• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


A história das primeiras traduções da Bíblia

POR Cristyele Oliveira    EM Curiosidades      11/06/19 às 15h10

A Bíblia é o livro mais lido e vendido em todo o mundo. A obra reúne uma compilação de textos religiosos de valor sagrado para o cristianismo. Embora o livro sagrado seja um símbolo da religião, a sua história não parece ser tão pacífica. As primeiras traduções envolvem muitas polêmicas envolvendo a igreja.

John Wycliffe viveu por volta de 1330 e 1384, e o seu legado não foi visto com bons olhos pela grande instituição da igreja. Em 1427, o papa Martinho V ordenou que os ossos de um dos principais pensadores ingleses do século XIV fossem exumados de seu túmulo. Se não o bastante, os seus restos mortais foram queimados e jogados em um rio. A atitude drástica era reflexo da sua ofensa à igreja. E mesmo 40 anos depois da sua morte, a fúria da igreja se virou contra ele.

O pensador

Wycliffe era teólogo por profissão, e foi chamado para assessorar o Parlamento em suas negociações com Roma. Naquele período, a igreja tinha grande poder sobre as decisões. Durante essas negociações, ele percebeu algumas coisas dentro da igreja que iam contra o que ele acreditava. Com as suspeitas de corrupção, ele não pretendia se calar quanto a isso.

Foi quando o teólogo começou a divulgar panfletos pelas ruas questionando as ações da igreja. Além do mais, suas alegações polêmicas incluíam dizer que  a igreja devia se preocupar mais com os pobres, ao invés de buscar por riqueza e poder. Ele chegou a descrever o papa como "o anticristo, o orgulhoso sacerdote mundano de Roma, e o mais amaldiçoado dos tosquiadores".

Não demorou muito para as suas acusações causarem revolta na igreja. Em 1377, o bispo de Londres intimou Wycliffe a comparecer perante a sua corte para explicar as "coisas surpreendentes que brotaram da sua boca".

Nessa ocasião, o papa emitiu uma bula papal (carta ou documento oficial papal) acusando Wycliffe de heresia. Ele foi condenado e colocado sob prisão domiciliar. Depois disso, ele foi obrigado a se retirar de sua posição de mestre do Balliol College, em Oxford.

As traduções

Wycliffe defendia que a Bíblia deveria estar disponível para que todos tivessem acesso aos textos sagrados. Ele enxergava a alfabetização como o caminho para a emancipação dos pobres. Naquela época, alguns capítulos da Bíblia já tinham sido traduzidos para o inglês, mas ainda não tinham uma tradução completa.

As pessoas simples, que não falavam latim e não sabiam ler, tinham apenas conhecimento do livro sagrado através do clero. E muito do que eles acreditavam, ideias como o fogo do inferno e o purgatório, não estavam nas escrituras. Em 1382, Wycliffe e seus assistentes começaram a produzir uma Bíblia em inglês.

Já era esperado que tal atitude despertasse uma reação violenta por parte da igreja. Em 1391, antes de finalizar a tradução completa das escrituras, um projeto de lei foi apresentado ao Parlamento para proibir a Bíblia em inglês. Além disso, a lei impunha que qualquer pessoa que possuísse uma cópia do livro fosse presa. No entanto, a lei não foi aprovada. Mas a igreja continuou a sua perseguição contra Wycliffe, mesmo após 7 anos de sua morte, em 1384.

Sem muitas alternativas de punição ao homem que estava por trás das traduções, a igreja decidiu queimar os seus ossos em 1427. Mesmo que a medida servisse apenas como garantia de que o seu local de descanso não fosse reverenciado.

O arcebispo de Canterbury afirmou que Wycliffe tinha sido "um canalha pestilento da memória condenável, precursor e discípulo do Anticristo que, além de sua maldade, inventou uma nova tradução das Escrituras em sua língua materna".

Próxima Matéria
Via   BBC  
Imagens BBC
Cristyele Oliveira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+