Compartilhando coisa boa

Conheça a história do casal que reflorestou um deserto

0

Um casal de idosos aposentados luta constantemente contra a desertificação do terreno em que habitam. Conforme revelou uma reportagem, publicada pelo portal de notícias Odditycentral, o casal, que há 19 anos planta mudas de árvores resistentes à seca na Região Autônoma da Mongólia, no Interior do Norte da China, conseguiu reflorestar centenas de hectares.

Tububatu, que, hoje, tem 70 anos, e sua esposa, Taoshengchagan, vivem em um vilarejo próximo a Badain Jaran, o terceiro maior deserto da China. Desde 2002, ano em que se aposentaram, ambos passam os dias lutando contra a desertificação. Hoje, após anos de batalha, é possível ver vida em um lugar que, para muitos, é considerado inóspito.

Outros residentes locais tentaram adquirir os mesmo hábitos que o casal usufruem hoje, mas, infelizmente, fracassaram. Mesmo tendo acompanhado a derrota dos moradores que tentaram dar um pouco de vida ao árido ambiente, Tububatu nunca desistiu, pois sabia que era capaz de fazer a diferença.

Vida em meio ao deserto

Tububatu começou a reflorestar o ambiente ao seu redor plantando apenas 50 mudas árvores. Com o tempo, percebeu que era necessário redobrar a quantidade para promover uma mudança mais significativa.

Com fé em si mesmo, determinação e com a ajuda de sua esposa, Tububatu seguiu com a pesada rotina – mas prazerosa. O fruto de seu esforço é visto de longe. Ali, onde havia apenas areia, pequenos arbustos secos e pedras, agora, há um pequeno oásis, que se estende por 266 hectares, cheios de dezenas de milhares de árvores que são altamente resistentes à seca.

Toda a mudança se deu graças às pensões que recebem do governo Chinês. O que antes era uma pequena área arborizada, hoje é uma floresta, que, diariamente, segue em expansão.

Embora haja predominantemente a presença de espécies principalmente resistentes à seca, como, por exemplo, árvores sacsaoul (Haloxylon) e cistanche do deserto, Tububatu e Taoshengchagan se certificam de regá-las diariamente, garantindo, assim, que as plantas sigam prosperando.

A luta do casal

O casal é um dos poucos residentes que não migraram para a aldeia mais próxima, que fica a quase 100 quilômetros da cidade mais próxima. Ambos vivem só, sem os filhos, que se mudaram com a benção dos pais para um lugar, digamos, mais hospitaleiro.

Os residentes que ficaram no local, e que, curiosamente, fracassaram ao tentar reflorestar a área, ao invés de ajudar, empenharam esforços para ridicularizar os esforços do casal. Por terem sido vítimas do fracasso, os moradores, além de difamar o empenho de Tububatu e Taoshengchagan, fizeram questão de ficar apenas olhando para ambos tentarem cumprir a difícil missão.

Suportando diariamente incontáveis dificuldades, o casal, como dissemos no início da matéria, logrou, em 19 anos, reflorestar mais de 266 hectares sem vida. Tububatu e Taoshengchagan revelou ao portal de notícias Odditycentral que não têm planos de parar tão cedo.

Além de dar vida a um ambiente inospito, o casal, agora, usufrui dos benefícios da cistanche, uma planta medicinal popular cujo quilo é vendida por até 100 yuans (US$ 15,5). Segundo o China Daily, Tububatu e sua esposa já plantaram mais de 70.000 árvores. Ainda de acordo com China Daile, o casal, na empreitada, já gastou mais de 1 milhão de yuans (US$ 154.000).

A dura batalha contra o ariado ambiente, infelizmente, não trouxe apenas benefício. O casal, por conta dos esforços, hoje, têm que lidar com sérios problemas de saúde. De todas as formas, Tububatu e Taoshengchagan se sentem realizados. E a atitude de ambos renderam diversos prêmios. O casal, além disso, é inspiração para ambientalistas de todo o mundo.

Estudos apontam que os tiranossauros eram carnívoros sociais, não predadores solitários

Matéria anterior

Macacões que imitam corpo musculoso estão na moda nas plataformas de comércio eletrônico chinesas

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.