Curiosidades

Cutucar o nariz pode aumentar suas chances de ter Alzheimer

0

Um estudo publicado na revista Scientific Reports relaciona o hábito de tirar meleca do nariz ao aumento do risco de desenvolver Alzheimer e outras demências.

Feita por médicos da Universidade Griffith, da Austrália, a pesquisa utilizou camundongos para entender se a Chlamydia pneumoniae, uma bactéria que provoca infecções no sistema respiratório, pode atingir o cérebro e quais as consequências disso.

Estudos anteriores apontaram a presença do DNA da bactéria no cérebro de pacientes que manifestaram demência em vida. Após isso, uma linha de estudos investiga se existe uma relação de causa e efeito entre a Chlamydia pneumoniae e o declínio cognitivo.

Caminho pelo nariz

Foto: Getty Images

Na pesquisa recente, os cientistas australianos infectaram camundongos propositalmente com a Chlamydia pneumoniae. O resultado foi que a bactéria conseguiu alcançar o cérebro dos animais pela via nasal. Isso levou os neurônios a aumentarem a produção da proteína beta amiloide, um dos maiores marcadores do Alzheimer.

“Somos os primeiros a mostrar que a Chlamydia pneumoniae pode subir diretamente pelo nariz e entrar no cérebro, onde pode desencadear patologias que se parecem com a doença de Alzheimer”, explicou o professor James St John, um dos líderes da pesquisa, em comunicado de imprensa preparado pela universidade.

O pesquisador acrescentou que mesmo que o experimento tenha sido feito em camundongos, é provável que a bactéria alcance o cérebro humano também.  Além disso, o professor St John explica que o ato de cutucar o nariz pode causar lesões à proteção nasal que facilitam o caminho da bactéria.

“Cutucar o nariz e arrancar os pelos dele não são boas ideias. Se você danificar o revestimento do nariz, pode aumentar o número de bactérias que podem entrar no seu cérebro”, afirma o profissional.

Transporte de S. aureus

Foto: Mega Curioso

De acordo com a Revista Galileu, cutucar o nariz está associado ao transporte nasal de S. aureus. Mesmo que pareça inofensivo em alguns casos, o hábito pode ajudar no transporte do vírus para outros lugares.

Além disso, cutucar o nariz também pode ser relacionado a um maior risco de transmissão do S. aureus para feridas, que representa um problema mais sério. Algumas vezes, os antibióticos não funcionam contra esse microrganismo.

De acordo com um artigo dos pesquisadores Matthew LaCour, Kristyna Gleghorn, Janice Wilson.

“[…] A crescente resistência aos antibióticos exige que os profissionais de saúde avaliem os hábitos de cutucar o nariz dos pacientes e os eduquem sobre maneiras eficazes de evitar práticas de dedo no nariz.”

Filtro natural

Foto: FreePik

Em texto publicado no portal The Conversation, os cientistas Mark Patrick Taylor, Gabriel Filippelli e Michael Gillings falaram sobre a importância do muco nasal, conhecido como meleca, para a saúde.

O nosso corpo seleciona o que é ou não prejudicial para o sistema pulmonar, como vírus e poeira, por exemplo, e o retém no nariz.

De acordo com os pesquisadores, a meleca, em conjunto com os anticorpos e as enzimas dos indivíduos, trabalham na linha de frente do sistema imunológico contra infecções. O hábito de retirá-la pode prejudicar o sistema imunológico como um todo.

Além disso, cutucar o nariz também pode levar outros germes, bactérias e vírus para dentro do nosso corpo.

Comer meleca do nariz pode fazer mal para a saúde

Foto: Getty Images

Algumas pessoas vão mais longe e além de cutucar o nariz, comem a meleca. Ingerir os resíduos também pode ser prejudicial ao sistema imunológico.

Além de ser nojento, comer meleca significa ingerir os germes inalados ligados ao muco, metais tóxicos e contaminantes ambientais que foram citados anteriormente.

Também vale apontar que não descartar a meleca de forma higiênica, em uma lixeira ou vaso sanitário, pode ajudar a espalhar germes.

Fonte: Metrópoles, Extra, Revista Galileu

Missão Lucy, da NASA, traz imagens incríveis do espaço

Artigo anterior

O dia que os EUA entraram em pânico com um “ataque de aliens”

Próximo artigo