O misterioso sumiço de Maria Celeste, um navio amaldiçoado

POR Júlia Marreto    EM Creepypasta      20/12/16 às 19h35

O desaparecimento da tripulação, do capitão, da sua esposa e filha, do navio Maria Celeste foi tão misterioso que até Sir Arthur Conan Doyle (Sherlock Holmes) escreveu uma pequena história no intuito de dar explicação ao estranho fenômeno. Esse é considerado um navio fantasma, mas não à toa. Isso, porque ele foi encontrado navegando, no caminho de Gibraltar, sem qualquer pessoa a bordo.

Precisamos lembrar que não temos o intuito de criticar, julgar, muito menos impor verdades absolutas. Nosso objetivo é único e exclusivo de informar e entreter.  Por isso, o conteúdo dessa matéria se destina a aqueles que se interessarem e/ou identificarem. Sendo assim, nossa redação separou essa historinha para você conhecer um pouco mais sobre o navio fantasma Maria Celeste.

O navio Maria Celeste foi inaugurado na Nova Escócia (Canadá), em 1861. Tinha 31 metros de comprimento, sendo, inicialmente, batizado "Amazon". As histórias sobre esse ser um navio fantasma começaram logo com sua inauguração, quando o primeiro capitão, antes mesmo de tomar posse de seu posto, morreu afogado. E o segundo, morreu na viagem inaugural.

04

Alguns anos depois, em 1869, os proprietários do navio o venderam. Então, os novos donos o renomearam de Maria Celeste (Mary Celeste). No dia 5 de novembro de 1872, fora realizada uma viagem desde Nova York (EUA) até Gibraltar, tendo como destino final Gênova (Itália). Em seu bagageiro haviam 1.701 barris de álcool industrial. Junto ao capitão Benjamin Spooner Briggs viajavam a tripulação com 7 membros, além de sua esposa e sua filha (2 anos).

Um mês após terem zarpado de Nova York, no dia 5 de dezembro de 1872, o Maria Celeste foi avistado perto de Açores, por outro navio, o Dei Gratia. Seu capitão, David Reed Morehouse, conhecia o capitão Briggs. Então, aproximou-se do Maria Celeste, descobrindo que o navio estava completamente vazio.

Morehouse designou um grupo de homens para inspecionar o Maria Celeste. Ao voltarem, o grupo afirmou ter ninguém à bordo, além de estar faltando um bote salva-vidas. Além do que, a maneira como as cordas foram cortadas, indicava que eles tinham fugido às pressas.

02

A mesa estava posta e haviam sobras de comidas. Também foram encontrados roupas e dinheiro, o que fez com que ataques piratas fossem descartados. Estava tudo em ordem, com exceção de algum estrago feito pelo vento que passara pelas escotilhas abertas.

Não aparentava ter passado por qualquer furacão ou qualquer outro fenômeno meteorológico. A única coisa estranha era um acúmulo de água no porão que, de acordo com a vara de medição, estava a mais ou menos um metro de altura (altura normal para esse tipo de embarcação), quando fora encontrada. Também estavam faltando alguns instrumentos de navegação e a documentação do navio. O que será que tinha acontecido? Por que nunca mais se ouvira falar dos marinheiros?

Ninguém sabe ao certo as respostas para essas perguntas. Muitos dizem que houve uma trama para recolher o seguro do navio, após tentar explodi-lo com a carga de álcool. Mesmo que o maiss provável seja que tenham abandonado o navio por acreditar que o mesmo estava afundando por conta do acúmulo de água no porão.

01

Um jornalista espanhol, Francisco García Novell, acredita ter encontrado a solução para esse mistério, nas Astúrias. Em 1873, alguns pescadores de Candás (Astúrias) encontraram à deriva, duas balsas com cadáveres. Em uma delas, havia um homem amarrado a um mastro, no qual flamulava uma bandeira dos Estados Unidos.

Enquanto na outra, haviam outros 5 corpos em decomposição. Possivelmente, por conta de um erro de transcrição do nome do lugar, nunca mais se fizeram relações com os dois locais e eventos. Ainda assim, Novell tenta provar que esses eram os corpos dos tripulantes do Maria Celeste. Se tiver sucesso, uma parte do mistério será resolvido.

Mesmo depois dos sumiços, o navio continuou navegando por um tempo, apesar da extrema dificuldade de se encontrar tripulantes, por ser considerado um navio maldito.

Então pessoal, o que acharam dessa história? Acham que existe uma explicação plausível para esse acontecimento ou que coisas assim simplesmente podem acontecer? Encontraram algum erro? Ficaram com dúvidas? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar com a gente!

Júlia Marreto
É a dona de um coração esculpido pela literatura e preenchido pelos bons vinhos de Baco. Guiada nas artes da vida por Ares, possui a discreta delicadeza de um elefante pulando carnaval numa loja de cristais! Movida diariamente pelo combustível da vida: o café, essa garota possui raízes profundas na poesia da vida. É muito séria, mas sabe brincar na hora certa. Ama os animais e detesta filme de terror. Apesar de cantar mal, canta com sentimento. E adora musicais! Sua principal tentativa desportiva é o baralho. Ela gosta mesmo é de coisas antigas, apaixonada pela vida e sonha com o universo. Instagram: juliamarreto

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+