Curiosidades

Telescópio James Webb divulga imagem de galáxia de aparência curiosa

0

O telescópio James Webb é o observatório espacial mais poderoso já construído. Seu lançamento foi muito aguardado e desde que ele finalmente começou sua missão, ele vem fazendo imagens impressionantes e que intrigam os cientistas.

Na terça-feira dessa semana, a NASA, em conjunto com as agências espaciais do Canadá e da Europa, divulgou mais um registro inédito feito por esse super telescópio.

O registro divulgado é de uma galáxia a aproximadamente 500 milhões de anos-luz de distância da Terra. Essa galáxia foi apelidada de “Roda de Carro”, por conta da sua semelhança com esse objeto. Além dela, à sua esquerda é possível ver galáxias espirais menores.

Galáxia

G1

De acordo com a NASA, a “Roda de Carro” era provavelmente uma galáxia espiral, da mesma forma que a Via Láctea é, antes de colidir com uma outra galáxia menor há mais de 400 milhões de anos. Teria sido essa colisão que deu o seu formato característico.

“Agora, esse sistema é composto por 2 anéis – um anel interno brilhante e um anel colorido circundante. Ambos se expandem para fora do centro como ondulações de um lago”, afirmou a NASA em um comunicado.


Essa galáxia já foi flagrada por outros telescópios, como pelo famoso Hubble. No entanto, como a grande quantidade de poeira acaba obscurecendo a visão dessa galáxia por telescópios de luz visível, determinadas estruturas não puderam ser vistas até esse registro feito pelo telescópio James Webb.

Isso porque o James Webb consegue observar em infravermelho, que é um método que ultrapassa a nuvem de poeira. Através dela, estrelas individuais assim como regiões de formação desses astros dentro da galáxia puderam ser vistas facilmente.

Observações

G1

Outro ponto importante, é que com esses novos dados divulgados, os cientistas podem entender melhor o comportamento do buraco negro que fica ao centro da “Roda de Carro”, mesmo que esse buraco negro não seja visível no registro feito pelo telescópio.

“Esses novos detalhes nos fornecem uma compreensão renovada de uma galáxia que está em meio a uma lenta transformação”, disse a Agência Espacial Europeia (ESA), que também faz parte do consórcio internacional que levou o James Webb ao espaço.

Ainda de acordo com a NASA, outros registros feitos pelo telescópio irão ser divulgados ainda essa semana.

Telescópio

G1

Assim como o lançamento desse telescópio foi bastante aguardado, seu primeiro registro também foi. A NASA divulgou essa foto em julho desse ano.

Esse foi o primeiro registro operacional do telescópio, que irá complementar os trabalhos do famoso Hubble. O James Webb faz parte de um programa internacional que é liderado pela NASA, em parceria com a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Canadense (CSA).

A imagem feita por ele foi divulgada em um evento na Casa Branca, que contou com a presença do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e da vice-presidente, Kamala Harris.

“Hoje é um dia histórico. É uma nova janela no nosso universo. É fascinante”, disse Joe Biden.

De acordo com a NASA, a imagem feita pelo telescópio é a visão infravermelha mais profunda e nítida do universo até então. Nesse registro é possível ver um aglomerado de galáxias, chamado SMACS 0723, exatamente como ele era há aproximadamente 4,6 bilhões de anos.

A agência espacial americana também explicou que essa imagem é a primeira de uma série que o James Webb irá divulgar em breve. Ela abrange um pedaço do céu que, para uma pessoa observando da Terra, parece do tamanho de um grão de areia em uma distância de um braço.

“A comunidade científica em breve começará a aprender mais sobre a massa, idade, história e composição dessas galáxias, à medida que o Webb procura as primeiras galáxias do universo”, afirmou a NASA em um comunicado.

Fonte: G1

Imagens: G1

Polícia da Espanha investiga onda misteriosa de “picadas” em mulheres

Matéria anterior

Apresentador Jô Soares morre em São Paulo aos 84 anos

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos