Curiosidades

Lavrador esperou 4 dias por ajuda depois de ser picado por cobra peçonhenta no Amazonas

0

Cobras não são os animais mais amados pelas pessoas. Alguns as acham simpáticas mas a maioria tem pavor. Mesmo assim, elas estão entre os animais que mais provocam fascinação nas pessoas. São milhares de espécies ao redor do mundo e parece que ainda não foram descobertas todas as espécies existentes.

Além das variadas espécies, esse animal pode ser encontrado nos mais variados lugares, como por exemplo, em um terreno em Careiro, no interior do Amazonas. Nesse caso, quem teve o encontro com uma cobra foi o lavrador Cícero José de Oliveira, de 43 anos, enquanto ele media o terreno. O homem acabou sendo picado por uma surucucu-pico-de-jaca, cobra que de acordo com o Instituto Butantan é a maior serpente peçonhenta das Américas e a segunda maior do mundo.

Caso

Folha de São Paulo

No dia do incidente, 26 de outubro, Cícero estava nas margens do rio Juma, local esse que é de difícil acesso. “Saiu muito sangue. Achei que a situação poderia piorar, então eu e os dois que estavam comigo corremos em direção à estrada por mais ou menos mil metros”, contou o homem.

Nisso, a perna de Cícero travou e uma das pessoas que estava com ele se deslocou para pedir ajuda. Enquanto isso, ele e outro homem ficaram na mata esperando pelo resgate. No quatro dia de espera eles já estavam sem água e sem comida. Até então, eles tinham comido palmito.

Para o resgate, a Secretaria de Saúde acionou dois brigadistas do Ibama que estavam na base do município de Manaquiri, que fica na região metropolitana de Manaus. Eles então foram junto com dois moradores e andaram 34 quilômetros a pé, entre a ida e a volta, para conseguirem resgatar Cícero.

Os brigadistas no caso são Jeffite Cordeiro Ambrósio e José Augusto Antunes. Os dois são técnicos em enfermagem e fizeram os primeiros socorros em Cícero. Para se ter ideia de como o lavrador estava longe, eles entraram na mata às 11h40 e o encontraram seis horas depois.

Cobra

Folha de São Paulo

De acordo com o dito por Cícero, ele estava com uma dor extrema. Então, os brigadistas aplicaram o soro antiofídico nele e saíram da mata na manhã do dia seguinte. Eles e os outros homens carregaram Cícero em uma rede e andaram por cinco horas até chegarem no hospital.

Segundo o Butantan, a cobra que picou o lavrador é conhecida por sua beleza. Ela tem cor em tons de laranja que fazem contraste com suas manchas escuras em seu dorso. Ela pode medir até três metros de comprimento e no fim da sua cauda ela tem escamas arrepiadas parecidas com a casca de uma jaca. Essa cobra é vista na Amazônia e na zona norte da Mata Atlântica, local entre o Ceará e o Rio de Janeiro.

Incidente

Segredos do mundo

No caso de Cícero, ele foi picado pela surucucu-pico-de-jaca enquanto estava fora de casa. No entanto, tem pessoas que têm um incidente com esse animal dentro da própria casa.

Esse é o caso dessa mulher que foi parar no hospital depois de ter sido picada por uma cascavel dentro da própria casa na cidade de Salzgitter, na Alemanha. Claro que ela teve que explicar como foi picada pela cobra, e nesse momento ela acabou confessando para as autoridades que tinha 110 cobras em sua casa.

A alemã de 35 anos, que não teve seu nome divulgado, foi até um hospital local para tratar a picada de cobra na manhã do último domingo. Chegando lá, depois do seu quadro apresentar uma piora, ela recebeu um antídoto feito por um instituto especializado em Hamburgo.

No momento em que a mulher revelou que matinha mais de 100 cobras dentro de sua casa, a polícia fez uma visita até o local. Com isso, eles viram que os animais eram mantidos pela mulher sem preparo nenhum.

Embora a alemã vivesse em uma fazenda, ela não tinha nenhuma estrutura para que as cobras pudessem viver de forma confortável no local. Então, as autoridades emitiram um comunicado dizendo que coletaram todas as cobras, algumas delas peçonhentas, da casa da mulher.

Agora, as cobras devem ser encaminhadas para o centro de preservação local.

cobra que picou a mulher é uma cascavel. Ela está entre as mais comuns e é vista em praticamente todos os Estados Unidos. Elas também são conhecidas pelo seu alto grau de perigo, principalmente por seu veneno em suas presas.

O veneno da cascavel causa distúrbios neurológicos, que afetam a vítima seis horas após a picada. Os sintomas mais comuns são dificuldade de locomoção, flacidez na face, visão turva e, em casos graves, insuficiência respiratória aguda. Tudo isso pode levar à morte.

Fonte: Folha de São Paulo, Aventuras na história

Imagens: Folha de São Paulo, Segredos do mundo

Novo estudo sugere que Vênus pode ter abrigado vida no passado

Previous article

Tocantins já passou dos 10 milhões de raios em 2023; entenda o motivo

Next article

Comments

Comments are closed.