8 músicas usadas como tortura

POR Pietro Bottura    EM Entretenimento      09/10/14 às 21h29

Talvez você goste de metal, ou do Barney - nós não julgamos - mas duvidamos muito que você gostaria de ouví-los no último volume, 24 horas seguidas, impedido de dormir ou de se concentrar em qualquer outra coisa. É esse um dos muitos métodos que torturadores da Prisão de Guantánamo usavam para agredir seus prisioneiros e interrogados, algo caracterizado pela ONU como desumano.

"Se você tocar estas músicas [para os prisioneiros] por 24 horas, o cérebro e as funções do corpo começam a falhar, a linha de pensamento fica mais lenta e a força de vontade é quebrada. É nesse momento que entramos para falar com eles", afirmou à BBC o Sargento Mark Hadsell dos EUA, responsável por operações psicológicas e um dos idealizadores deste maligno artíficio. Confira aqui algumas das apontadas como músicas favoritas para enlouquecer pessoas:

Enter Sandman

Esse clássico do metal é geralmente colocado em repetição infinita, geralmente junto com sessões de tortura que impedem o interrogado de dormir ou sair do local, o que se constitui como uma verdadeira dor de cabeça. A ironia é com o conteúdo da música, que fala sobre o "Homem da Areia", mito infantil comum nos EUA que diz que um ser joga areia em nossos olhos para que possamos dormir, e, de manhã, acordamos com essa "areia" - mais conhecida como remela - nos olhos. Entendeu a ironia?

Rage Against the Machine - Killing in The Name Of

Essa música rebelde provavelmente terminou no último lugar que desejaria, o campo militar. Junto com outros grupos, o RATM não gostou nem um pouco de saber que suas músicas eram usadas na Baía de Guantánamo, integrando o movimento Zero dB, que luta contra a tortura musical.

Bodies - Drowning Pool

Além de incrivelmente barulhenta e agressiva, essa música, que foi faixa do filme Triplo X, é uma das mais tocadas pelo pessoal dos EUA na hora de tentar arrancar informações de inimigos. Não é de se estranhar, já que todos esses sons de gritos e instrumentos agudo mais parecem uma temporada no inferno.

Eminem - The Real Slim Shady

Binyam Mohamed, um prisioneiro de Guantánamo e ex-morador de Londres, relatou à Reprieve, organização de direitos humanos que fornece representação legal para os presos na Baía, ter sofrido meses de tortura encabeça por agentes da CIA, enquanto era mantido em uma prisão secreta. "Havia música alta, incluindo Slim Shady e Dr. Dre, durante 20 dias. Ouvi isso sem parar, por dias e mais dias (…). Muitos enlouqueceram. Eu podia ouvir as pessoas batendo suas cabeças contra as paredes e as portas", afirmou.

Bruce Springsteen - Born in the USA

Essa música crítica foi bastante usada na Baía de Guantánamo, e, apesar do título aparentemente positivo, trata das consquências da guerra do Vietnã e, em altíssimos volumes, era usada para amolecer pessoas.

Sesame Street

Esse programa, que a maioria dos brasileiros não conhece, mas foi uma real febre pro pessoal mais velho de outros países. Isso porque músicas irritantemente alegres podem ser tão impactantes quanto coisas pesadas, e geralmente são usados de forma variada para tentar "quebrar" interrogados. Imagine um assassino sendo torturado com isso - é no mínimo curioso.



Barney - Amo Vocês

Da mesma forma que o exemplo anterior, esse tema é praticamente uma lobotomia musical, incluindo pras crianças que o assistem. "No treinamento, fui obrigado a ouvir essa música por 45 minutos. Nunca mais quero passar por isso", relata um soldado norte-americano.

George Harrison - My Sweet Lord

Quem diria que uma música de um Beatle pacifista seria usada para tortura? Durante a ditadura do chileno Augusto Pinochet, diversas músicas populares eram usadas para esse fim, entre elas Julio Iglesias e até mesmo a trilha de sonora de Laranja Mecânica. Bastante condizente.

 

 

Pietro Bottura
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+