Curiosidades

China criou capa da invisibilidade? Claro que não. Mas a tecnologia impressiona

0

A China é um país milenar e bem bonito e com o passar dos anos tem se tornado cada vez mais uma potência. Tanto é que, em 2020, ela conseguiu ultrapassar os EUA como maior depositante mundial de patentes internacionais, que é uma chave para medida de inovação técnica. Além, claro, de parecer sempre estar vários passos à frente quando o assunto é tecnologia.

Nesse ponto, recentemente um viral do TikTok deixou várias pessoas curiosas. Teria a China criado uma capa da invisibilidade? Essa dúvida surgiu depois de o perfil Business Sapiense publicar um vídeo no qual é possível ver a apresentação dessa suposta tecnologia para uma plateia que fica bem entusiasmada com o que vê.

A apresentação realmente aconteceu no Super Science Night, evento feito em outubro em Pequim pela Bilibili, que é uma plataforma de compartilhamento de vídeos com sede em Xangai.

Contudo, a realidade das imagens no vídeo viral não são todas desse evento. Um ponto destacado pelo China Daily, um jornal estatal controlado pelo Partido Comunista, não é somente uma capa, mas um painel feito com tecnologia e materiais espaciais.

Quem apresentou essa tecnologia foi Chu Junhao, físico e professor da Chinese Academy of Sciences, especialista em semicondutores e tecnologia de dispositivos, e presidente da Faculdade de Ciências da Universidade Donghua, em Xangai.

De acordo com a Bilibili, Chu Junhao não foi o único que participou do evento. Também estiveram presentes outros oito cientistas e acadêmicos de renome, como por exemplo, Michael Levitt, Prêmio Nobel de Química de 2013, e Jia Yang, vice-projetista-chefe dos veículos chineses de exploração lunar e de Marte.

Como a tecnologia funciona?

Na apresentação, Chu pediu que seus ajudantes segurassem um painel na sua frente. No início, a parte inferior do corpo do professor está visível através do painel. Contudo, ao girá-lo 90°, a metade inferior do corpo de Chu desapareceu, mas o palco que estava atrás dele ainda podia ser visto.

Isso é possível porque o princípio fundamental do painel é a manipulação dos raios de luz, os direcionando de maneira que eles alcancem objetos posicionados atrás dele.

De acordo com Chu, essa “mágica” acontece por conta do uso de uma grade lenticular feita por fileiras de pequenas lentes convexas cilíndricas verticais. Cada uma dessas lentes consegue escolher e afinar objetos paralelos a ela, fazendo com que a luz possa ser refratada.

No momento em que uma fileira de lentes forma uma grade, várias imagens pequenas são produzidas, mas elas são pequenas demais para que sejam percebidas pelos olhos humanos. É justamente isso que dá esse efeito de invisibilidade.

Esse painel é o produto final de um projeto antigo que começou em 2012. Além dele, um outro projeto parecido foi feito pela empresa canadense Hyperstealth Biotechnology em 2019.

Essa capa da invisibilidade vai existir?

“No futuro, a capa invisível de Harry Potter poderá se tornar nossa roupa diária”, disse Chu, durante a apresentação. Na visão dele, essa tecnologia poderá transformar muita coisa em invisível.

“A invisibilidade na ficção científica se tornará realidade à medida que a tecnologia e os materiais se desenvolverem. Os equipamentos invisíveis mudarão a nossa vida, como salas invisíveis que podem proporcionar melhor privacidade ou aparelhos auditivos invisíveis, por exemplo”, disse.

China

Como dito, a China é extremamente futurística quando o assunto é tecnologia. Um exemplo disso foi esse grupo de pesquisadores da Universidade Beihang, na China, que acabaram de quebrar o recorde mundial de maior duração de voo de um ornitóptero, que é uma espécie de drone que voa batendo suas asas mecânicas.

Esse equipamento é alimentado por uma bateria de íons de lítio, pesa 1,6 quilo e tem envergadura de asas com dois metros. Com isso, esse drone consegue atingir uma velocidade de dez metros por segundo.

O recorde foi quebrado em um campo aberto perto de Pequim. De acordo com a mídia chinesa Xinhua, os recordes anteriores de ornitópteros não passaram de meia-hora.

Então, a equipe liderada pelo pesquisador Zhao Longfei se candidatou para  quebrar o recorde em outubro de 2021. No voo, o drone com asas voou durante uma hora, 30 minutos e 4,98 segundos.

De acordo com Zhao, a motivação para tentar fazer com que o voo desse drone fosse maior foi porque os recordes anteriores estavam significativamente atrás de outras aeronaves convencionais. Até porque a ideia do primeiro ornitóptero vem de Leonardo da Vinci, em 1485.

Nos testes iniciais, o equipamento não tripulado chinês conseguiu voar por 53 minutos. E depois de passar por uma otimização em seu sistema de energia e dinâmica da asa, seu desempenho de voo praticamente dobrou.

Esses ornitópteros imitam o voo dos pássaros, morcegos e insetos. De acordo com Zhao, o desenvolvimento desse tipo de tecnologia permite desenhar novos modelos inovadores de aeronaves, além de também conseguir espantar os pássaros perto de aeroportos e até ajudar a criar sondas pra explorar Marte.

Fonte: Época negócios, Gizmodo

Imagens: YouTube

Toupeira dourada cega considerada extinta é encontrada viva após 86 anos

Artigo anterior

Como as grandes marcas podem cativar os seus consumidores?

Próximo artigo