Por que algumas mulheres comem uma parte do próprio corpo e por que não devem fazer isso?

POR Gustavo Camargo    EM Curiosidades      25/07/17 às 16h46

Quando uma mulher vai ter seu primeiro filho, ela costuma ouvir várias "dicas" e conselhos de pessoas sobre métodos que ajudam em diversos aspectos em relação a gravidez. Um dessas dicas é que a mulher (coma) sua própria placenta.

Se você conheceu esse método por essa matéria pode ter ficado um pouco assustado, mas, por incrível que parece esse método é muito usado nos Estados Unidos e vem ganhando muita força no Brasil. Essa tradição pode ter várias origens, uma das mais famosas delas afirma que a placenta pode ser muito nutritiva e ajuda a mãe recuperar forças pós-parto.

Essa hábito se chama placentofagia e  não pode ser considerado algo novo, pois várias celebridades já fazem isso a muito tempo. Mas, elas encontraram uma forma bem inusitada de continuarem com a prática (cápsulas de placenta em pó).

Nos Estados Unidos já existem empresas que produzem esse tipo de produto. As placentas enviadas são cozidas no vapor, fatiadas, desidratadas e transformadas em pó que é colocado em cápsulas a serem ingeridas pelas respectivas doadoras. O pacote completo vem com o cordão umbilical desidratado, decorando o pacote na forma de um coração.

Mas, em que ponto isso é seguro para a saúde de uma pessoa? Bom, os médicos não recomendam em hipótese alguma ingerir a placenta de outras mulheres, pois se considerarmos que a placenta de uma mão portadora de vírus como hepatite ou HIV, pode acabar se tornando uma grande fonte de contaminação. A placenta pode, sim, fazer a transmissão de doenças infectocontagiosas. Além disso a placenta contém hormônios que podem não ser interessantes para as pessoas.

Mas, mesmo com todos esses riscos, porque as pessoas insistem em fazer o consumo da placenta? Bom, essas mulheres acreditam que os hormônios presentes na placenta, fará o útero voltar mais rápido ao tamanho normal e a produção de leite será otimizada e a possibilidade de depressão pós parto será menor. Mas, nada disso está cientificamente comprovado.

Mas se pensarmos por um momento. Se isso tudo fosse verdade? Seria recomendável fazer o consumo da placenta? Mesmo se fosse verdade esse método não seria recomendável. As mulheres, ao longo da evolução humana, desenvolveram um organismo e hábitos de vida que prescindem da necessidade da placenta. A começar pelo fato de que, na natureza, o macho animal raramente está presente e nem pode ajudar no momento do parto.

E ai, o que acharam da matéria? Comenta ai e não se esqueça de compartilhar com os amigos, lembrando que seu feedback é sempre muito importante.

Gustavo Camargo
Gustavo Camargo, 18 anos, Goiano, Publicitário, Homão da Porra. Fascinado por League of Legends, Hearthstone, Lúcifer (série) e Literatura.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+