História

Por que artistas da Grécia Antiga retratavam genitais masculinos grandes ou pequenos?

0

Se você já viu uma escultura da Grécia Antiga, como Efebo de Crítio, já notou algo peculiar nas estátuas gregas. As esculturas de mármore marcam a arte grega pelos detalhes surpreendentes e pela maestria dos artistas em criar figuras humanas. Elas também são relevantes até hoje quando o assunto é padrão de beleza baseados em hipertrofia, fatores genéticos e órgãos sexuais reproduzidos nas esculturas.

No último caso, a parte íntima era comumente retratada com um tamanho menor. Isso destoa do resto do corpo forte, apresentando músculos grandes e a aparência de uma pessoa que claramente tem um biotipo mais encorpado. Muitas vezes, é possível até observar a vascularização por veias esculpidas em rico detalhe.

Porém, ainda resta a dúvida: por que o pênis é tão pequeno? A historiadora de arte, Ellen Oredsson, apresenta uma resolução para essa pergunta, segundo a revista Veja em 2017. Basta pensar que os órgãos sexuais estão pequenos por não estarem em posição sexual, ou seja, enrijecidos.

“Se alguém compara com o tamanho da maioria dos pênis moles, (os dos gregos) não são na verdade tão significativamente menores quanto os da vida real”, disse Ellen.

Contexto social

Getty Images

Ellen destaca que outro fator a levar em consideração para entender o tamanho do pênis é que ele já era uma ferramenta de definição de caráter nos tempos antes de Cristo, na Grécia Antiga. Isso porque a associação do pênis pequeno e mole era diretamente ligada ao respeito da figura ou da pessoa.

Sendo assim, retratado de forma mais humilde, o órgão sexual era um sinal de que a figura era uma pessoa admirável. Portanto, o contrário também vale para entender que a figura era uma pessoa bárbara, incisiva e feia, de acordo com o historiador Kenneth Dover, autor do livro Greek Homossexuality.

“A conclusão mais razoável é a de que se um pênis grande vem com uma face horrível e o pênis pequeno com um rosto bonito, então o pequeno é que era admirado“, apontou o pesquisador.

Já o escritor David M. Friendman disse na obra A Mind of its own: a cultural history of the penis, que aborda a história cultural sobre o órgão masculino, “Os artistas gregos mostravam o seu desprezo pelos estrangeiros e pelos escravos pintando-os com órgãos grandes”.

Racismo e genitálias

A história da correlação entre o racismo e as genitálias humanas é antiga. Hebert Samuels, um educador sexual e professor na Universidade de Laguardia, em Nova York, aponta que homens negros eram ditos como “animalescos”. Essa caracterização era aplicada também ao tamanho do membro sexual.

“Voltando a meados dos anos 1500 e continuando a escravidão nos Estados Unidos e ainda mais do que isso, considerava-se homens e mulheres negros animalescos em seus desejos sexuais, particularmente homens negros.”

“O pensamento social ocidental associa a negritude a uma sexualidade incivilizada e selvagem imaginada. Também usa-se essa associação como um eixo central da diferença racial”, aponta a professora Patrícia Hill Collins em
Black Sexual Politics: African Americans, Gender and the New Racism.

Implicações atuais

Homem negro forte

Freepik

De acordo com o estudo da doutora Busi Makoni da Universidade de Pennsylvania, essa correlação leva a problemas presentes até hoje. Para ela, usar a diferença sexual para pautar a diferença racial acaba “levando ao racismo sexual como evidenciado neste interesse obsessivo.”

“Tais discursos reforçam o estereótipo de homens negros como criaturas lascivas e sexualmente insaciáveis ​​que têm múltiplos parceiros sexuais, causando, assim, a disseminação desenfreada do vírus HIV/AIDS e levando homens negros ao estupro – assim a narrativa vai.”

“Apesar das alegações de que as sociedades pós-coloniais contemporâneas estão se tornando pós-raciais, as visões coloniais sobre corpos masculinos negros continuam a dominar por meio de múltiplas práticas discursivas que ressaltam a associação de corpos negros com ‘animalismo’.”

“Em estudos sobre a sociologia do esporte, por exemplo, se associa o corpo atlético masculino negro e resistente à energia e ao poder animalesco, especialmente em atividades como o boxe.”

“Na mídia e na publicidade, os corpos negros estão sujeitos ao racismo exótico. Enquanto na música popular e nas revistas de moda, apresenta-se a negritude como fisicalidade e não como intelecto. Na sociedade contemporânea, o ‘animalismo’ associado à negritude é mercantilizado para que homens e mulheres negros se tornem os maiores ícones de proezas esportivas, indomáveis, rebeldes, ‘brutos’ e de poder sexual.”

Então, no final das contas, o pênis pequeno nas estátuas da Grécia Antiga não são retratações negativas, culturalmente. Por outro lado, é importante observar como o pênis grande vem sendo ligado aos estereótipos negativos de pessoas não-brancas, sobretudo, as negras.

Fonte: Aventuras na História

Saiba por que a civilização maia decorava os dentes com pedras

Matéria anterior

Entenda como o tempo era contado antes de Cristo

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos