hora pode facilmente levar uma hora ou mais para ser feito. Por conta disso, praticamente todos os motoristas procuram rotas alternativas.

Estudo

Jornal Cruzeiro do Sul

Agora, uma pesquisa feita pelo Departamento de Engenharia de Transportes da Escola Politécnica (Poli) pode ser um passo inicial para a criação de soluções que ajudem nesses momentos. Essa pesquisa foi feita em pareceria com o Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP.

Essa pesquisa analiso o comportamento específico dos motoristas em São Paulo. Para isso, eles criaram o modelo de “escolha discreta”. Ele explica como diferentes fatores influenciam no momento do motorista escolher determinada rota.

Dentre esses fatores estão: distância a ser percorrida, tempo estimado de viagem e intensidade da chuva.

De acordo com o pesquisador Enzo Gonçalves Yulita, o que eles querem é reproduzir essas escolhas feitas pelos motoristas e, através disso, conseguirem calcular as probabilidades de cada rota.

Modelo

iTransport

Colocando isso em prática, nos dias em que estiver caindo temporal, esse app poderá sugerir rotas alternativas para ajudar o motorista a ver qual é mais adequada para ele. Dessa forma, o congestionamento e o tempo de viagem nos dias de chuva podem ser diminuídos. Além disso, se mais apps e modelos como esse existirem, acidentes também podem ser evitados.

“Acredito que um passo importante depois do trabalho do Enzo seria a possibilidade da integração dos resultados desses modelos em aplicativos, por exemplo, para auxiliar na tomada de decisão do usuário durante a viagem”, explicou Cassiano Isler, orientador do estudo.

Claro que esse modelo ainda tem que ser aperfeiçoado com coisas como, por exemplo, a implementação de um banco de dados maior. Mesmo assim, esse começo já é o bastante para a criação de uma ferramenta que vai ajudar ainda mais os motoristas de São Paulo.

Apps

Oficina da net

Esse modelo para ajudar os motoristas em dias de chuva ainda não é uma realidade, mas já existem apps que mostram possíveis rotas a serem seguidas. Os mais usados são o Waze e o Google Maps. Eles são considerados titãs da navegação e sinônimo de exploração moderna, justamente por isso que muitas vezes parece praticamente impossível escolher um ou outro.

No caso do Google Maps, ele age como um cartógrafo experiente. Sua interface é suave e profissional e parece como se a leitura do mapa fosse feita por um mestre. Além disso, esse aplicativo não mostra somente as estradas, ele também fala histórias a respeito dos lugares, mostra informações de horários de funcionamento, avaliações dos estabelecimentos, e dá outras opções de rotas, dependendo de como a pessoa se locomoverá, por exemplo, a pé, de bicicleta ou através de transporte público.

Já o Waze é como se fosse um aventureiro ousado e impulsionado pelas pessoas. Por isso que o aplicativo sempre procura economizar tempo com atalhos, mas que por vezes podem ser bastante ousados ou até mesmo dar em becos sem saída. No entanto, o app compartilha informações a respeito de radares, engarrafamento e viatura de polícia no caminho. A interface do Waze é mais casual e dá ao usuário caminhos que, muitas vezes, somente os locais conhecem.

Isso mostra que os dois aplicativos são como dois caminhos diferentes pela mesma paisagem. E existe um app que é melhor?

Por serem dois apps diferentes, essa resposta não é certeira e única. Ela pode ser dividida em alguns fatores. Por exemplo, no quesito informações de tráfego o Waze é melhor. Até porque, ele funciona como um centro de insights compartilhados. Mesmo que o Google Maps tenha informações parecidas, ele funciona mais como uma biblioteca silenciosa.

No ponto de rotas sugeridas, o Google Maps leva a melhor porque guia o motorista com a sabedoria testada com o tempo, enquanto que o Waze é mais ousado e leva o motorista por vielas e caminhos escondidos.

Quando o assunto é interface do aplicativo, isso dependerá do gosto de cada um. O Google Maps é mais elegante, já o Waze tem um ar mais despojado. Outro ponto é que o Google Maps dá ao usuário a possibilidade de minimizar o aplicativo e ainda assim continuar a orientar o caminho, enquanto que o Waze não tem esse recurso.

Tudo isso mostra que a escolha do aplicativo é também uma escolha de como será o caminho. O Google Maps é um app mais equilibrado, com rotas seguras e interface mais rica. Já o Waze tem uma abordagem mais dinâmica e personalizações únicas, como as vozes da navegação que podem ser até de celebridades.

Fonte: Olhar digital,  Mistérios do mundo

Imagens: Jornal Cruzeiro do Sul, iTransport, Oficina da net

Google Drive some com arquivos de usuários. Saiba como evitar o problema

Previous article

Como jogar os jogos da Netflix sem ter assinatura do streaming?

Next article

Comments

Comments are closed.