Mais de 450 objetos desconhecidos foram descobertos no sistema solar
Tempo de leitura:2 Minutos, 57 Segundos

Mais de 450 objetos desconhecidos foram descobertos no sistema solar

Nosso sistema solar é imenso e o espaço no qual vivemos pode esconder diversos segredos que jamais imaginamos. Em suma, quando crianças, ainda nos primeiros anos escolares, aprendemos que o sistema é formado pelo sol, a lua e pelos planetas.

Porém, existem muitas coisas orbitando na nossa imensa galáxia que podem nos deixar surpresos. Até mesmo os pesquisadores que se dedicam a estudar o sistema solar e o que o compõe se surpreendem.

Isso porque, os limites externos do sistema solar constitui um lugar estranho e misterioso. Para além da órbita de Netuno, onde é frio e escuro, existe um enxame de objetos gelados chamados Cinturão de Kuiper. Ele orbita o sol e é considerado mais ou menos inalterado desde o nascimento do nosso sistema solar.

Objetos

 

Justamente por ser tão escuro, estar tão longe e os objetos serem tão pequenos é difícil para os astrônomos diferenciarem o que realmente tem lá. Mas uma pesquisa recente feita com os dados do Dark Energy Survey conseguiu identificar 815 objetos transnetunianos (TNOs). Desses, 461 foram descobertos recentemente.

Esse número é um aumento significativo para os três mil ou mais TNOs que já são conhecidos no sistema solar exterior. Além disso, essa informação poderia ajudar os astrônomos a modelar melhor como o sistema solar se formou. E também, até talvez procurar o indescritível Planeta Nove.

“Este catálogo tem 817 objetos confirmados, dos quais 461 foram descobertos pela primeira vez neste trabalho. Este é o segundo maior catálogo TNO de um único levantamento até o momento, bem como o maior catálogo com fotometria multibanda”, escreveram os pesquisadores.

Pesquisa

O curioso era que o objetivo do Dark Energy Survey não era procurar TNOs. Seu objetivo era estudar uma variedade de objetos e fenômenos, como por exemplo, supernovas e aglomerados de galáxias e tentar calcular a aceleração de expansão do universo.

Ele ficou em funcionamento entre agosto de 2013 e janeiro de 2019. Nesse tempo, ele coletou 575 noites de dados infravermelhos e quase infravermelhos no céu meridional. E por seu alto grau de profundidade, amplitude e precisão, a pesquisa acabou servindo para procurar objetos no sistema solar distante. Ou seja, além da órbita de Netuno.

Em 2020, os astrônomos analisaram os dados e encontraram mais de 100 novos planetas menores. Categoria que inclui tudo que não seja um cometa ou planeta. E esse novo estudo, que foi feito pela mesma equipe, agora usou um pipeline de detecção aprimorado e somou mais outros 461 objetos.

Observações

Além disso, os pesquisadores também fizeram simulações de detecção de TNO para compararem os resultados e analisar se suas técnicas eram ou não precisas.

Os astrônomos acreditam que nessa região do espaço os TNOs retêm traços da dinâmica do começo do sistema solar. Nesse tempo, segundo os modelos atuais, os planetas ainda estavam se formando e se movendo, por isso o sistema seria bem diferente de como ele é hoje.

Como os astrônomos não encontram vários desses objetos, cada novo achado adiciona um ponto de dados a mais que pode ajudar a encontrar ou descartar a existência do Planeta Nove.

“Todas essas novas informações representam um aumento significativo em nossa compreensão do Sistema Solar exterior. Até agora, os dados do Dark Energy Survey contribuíram com cerca de 20% de todos os TNOs conhecidos, o que é muito grande. Estes serão valiosos para mais testes estatísticos detalhados de modelos de formação para a região trans-Neptuniana”, concluíram os pesquisadores.

Fonte: https://www.sciencealert.com/over-450-new-objects-have-been-found-in-the-cold-dark-reaches-of-the-solar-system