Curiosidades

Cerveja com menos espuma é promessa de latinha com dois lacres

0

A cerveja é, sem dúvidas, uma bebida de preferência nacional. De todas as formas de álcool, ela é a mais duradoura e popular. Sua primeira fabricação foi há milhares de anos. Desde as civilizações antigas, a cerveja vem resistindo ao tempo e sendo consumida por milhares de pessoas ao redor do mundo.

Mesmo sendo consumida há tempos, isso não quer dizer que a forma de consumo tenha continuado a mesma. As maneiras como as pessoas gostam de beber sua cerveja mudaram e uma das coisas que mais varia entre as pessoas é a quantidade de espuma que elas gostam no copo no momento de servir a bebida.

Pensando nas pessoas que gostam de mais bebida e menos espuma, a empresa japonesa Nendo usou seus cientista para entenderem como as bolhas se formam na cerveja enlatada e pensarem em uma forma de diminuí-las.

Como resultado, os designers da empresa chegaram à conclusão de que se a latinha de cerveja tiver dois lacres é possível que a quantidade de espuma seja diminuída. Isso acontece porque os dois lacres fazem um efeito dominó. Ou seja, quando o primeiro é aberto, ele libera a pressão e abre caminho para uma grande quantidade de espuma. Já quando o segundo lacre é aberto, o fluxo da cerveja vai para o copo de forma contínua e sem espuma.

Formação das bolhas

Terra

Através de estudos e observações, a Nendo analisou os princípios básicos das bolhas na cerveja em lata e os efeitos que as matérias-primas colocadas na bebida tinham.

Com isso, eles viram que os principais fatores eram a queda de pressão que acontece de repente quando a lata é aberta, junto com o atrito entre o recipiente e o líquido quando ele é colocado no copo.

“Com o nosso estudo, descobrimos que se a aba de puxar não abrir totalmente a lata, a pressão se concentrará na abertura estreita. Ao mesmo tempo, ao despejar [o líquido], aumenta a área da cerveja em contato com a tampa, o que facilita a formação de bolhas”, disse a empresa.

Lata de cerveja

Terra

Depois de todos os estudos feitos, a empresa japonesa criou sua nova lata com dois lacres. De acordo com a Nendo, os lacres têm uma distância ligeiramente diferente entre eles e a tampa, o que muda o grau de abertura. Com isso, quando a lata é aberta no primeiro lacre, a tampa abre um pouco para criar mais espuma.

O ideal é que quando o copo estiver cheio de espuma a pessoa pare de servir e espere a espuma diminuir. Depois disso, conforme sugere a empresa, a pessoa deve abrir o segundo lacre, abrindo a tampa da latinha no máximo, e colocar de forma delicada a cerveja em cima da espuma.

Fazendo isso, a pessoa terá um copo com uma relação líquido-espuma de 7:3. Essa é a chamada proporção áurea, ou seja, é a forma perfeita de se servir uma cerveja.

Onde tomar

Beer art

Quando o assunto é cerveja, existem várias discussões sobre qual é a melhor e como é a forma certa de se beber. As pessoas podem nunca chegar a um consenso sobre isso. Mas com relação ao recipiente em que a bebida é consumida existe sim um copo melhor para cada tipo.

O lager é o segundo recipiente mais popular na apreciação de cerveja em terras brasileiras. Adivinha qual é o 1º? O copo americano, lógico. Por ele ter pouca capacidade, ele permite que o consumidor beba tudo de forma rápida antes que esquente.

Os copos lager têm uma boca fechada, algo ideal para as leves cervejas pilsen. Isso porque esse diâmetro reduzido concentra a espuma, item fundamental na promoção do refresco que o brasileiro busca ao tomar a bebida.

O cálice tem uma enorme haste na parte de baixo que serve para segurá-lo sem que sua mão tenha contato com a bebida. Assim, sua temperatura corporal tem uma passagem reduzida para a bebida, o que a mantém gelada por mais tempo. Portanto, os cálices são ideais para cervejas.

No caso das cervejas, os cálices oferecem uma experiência ideal para quem gosta de marcas com sabores fortes, como no caso das ales belgas.

O snifter é o contrário do cálice. Sua base larga facilita a passagem de calor do seu corpo para a bebida. Como resultado disso, a cerveja passa por um suave processo de evaporação. Isso favorece a exaltação de aromas, o que justifica o uso desse copo em variantes fortes que devem ser consumidas quentes.

O pint é o copo ideal para quem não quer ficar levantando para colocar mais bebida. Isso porque esses recipientes costumam comportar meio litro de bebida em sua estrutura larga da base ao topo. Ele serve para pessoas que não se importam em beber cerveja quente e que não façam questão do frescor que essa bebida traz.

A tulipa tem as mesmas vantagens dos snifters. Em síntese, esses copos também promovem o contato da mão com a cerveja a fim de volatizar aromas. Logo, esses recipientes são ideais para cervejas fortes e para bebidas quentes.

Fonte: Terra, Superinteressante

Imagens: Terra, Beer art

A garrafa de vinho mais antiga do mundo tem 1700 anos e ainda é potável

Previous article

Gostou de ”Agente Noturno”? Esse suspense na Netflix é melhor ainda

Next article

Comments

Comments are closed.