Mundo Afora

Homem compra galpão por 500 dólares e encontra fortuna de milhões

0

Há alguns anos, um homem gastou 500 dólares na compra de um galpão e acabou recebendo uma quantia milionária de volta.

O morador dos Estados Unidos fez a compra do galpão por intermédio de um conhecido, o leiloeiro Dan Dotson, quem apresenta, ao lado de sua esposa Laura, o programa “Quem Dá Mais?”, do canal A&E.

Na época, o comprador acabou sendo surpreendido ao encontrar um cofre cheio de dinheiro. Mesmo com a quantia caindo praticamente do céu, a história não terminou sem que advogados fossem envolvidos.

Divulgação da fortuna encontrada em galpão

Laura e Dan Dotson (Foto: Jason Merritt/Getty Images)

O caso foi contado por Dotson, no ano de 2018, através de uma publicação em seu perfil no Twitter. “Uma mulher se aproximou e me disse que seu marido trabalha com um cara que comprou um depósito de mim por US$ 500 e encontrou um cofre dentro”, disse ele, na época.

O leiloeiro disse também que as pessoas contratadas para arrombar o cofre encontraram dificuldades para abri-lo, mas que o esforço valeu totalmente a pena.

“Normalmente esses cofres estão vazios, mas não nesse caso. Havia US$ 7,5 milhões em dinheiro lá dentro”, disse, conforme informações do portal History.

Proprietários originais do galpão

Foto: Divulgação / Facebook / American Auctioneers

Os antigos donos do depósito, ao ficarem sabendo da notícia, decidiram entrar em contato para recuperar o dinheiro.

Eles contrataram um advogado para cuidarem do caso e ofereceram uma recompensa de 600 mil dólares ao comprador para que devolvesse o dinheiro encontrado no cofre. No entanto, o homem que não teve a identidade revelada, recusou a proposta.

Negociações

Foto: Divulgação / Facebook / American Auctioneers

Foi preciso muita paciência e negociação até que as duas partes chegassem a um acordo. Isso porque ninguém queria perder 7,5 milhões de dólares, independente do valor ter sido esquecido ou achado por acaso.

Por isso, de acordo com a imprensa internacional, foi decidido que o comprador ficaria com 1,2 milhões como recompensa por devolver a quantia aos donos.

No fim da história, o comprador continuou saindo beneficiado. Isso porque com apenas 500 dólares conseguiu se tornar um milionário.

Vaso guardado há 40 anos em casa de família é relíquia chinesa avaliada em R$ 933 mil

Foto: Divulgação/ Dreweatts

Assim como o galpão em que estava guardado um cofre milionário, um vaso chamou a atenção da internet na última semana. O artefato ficou pelo menos quatro décadas guardado na cozinha de uma família britânica como uma cerâmica comum, de pouco valor. Mas no começo de maio, foi descoberto que o objeto se trata de uma relíquia chinesa que pode ser avaliada em até R$ 933 mil.

De acordo com a casa de leilões Dreweatts, a peça remonta ao século 18, do período em que a dinastia Qianlong controlava a China. O vaso está entre as peças que podem ser adquiridas por um preço bastante elevado durante o leilão que será realizado na Inglaterra.

O artefato teria ficado tanto tempo na casa da família sem identificação depois de ter sido comprado por um médico-cirurgião na década de 1980, que foi passado para o filho. Com isso, o objeto continuou na cozinha do homem, que não sabia do valor do vaso.

Mark Newstea, especialista em cerâmica chinesa, foi quem identificou a peça chinesa em uma visita à casa. Durante o jantar com objetos dos anos 1990, o especialista percebeu de imediato que o material era de excelente qualidade.

“Apesar de na época a minha área de atuação ser cerâmica europeia, tive uma sensação avassaladora de que era uma peça do século 18 e muito boa”, disse Newstea em entrevista ao canal de televisão CNN.

Levou mais de 20 anos para que o dono do artefato decidisse vendê-lo. Depois de anos guardado na cozinha, a expectativa é que o vaso seja vendido por R$ 933 mil, com lances iniciais de R$ 621 mil.

Fonte: Aventuras na História

Frentista revidou assédio e bateu em homem que lhe passou a mão

Matéria anterior

Ximbinha não paga pensão para filha com Joelma, afirma colunista

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos