Curiosidades

Os polêmicos tênis que carregam elementos que representam Satanás

0

A moda nunca deixa de nos surpreender. Afinal, sempre há algo novo, sempre há um conceito inovador pairando sobre as passarelas, intercalando entre as publicidades dos nossos programas de TV favoritos. Esperamos ansiosamente as novas coleções das grandes marcas, esperamos impacientes para saber qual será a próxima tendência. Mas o que mais esperamos – bom, ao menos eu – são os lançamentos das edições especiais. Aqueles produtos únicos, com um número exclusivo de peças. De todos os que foram lançados este ano, há um que merece destaque: o par de tênis inspirado no temido Satanás – ou Diabo, Belzebu; como preferir.

De acordo com uma reportagem do portal de notícias Odditycentral, o produto – edição da Nike Air Max 97s – foi criado pela empresa de streetwear MSCHF e foi desenvolvido pelo rapper Lil Nas Z. O tênis, que vangloria o poder das trevas e das forças ocultas, é, digamos, batizado com uma gota de sangue e está recheado com uma série de símbolos satânicos, como, por exemplo, um pentagrama, os números 666 e horários que carregam uma simbologia mística.

O tênis

Dominado pelas cores preto e vermelho, o par de tênis, como dissemos logo acima, foi projetado pela marca MSCHF. No cadarço, um pentagrama prateado marca uma forte presença. Em uma das laterais, temos também impresso os dizeres ‘LUKE 10:18’, uma referência do versículo da Bíblia, bem como o número do exemplar do tênis – por exemplo, 6/666.

Além dos símbolos marcantes, o tênis carrega também o icônico símbolo da Nike e os nomes de seus criadores, MSCHF e Lil Nas Z, os quais foram costurados em vermelho, nos calcanhares. Dentre todas as simbologias que o produto exalta, o detalhe mais polêmico – e também mais marcante – é, sem sombra de dúvida, a gota de sangue.

O tênis estava à venda por $1.018. Sim, estava. Após o lançamento, 665 dos 666 pares que compunham a edição limitada se esgotaram em menos de um minuto. O último par, segundo uma reportagem do portal de notícias Odditycentral, estava sendo disputado pelos interessados no site oficial do MSCHF. Mas, ao que parece, o tênis não poderá ser adquirido por questões judiciais.

Justiça

Conforme informou a mídia internacional, a empresa MSCHF violou os direitos do uso da marca Nike. Por conta disso, a Nike anunciou em um comunicado, emitido à imprensa, que entrou com uma ação judicial para sanar qualquer problema envolvendo o irreverente produto.

“Não iremos compartilhar detalhes sobre as questões jurídicas pendentes. No entanto, queremos deixar claro que não estabelecemos nenhum vínculo comercial com o rapper Lil Nas X e a empresa MSCHF. Os tênis que recentemente foi lançado ao mercado foi produzido sem a aprovação e/ou autorização da Nike. A nossa marca não está de acordo com o projeto”, disse a Nike.

Aparentemente, a MSCHF adquiriu os tênis Nike Air Max 97 online e, após a aquisição, passou a personalizá-los, adicionando os símbolos satânicos citados no início da matéria. Esse mesmo comportamento da MSCHF já havia sido repetido antes. A empresa, há alguns anos, promoveu a mesma atitude quando lançou pares de tênis com elementos que vangloriava a figura de Jesus Cristo – os exemplares, à data, eram batizados com água benta. Na época, a Nike não se pronunciou sobre o assunto.

Daniel Greenberg, chefe de comércio do MSCHF, disse à VICE por e-mail que a empresa ainda não havia sido contatada pela Nike e confirmou que “a marca não era fã” do produto, acrescentando que esperava uma reação adversa.

O sangue utilizado nos exemplares que foram lançados recentemente foi doado por Greenberg e outros membros da equipe da MSCHF. Greenberg, no entanto, se recusou a explicar exatamente como o sangue foi utilizado na produção do tênis. “Há tão pouco em cada par que não representa risco à saúde de ninguém”.

Joelhos pintados à mão, uma tendência de beleza esquecida

Matéria anterior

O que se sabe e o que não se sabe sobre os primeiros segundos depois do Big Bang

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.