CuriosidadesNatureza

Sistema que influencia a circulação do Oceano Atlântico está em desaceleração

0

De acordo com a conclusão de um novo estudo publicado na revista Nature Geoscience, o sistema que influencia naturalmente o Oceano Atlântico e que desempenha um papel vital na redistribuição do calor em todo o sistema climático de nosso planeta está, agora, em processo de desaceleração, movendo-se mais lento que há 1.600 anos.

Os cientistas acreditam que parte dessa desaceleração está diretamente relacionada ao aquecimento do clima, o que acarreta, além da desaceleração, outros impactos, como o derretimento do gelo, que altera o equilíbrio nas águas oceânicas do norte; tempestades, ondas de calor e elevação do nível do mar.

A mais nova pesquisa reforça antigas preocupações, a qual a principal foca, novamente, em nós, que se não formos capazes de limitar o aquecimento global em um curto espaço de tempo podemos, eventualmente, atingir um ponto de inflexão, colocando os padrões climáticos globais em desordem.

Desaceleração e outras consequências

A Corrente do Golfo ao longo da costa leste dos Estados Unidos é parte integrante desse sistema em desaceleração. Conhecido como Atlantic Meridional Overturning Circulation, ou AMOC, o processo tornou-se famoso graças ao filme “The Day After Tomorrow”, de 2004, cuja trama retrata a paralisação abrupta da corrente do oceano, causando imensas tempestades ao redor do globo, com tornados sobrecarregados.

Como acontece com muitos filmes de ficção científica, o enredo é baseado em um conceito real, mas os impactos são levados a um extremo dramático. Felizmente, uma parada abrupta da corrente oceânica não é esperada tão cedo – ou nunca. Mesmo se a corrente paralisar – e isso é fortemente debatido -, o resultado não seria tempestades, mas o impacto, certamente, seria devastador para o nosso planeta.

De todas as formas, a recente pesquisa publicada na revista Nature Geoscience mostrou que a circulação do sistema que influencia o oceano diminuiu, desde 1950, em pelo menos 15%. Como a natureza está conectada, a desaceleração, sem dúvida, já está impactando os sistemas terrestres e, até o final do século, se continuarmos no mesmo patamar, estima-se que a circulação poderá desacelerar em 34% a 45%.

A importância do sistema que influencia o oceano

Como o equador recebe mais luz do sol do que os polos mais frios, o calor se acumula nos trópicos. Em um esforço para alcançar o equilíbrio, a Terra envia esse calor dos trópicos para o norte e o frio dos polos para o sul. É exatamente esse processo que faz com que o vento sopre e se formem tempestades.

A maior parte desse calor é redistribuída pela atmosfera e o restante dessa energia é direcionado lentamente pelos oceanos, processo que os cientistas chamam de Global Ocean Conveyor Belt – um sistema mundial de correntes que conecta os oceanos, movendo-se horizontalmente e verticalmente.

Nesse ínterim, a estreita faixa de água quente – e salgada -, chamada Corrente do Golfo, que rege os trópicos próximos à Florida, Estados Unidos, é transportada para o Atlântico Norte. Quando atinge a região da Groenlândia, essa faixa de água esfria o suficiente para se tornar mais densa e pesada do que as águas locais. Essa água fria é, então, transportada para o sul.

Ao longo de anos de pesquisa, tornou-se claro que a porção atlântica da correia transportadora – o AMOC – é o motor que impulsiona esse funcionamento. Com o desaceleramento desse propulsor, o clima no Hemisfério Norte está mudando, e rapidamente.

O fenômeno, que atua como uma espécie de alavanca que controla a velocidade do AMOC, é influenciado pelo derretimento do gelo glacial e o influxo resultante de água doce no Atlântico Norte. Como a água doce é menos salgada e, portanto, menos densa do que a água do mar, a correia transportadora perde seu ímpeto.

A primeira mudança significativa em relação ao sistema que influencia a circulação dos oceanos ocorreu em meados de 1800, após um período de resfriamento denominado de Pequena Idade do Gelo, o qual durou de 1400 a 1800. Durante esse período, temperaturas mais frias frequentemente congelavam rios em toda a Europa e destruíram plantações. Com o fim da Pequena Idade do Gelo por volta de 1850, as correntes oceânicas começaram a entrar em declínio.

A segunda evidência de outra mudança significativa de desaceleração surgiu nas últimas décadas e, provavelmente, foi notória devido ao aquecimento global.

Pilotos da American Airlines avistam OVNI ao sobrevoar Novo México

Matéria anterior

Programa de lavagem de mãos salvou as vidas de 2.430 brasileiros

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.