Curiosidades

As misteriosas runas vikings encontradas nos EUA em um lugar sem litoral

0

Viking é um termo usado para se referir aos exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas nórdicos, que invadiram, exploraram e colonizaram grandes áreas da Europa e das ilhas do Atlântico Norte. Os vikings eram famosos por construir casas e navios resistentes o bastante para viajar até o oriente, como Rússia, até o extremo ocidente, como Islândia e Groenlândia.

Contudo, runas desse povo foram encontradas em um estado norte-americano que não tem litoral. Nas profundezas das colinas ondulantes e arborizadas das montanhas Ouachita, no extremo leste de Oklahoma, existe uma laje de arenito antigo que ainda tem especialistas se indagando a respeito dos oito símbolos gravados nela.

Alguns pensam que essas inscrições enigmáticas são runas, ou seja, caracteres alfabéticos antigos, que foram esculpidas na pedra imponente por volta de 1000 d.C. por exploradores nórdicos que viajaram pelo rio Arkansas até chegarem a essa parte remota dos EUA sem litoral.

Runas

BBC

“Eu acho que os vikings esculpiram isso? Eu acho. A historiadora local Gloria Farley passou a vida inteira pesquisando isso, e ela tem muitas evidências para apoiá-lo”, disse Faith Rogers, uma estagiária de ciências ambientais e voluntária no Heavener Runestone Park.

A historiadora, que cresceu na cidade de Heavener, onde a pedra rúnica foi encontrada, é uma lenda na região. Foi ela quem viu as runas pela primeira vez enquanto caminhava em 1928. Depois de duas décadas, Farley voltou para estudá-las como runóloga amadora e epigrafista autodidata.

O primeiro conhecimento moderno da pedra rúnica data da década de 1830. Nessa época, ela foi encontrada por um grupo de caça Choctaw. Durante anos, os habitantes brancos de Oklahoma a chamaram de Indian Rock porque pensavam que as escritas eram, na realidade, de povos nativos americanos.

“Farley passou a maior parte de sua vida adulta pesquisando a pedra. Ela viajou por todos os Estados Unidos, foi para o Egito e foi para lugares diferentes olhando para marcas diferentes”, contou Amanda Garcia, gerente do Heavener Runestone Park.

Estudo

BBC

A historiadora tentou contato com o Smithsonian, mas descobriu que em 1923 eles já tinham feito a sua conclusão. Eles disseram que os caracteres eram de uma língua escandinava e liam “GNOMEDAL”, ou “gnome” e “dal”, traduzido como “vale do relógio de sol”, ou “vale monumento”.

Mais tarde, outros estudiosos traduziram os símbolos como “GLOMEDAL”, que significa “Vale do Glome”. Mesmo que a questão do idioma tivesse sido esclarecida, ainda tinham duas perguntas sem resposta: quem esculpiu esses símbolos e quando?

“Comecei a acreditar que os símbolos na pedra indicavam que os nórdicos haviam visitado a área antes da época de Cristóvão]Colombo. Renomeei a rocha ‘The Heavener Runestone’ e comecei minha busca por inscrições semelhantes na área”, escreveu Farley em seu livro In Plain Sight: Old World Records in Ancient America.

Durante sua carreira, Farley consultou historiadores nórdicos, geólogos e outros epigrafistas e reuniu evidências que apoiavam sua afirmação de que os vikings haviam visitado a América do Norte e que eram sim capazes de viajarem por rios e riachos em botes.

“Um estudo das fascinantes sagas nórdicas revelou os esforços dos habitantes nórdicos da Groenlândia para colonizar a costa leste da América de aproximadamente 1002 até 1010 [CE]. Se os vikings tivessem navegado para a Rússia, Irlanda, Inglaterra, França e até o outro lado do Mediterrâneo, por que seria impossível para eles chegarem a Oklahoma através do rio Mississippi?”, escreveu ela.

Em uma última análise, Farley  liderou a acusação de que os vikings navegaram para o interior do Golfo do México 600 a 800 anos atrás e deixaram sua marca neste cânion.

Vikings

BBC

Essa ideia de vikings cruzando o rio Mississippi não é tão absurda quanto parece, já que outras pedras rúnicas foram encontradas em outros lugares dos EUA. Em Oklahoma, outras seis foram vistas, mesmo que sua autenticidade ainda esteja em questão.

A atividade viking no norte da América do Norte tem um prazo concreto graças à datação de um assentamento nórdico, o L’Anse aux Meadows, um Patrimônio Mundial da Unesco na ponta mais ao norte da ilha de Newfoundland, Canadá. Essa datação coincide com a idade estimada da Pedra Rúnica Celestial.

Segundo Farley, os vikings poderiam ter viajado para o sul de Newfoundland ao longo da costa leste da América do Norte, depois girado ao redor da ponta da Flórida até o Golfo do México, onde poderiam entrar no rio Mississippi, que desaguava no rio Arkansas, que por sua vez levava ao rio Poteau, em Oklahoma.

Mesmo assim, a linguagem das runas ainda é uma questão em aberto. “As inscrições não são uma escrita viking, mas uma combinação de idiomas rúnicos Elder Futhark e Younger Futhark, que antecedem quando os vikings estariam viajando”, disse Dennis Peterson, arqueólogo e gerente do Centro Arqueológico Spiro Mounds.

“Mas eles também são potencialmente mais recentes do que isso também, porque o mesmo estilo de escrita estava sendo ensinado no norte da Europa em 1800, muito parecido com quando costumávamos aprender latim ou grego. Então, é uma probabilidade maior de que alguém que aprendeu Elder Futhark na escola passou e deixou o equivalente ao grafite”, concluiu ele.

Fonte: BBC

Imagens: BBC

6 jogos de terror realmente assustadores para jogar no Halloween

Artigo anterior

Game of Thrones revelou o final de A Casa do Dragão

Próximo artigo