A cidade portuária de Cesareia Marítima, em Israel, foi um dos cenários das Cruzadas. Fato histórico que envolve o movimento militar cristão. Tais Cruzadas tinham como objetivo ocupar a Terra Santa para mantê-la sob domínio da Igreja. Nessa época, muitas pessoas morreram lutando em batalha ou foram massacradas pelo movimento. De acordo com fontes contemporâneas, a maioria dos habitantes de Cesaréia foi massacrada pelo exército de Baldwin I (1100-1118), rei do Reino Cruzado de Jerusalém.

Para não perder suas riquezas, muitos enterravam seus pertences de valor. A esperança era de que o conflito acabasse e que pudessem recuperar os objetos. Mas muitas dessas pessoas morriam e tudo permanecia enterrado. Um desses tesouros foi encontrado recentemente nas ruínas de Cesareia. A hipótese levantada pelos pesquisadores é justamente essa, ou além disso, de que talvez os donos foram vendidos como escravos e não conseguiram recuperar seu ouro.

As escavações

Publicidade
continue a leitura

Os trabalhadores da escavação encontraram o pote com as moedas no poço de uma casa que foi construída por volta do ano 1000 d.C.. Dezoito das moedas eram a moeda local padrão da época, chamadas de dinares fatímidas. As outras seis são raras moedas de ouro imperiais bizantinas, feitas por volta de 1071-1079 d.C.. O tesouro foi colocado em exposição pública no Porto de Cesareia.

Publicidade
continue a leitura

Além de moedas

Publicidade
continue a leitura

Dentro do pote, continham 24 moedas e um brinco, ambos de ouro. Estima-se que a data dos objetos seja por volta do fim do século XI. O tesouro  pode ser ligado à conquista de Cesareia pelos cruzados no ano de 1101, um dos mais dramáticos acontecimentos da história medieval da cidade.

Publicado em: 18/12/18 16h53