7 pessoas cruéis que foram capazes de matar os próprios pais

POR Isabela Ferreira    EM Mistérios & Horror      26/03/18 às 16h56

É comum que um filho sempre tenha amor incondicional por seus pais, afinal... Eles são os provedores de sua vida. Aqueles que estão ao seu lado nos momentos mais difíceis, sem contar que ainda garantem seu sustento por longos anos de vida. É uma relação que embora possa ser conturbada em determinadas fases, costuma ser regrada a amor, cuidado e carinho. Mas é claro, existem aquelas absurdas exceções.

Já ouviu falar em patricídio ou matricídio? Trata-se nada menos do que o assassinato do próprio pai ou da mãe, respectivamente. Embora soe aterrorizador aos nossos ouvidos, não é algo tão incomum quanto imaginamos. Motivados por rancor, agindo em legítima defesa, ou apenas por possuir uma mente doentia, muitos filhos acabam cometendo o péssimo ato de assassinar seus pais. Pensando nisso, nós aqui da Fatos separamos abaixo alguns casos do tipo. Dá uma olhada!

1 - Stacey Lannert

Enquanto criança, Stacey era apenas uma garotinha normal que tinha aquela enorme admiração pelo pai. No entanto, ela percebia que algo estranho acontecia. Sua irmã não era tratada pelo pai da mesma forma, que constantemente a agredia fisicamente. À medida que Stacey cresceu, ela também começou a sofrer nas mãos dele, não apenas de forma física, mas também era sexualmente agredida.

Aos 18 anos ela decidiu por fim em tudo aquilo. Enquanto o pai dormia, pegou um riffle que tinha na casa e mesmo sem coragem, atirou. No entanto, a bala acertou apena o ombro do homem, que acordou assustado e implorando por misericórdia. Neste momento, Stacey deu o tiro que o matou. Ela acabou sendo condenada pelo crime, mas sua sentença foi convertida a trabalho voluntário no ano de 2009. Segundo o promotor do caso, a redução da pena foi um grande erro. Ele defendia a ideia de que a garota mentia sobre os abusos do pai e tudo que ela fez foi para ficar com a herança.

2 - Daniel Bartlam

Com apenas 14 anos de idade, Daniel foi capaz de matar a própria mãe da forma mais cruel que se possa imaginar... A marteladas. Em seguida, ainda jogou gasolina no quarto e ateou fogo. Assim que a polícia chegou no local, questionou o garoto sobre o que havia acontecido, e ele alegava que um criminoso invadiu a casa e cometeu o assassinato.

No entanto, depois de levarem o computado de Daniel para investigação, descobriram o absurdo... Tinha sido ele o responsável pelo crime, e o pior... Fez tudo isso apenas porque se sentiu inspirado por uma novela britânica, que mostrava uma cena parecida.

3 - Larry Swartz

A infância do jovem não foi nada fácil. Logo após seu nascimento, foi abandonado pelos pais biológicos, fato que o fez ir de orfanato em orfanato, onde se transformou em vítima de intensas agressões físicas. O último casal a adotá-lo foi Robert e Kathryn Swartz, que eram extremamente religiosos e rigorosos. O fato é que Larry não se dava bem com os dois e nem mesmo com os outros filhos que já tinham. Frequentemente entravam em discussões calorosas, devido a diferentes pontos de vista.

Foi no ano de 1984 que o garoto chamou a polícia após seus pais terem sido assassinados. Segundo os relatos que deu à polícia, o autor do crime teria sido o irmão, que sofria de problemas mentais. No entanto, as investigações foram capazes de declarar o próprio Larry como autor, fazendo com que fosse condenado a 20 anos de prisão.

4 - Robert e Jeffrey Dingman

É normal que os adolescentes não se sintam à vontade com as exigências feitas pelos pais. No entanto, esses irmãos elevaram isso a um nível muito superior. Robert, de 17 anos e Jeffrey Dingman, de 14 anos, já pensavam a muito tempo sobre uma forma de se livrar de seus pais. No entanto, foi somente no ano de 1996 que decidiram colocar o plano em ação.

Com a ajuda de uma arma, Jeffry deu os primeiros tiros nos pais, ferindo-os de forma grave. Em seguida, Robert terminou de matá-los. Colocaram os corpos em sacos plásticos e os esconderam no sótão. Na noite daquele mesmo dia, os adolescentes deram uma festa na casa, afirmando que os pais haviam viajado.

No entanto, os colegas de trabalho das vítimas começaram a achar estranho o sumiço de ambos, e foi quando a polícia entrou no caso e descobriu tudo. Os jovens foram condenados, no entanto, mais tarde os promotores conseguiram fazer com que Jeffrey testemunhasse contra o irmão. Isso fez com que sua pena fosse reduzida para 30 anos, enquanto Robert, acabou sentenciado à prisão perpétua.

5 - Chiyo Aizawa

Chiyo passou toda sua infância sendo agredida e abusada. Apenas para que você tenha noção, chegou a ter 5 filhos com o próprio pai. Quando finalmente conheceu um rapaz por quem se apaixonou e pretendia se casar, foi trancada em casa e impedida de sair. Completamente amargurada, decidiu acabar com todo seu sofrimento. No ano de 1968, estrangulou o pai até a morte.

O caso repercutiu muito no Japão e a garota seria sentenciada à morte, já que patricídio (assassinato do próprio pai) era considerado um crime hediondo e imperdoável no país. No entanto, pela primeira vez na história, as autoridades consideraram tal lei institucional. Devido aos escandecentes da menina, entenderam que ela agiu em legítima defesa e apenas a condenaram a 2 anos e meio de trabalho duro. Em seguida, a legislação passou por modificações.

6 - Sarah Johnson

No ano de 2003, o casal Alan e Diane Johnson foi encontrado morto dentro da própria casa, assassinados por balas de um riffe. Assim que os policiais chegaram na casa, encontraram os corpos acompanhados da filha de 16 anos, Sarah, que por incrível que pareça, estava muito bem.

Inicialmente, as autoridades acreditaram que o culpado pelo crime era Bruno Santos, namorado da garota. No entanto, as investigações revelaram que a própria jovem era a culpada, depois de encontrarem vestígios de seu DNA na arma do crime. O estopim para que o crime acontecesse foi que os pais não aceitavam seu namoro com Bruno. Então, ela decidiu dar fim às suas vida, cruelmente. Por ambos os crimes, ela foi pegou duas sentenças de prisão perpétua sem condicional.

7 - Suzane von Richthofen

Bem, não poderíamos deixar de mencionar um dos casos que mais chocou os brasileiros. Embora não tenha se envolvido diretamente no ato de executar seus pais, foi ela quem encabeçou o crime. No dia 31 de outubro de 2002, a jovem, que tinha apenas 19 anos na época, permitiu a entrada dos irmãos Cravinhos em sua casa. Daniel Cravinhos era seu namorado, enquanto Cristian era seu cunhado.

Os dois mataram com marretadas na cabeça o casal Marísia e Manfred. Inicialmente a moça não foi a principal suspeita, mas as investigações conseguiram chegar até o trio. Ela foi condenada a 39 anos de prisão e o caso ainda hoje repercute pela mídia.

E então pessoal, o que acharam? Compartilhem com a gente aí pelos comentários!

Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+